Motorola One Action | Vale trocar uma câmera de ação por ele?

Smartphone é o primeiro a trazer um recurso de câmera estilo GoPro

Foto:
http://pcworld.com.br/dados-review/motorola-one-action-vale-trocar-uma-camera-de-acao-por-ele/
Clique para copiar
PONTUAÇÃO
8.7

Motorola

One Action

One Action
R$ 1.799 ver na loja

Prós

  • Conceito inédito de câmera de ação em um smartphone
  • Vídeo selfie em 4K
  • Tela cinematográfica de 21: 9
  • Android One garante mais atualizações e experiência mais limpa

Contras

  • Sensor ultra-wide não pode ser usada para fotos
  • Bateria deixa a desejar
  • Recorte da câmera na parte frontal é grande demais

Em agosto de 2019, a Motorola lançou o One Action, primeiro aparelho que traz uma action cam – tipo a GoPro – para dentro do seu smartphone. Mas será que essa mistura dá mesmo certo?

Família com Android One

Aqui no Brasil, a Motorola já vende as opções One e One Vision. O modelo padrão chegou em 2018 como o primeiro Android One nacional, e o segundo chegou agora em 2019 oferecendo a primeira tela CinemaVision de 21:9 e, de quebra, uma câmera de 48MP e tecnologia Quad Pixel, que oferece quatro vezes mais sensibilidade à luz.

Como já deu pra notar, a linha One não é uma linha geracional, aquele tipo que segue uma geração sequencial, como a Moto G ou Z, por exemplo. A ideia da Motorola aqui é trazer uma tendência diferente para cada aparelho, sem a obrigação de ter um lançamento anual, como o G6, G7 e afins. Não dá pra negar que a ideia é muito interessante, porque é uma forma da fabricante inovar e apostar em algo diferente sem comprometer seu carro chefe.

Design, display e multimídia

Falando um pouco do design, o One Action é basicamente um clone do One Vision. O peso e as dimensões são exatamente iguais, só que o Action tem alguns míseros milímetros de espessura a mais que o irmão por conta da câmera extra na traseira.

Ele chega nas cores branco e um tom de azul mais escuro, mas a Motorola também prometeu uma cor acqua marine para os próximos meses.

As opções de biometria são reconhecimento facial e leitura de digitais, que tem o sensor na parte traseira, no logo da Motorola.

A tela FHD+ de 6.3 polegadas chega é 21:9, que facilita muito a vida na hora de assistir filmes nessa proporção sem ter aquelas tarjas pretas na lateral, mas não facilita muito na hora de acionar algo que fica na parte superior da tela quando a gente tá usando o aparelho com uma mão só.

O brilho e o contraste são bons, mas vamos combinar que esse LCD IPS poderia ter um pouquinho mais de brilho, já que a ideia aqui é usar o celular em momentos de ação, que geralmente acontecem ao ar livre, debaixo do sol. Nada que tenha atrapalhado a experiência, mas poderia ser melhor.

E esse recorte redondo da câmera interfere bem na experiência ao assistir algum vídeo em tela cheia, desviando nossa atenção. Problema que poderia ser resolvido com outra tecnologia de display, como AMOLED, mas interferiria no preço, com certeza.

Passando para o áudio, o único alto-falante que fica na parte inferior faz um bom trabalho. Quando usamos o fone de ouvido, a qualidade se mantém, com uma saída de áudio alta e pouca interferência. Dois microfones também fazem parte do pacote, assim como a entrada para fones de ouvido que está entrando em extinção. O conector é um USB-C e uma capinha protetora já vem dentro da caixa.

Desempenho

Debaixo do capô, o processador é um Samsung Exynos 9609, o mesmo do One Vision, um octa-core de 2.2 GHz acompanhado de 4GB de RAM e 128GB de armazenamento interno, com opção de expansão via microSD em até 512GB.

A fluidez é boa e o desempenho é o esperado para um intermediário, mas temos algumas opções, como o Xiaomi Mi 9 SE, que estão ali na mesma faixa de preço e poderia ser uma aposta melhor com seu Snapdragon 712.

Software

O sistema operacional é um Android 9 Pie com as vantagens do programa Android One. Isso significa que a Motorola garante atualizações para as versões Q e R do Android. Já as atualizações de segurança continuam chegando por um período de três anos a partir do lançamento global do produto, que foi agora em agosto.

Os recursos específicos da Motorola também marcam presença, incluindo as ações que permitem gestos como girar o pulso duas vezes para acessar a câmera, ou tocar com três dedos na tela para fazer uma captura.

