CEO do YouTube escreve carta aberta sobre cenário atual da rede

Executiva acredita que as diretrizes do YouTube devem beneficiar os criadores

Foto:
http://pcworld.com.br/ceo-do-youtube-escreve-carta-aberta-sobre-cenario-atual-da-rede/
Clique para copiar

O YouTube já foi uma plataforma de muito sucesso entre os próprios criadores, em uma época em que eles ganhavam mais, enquanto uma quantidade menor dos seus vídeos eram desmonetizados por conta das diretrizes, que mudaram nos últimos anos para se adaptar ao novo mercado.

Como já é de costume, a CEO do YouTube, Susan Wojcicki, escreveu a carta aberta que envia para a comunidade do YouTube a cada três meses. Dessa vez, Wojcicki revelou sobre as mudanças que estão sendo realizadas e comentadas por produtores de conteúdo, em relação a redução do número de conteúdos ofensivos na rede.

Diversos criadores de conteúdo acusam a plataforma de desmonetizar mesmo os conteúdos inofensivos e que o algorítimo da companhia não funciona de uma maneira certeira, as vezes demonetizando o conteúdo antes mesmo de ser publicado.

“A política de discurso de ódio e a política de assédio, que será lançada em breve, são nossas atualizações mais recentes. Em um lugar criado para muitas vozes diferentes, algumas delas poderão ultrapassar os limites. Pessoas mal-intencionadas tentarão explorar plataformas em benefício próprio, mesmo com nosso investimento em sistemas para impedi-las. Quanto mais problemas surgem, mais as autoridades, a imprensa e os especialistas questionam se uma plataforma aberta é algo útil ou até mesmo viável”, disse Susan na carta aberta.

Além disso, a executiva comentou sobre o uso dos 4 “Rs” na plataforma, e são eles: Remover, Recomendar, Reduzir, e Recompensar. Assim, a companhia:

  • Remove conteúdos que violam as políticas;
  • Recomenda aqueles que são mais confiáveis;
  • Reduz a disseminação de conteúdos que estão no limite das políticas;,
  • Recompensa os criadores que a empresa considera confiáveis e qualificados.

Susan ainda diz que a plataforma é responsável pela geração de empregos, já que um estudo da Universidade Ryerson afirmou que os criadores de conteúdo geraram 28 mil empregos só no Canadá. Não sabemos os números aqui no Brasil, mas alguns dos maiores canais do mundo são de brasileiros.03

tags

Relacionadas

Youtubers LGBTQ+ processam Google por discriminação

Criadores alegam que o YouTube está discriminando a comunidade

Este anúncio desaparecerá em:

Ir para o site