Bateria

A bateria de 3.500 mAh não é ponto forte aqui. Usando o One Action como smartphone principal na rotina consegui chegar com uma certa porcentagem em casa, depois do trabalho – mas isso se não optasse por assistir nenhuma série ou algo do tipo no trajeto, senão...esquece.

Para carregar essa bateria, foi preciso quase 2h30 com o carregador de 10W que vem na caixa e leva o ponteiro só até 30% em 30 minutos.

Câmeras

O One Action é o primeiro smartphone da Motorola com três câmeras na traseira, mas a empresa deixou bem claro que a ideia não é vender quantidade, mas sim o que a câmera pode fazer. O conjunto traz um sensor principal de 12 MP, um auxiliar de 5 MP para profundidade, e um de 16 MP e ângulo de 117 graus dedicado aos vídeos.

É bem comum a gente ver por aí ultra-wide em foto, mas não em vídeo. Aqui o negócio é diferente: a câmera ultra wide é para vídeo. Foto com ela só enquanto você está filmando e com apenas 3 MP. A Motorola não explicou o motivo dessa decisão, mas o hardware está aqui. Por que não usar?

Para garantir esse efeito de câmera de ação no celular, o One Action conta com estabilização eletrônica de vídeo (que corta os cantinhos da imagem pra tirar a tremedeira mais perceptível) e um recurso bem diferentão que permite segurar o aparelho na vertical enquanto a câmera filma na horizontal. Temos que admitir que filmar na horizontal segurando o celular com apenas uma mão é realmente mais confortável, principalmente se estiver fazendo alguma atividade.

Para ativar e desativar essa opção de filmar na horizontal segurando na vertical é preciso apertar um ícone que fica ali do lado do REC na tela. O indicador não é o mais intuitivo do planeta, mas tá ali, bem facinho de clicar.

Quem quiser gravar vídeo no formato de stories com a wide, por exemplo, tem que virar o celular na horizontal. Pra fazer essa “mágica”, a Motorola defasou em 90 graus o sensor da grande angular no hardware do aparelho.

A action cam filma até em FHD a 60fps e vídeos normais podem chegar a até 4K. A câmera frontal de 12 MP f/2.0 também filma em 4K, o que é bem legal.

O resultado é interessante e, apesar de ainda não ter como trocar uma GoPro da vida por um smartphone, - principalmente se levarmos em consideração os acessórios mil das câmeras de ação real oficial - é uma mão na roda ter esse recurso de vídeos bem estabilizados, tudo segurando com uma mão só. Então, ponto pra Motorola que resolveu inovar nesse quesito!

Já pra quem gosta de fotos, o One Action faz um bom trabalho para um intermediário, sem resultados admiráveis e sem ultra nitidez, porém honestos. A tecnologia Quad Pixel traz mais detalhes para o quadro e o HDR faz um boms trabalho durante o dia, mas à noite não se destaca. O contraste das imagens não faz brilhar os olhos da galera das redes sociais, mas um tapinha na edição ajuda a “animar” as cores.

A presença do modo manual também ajuda bastante, pois permite escolher o ISO (entre 100 e 3.200), a velocidade do obturador, o balanço de branco para mexer na temperatura da imagem, além de poder ajustar manualmente o foco.

Vale a pena?

O preço oficial de lançamento do Motorola One Action aqui no Brasil é R$ 1.799. O Samsung Galaxy A50, por exemplo, foi lançado por R$ 1.999, mas poucos meses depois já pode ser encontrado por menos de R$ 1.500, e além de trazer uma telona Super AMOLED, ele também conta com uma bateria de 4.000 mAh.

O grande atrativo aqui no One Action é, de longe, o recurso de câmera de ação com a opção de filmar segurando o aparelho na vertical. O problema é que o sensor daaaa grande angular não pode ser usado pra tirar fotos, mas, em compensação, existe a possibilidade de filmar em 4K com a câmera frontal, algo não tão comum pra sua faixa de preço.

Se você também quer passar mais tempo longe da tomada, deve levar em consideração que a bateria aqui deixa um pouco a desejar, principalmente se você for usar os principais recursos: tela e câmera de ação.

O resumo da ópera é que existem outras opções aí no mercado, mas se o seu negócio for fazer vídeos estilo GoPro com o celular, ter uma tela legal para assistir filmes (sem se incomodar com o buraco da câmera), fazer selfies maneiras e ter o Android atualizado, o Motorola One Action pode ser uma boa aposta.

Este anúncio desaparecerá em:

Ir para o site