Imagens do YouTube Music Key vazam na Internet

Zach Miners, IDG News Service
21/08/2014 - 09h07 - Atualizada em 30/08/2014 - 23h55
Os rumores são os de que o serviço premium de streaming música no YouTube custará 10 dólares e não terá anúncios

Os indícios são os de que o Youtube está próximo de lançar seu serviço de música por assinatura, com conteúdo premium e sem publicidade. O serviço serviria de isca para lucrativa para o Google atrair alguns de seus usuários para outros serviços de vídeo e música digital, como o Google Play Music e o Google Play Music Key.

Imagens do suposto serviço, chamado YouTube Music Key, foram publicadas recentemente pelo blog Android Police e mostram conteúdos exclusivos, como remixes ou covers, cesso offline para álbuns ou shows inteiros, e listas de reprodução personalizadas. Tudo isso por 10 dólares ao mês.

Um porta-voz do YouTube se recusou a comentar o vazamento das imagens, mas rumores de um serviço de música paga a partir do site de vídeos de propriedade do Google vêm circulando já há algum tempo. Uma notícia publicada pelo Financial Times chegou a afirmar que o YouTube estava bloqueando ou penalizando gravadoras independentes que não se interessaram em se inscrever para o futuro serviço pago. No início deste mês, Susan Wojcicki, head do YouTube, confirmou que a empresa estava trabalhando em algum tipo de serviço de música por assinatura, em uma entrevista ao Re/code.

Portanto, parece bastante provável que uma versão premium do YouTube apenas para a música esteja a caminho. A versão gratuita do YouTube funciona bem para muitos, mas uma versão premium pode deixar que o Google rentabilize alguns novos conteúdos e incentive os consumidores a experimentarem outros serviços de mídia digital da empresa.

A quantidade e diversidade de conteúdo disponível gratuitamente no YouTube é enorme, e os anúncios não interrompem a experiência de audição como no Spotify ou no Pandora. Além disso, o Google já oferece o Google Play All Access, um serviço de música paga que sincroniza todos os dispositivos e permite que as pessoas ouçam música off-line por US $ 9,99 ao mês.

O serviço "Premium" pode incluir gravações exclusivas de covers de artistas profissionais ou faixas inéditas exclusivas como faz a iTunes, da Apple. Para isso, o Google teria que fazer novos acordos de licenciamento com gravadoras.

Se o YouTube puder converter apenas uma pequena fração de seus usuários bilhões extras mensais em clientes pagantes, essa pode ser uma vitória para o Google, argumenta Mark Mulligan, co-fundador da música e da tecnologia de investigação firme Midia Consulting.

Segundo o YouTube, seus usuários assistem mais de 6 bilhões de horas de vídeo a cada mês - quase uma hora para cada pessoa na Terra. E 100 horas de vídeo são carregadas a cada minuto.

O Google também pode empacotar o serviço de videoclipes do YouTube com o conteúdo de áudio puro em um app Google All Access. Se a combinação for feita corretamente, poderá ajudar o Google a distinguir-se de alguns dos seus concorrentes.

Em suma, o YouTube pode não estar à procura de rentabilizar o que já tem, mas interessado em criar um serviço diferenciado. O wild card é a empresa negociar as ofertas certas com as editoras e gravadoras.

"A posição do Google se encaixa em uma fase mais ampla na evolução de conteúdos digitais", disse Mulligan da Midia em um post no blog sobre a oferta de serviços premium do YouTube. Gigantes da tecnologia como Google, Apple e Amazon, segundo ele, estão testando o quão longe eles podem empurrar seus parceiros para fortalecer os seus produtos já fortes.

Assine a Newsletter. É rápido. É grátis.

White Papers

Dados Corporativos no Brasil – Mais Em Risco Do Que Nunca

Em pesquisa realizada com profissionais de segurança de TI, foi possível identificar os desafios que as empresas enfrentam para proteger seus dados. Este relatório apresenta as razões estimadas pelas empresas entrevistadas sobre os gastos com seguraça em 2017, a visão da empresa em relação a adesão de novas tecnologias versus a vulnerabilidade de segurança que podem ter e mostra como as organizações enxergam o uso da tecnologia de criptografia para a proteção de seus dados e dos ambientes tecnológicos emergentes.

Tendências em criptografia e gestão de chaves: Brasil

Grandes violações e ataques cibernéticos fizeram crescer a urgência das empresas em aprimorar sua postura de segurança. Diante deste cenário, a pesquisa conduzida pelo Ponemon Institute examinou o uso da criptografia como estratégia de segurança dos dados da empresa e qual o impacto dessa tecnologia na postura de segurança.

A Transformação Digital depende do gerenciamento de dados corporativos

Os dados são ativos valiosos para as corporações e imprescindíveis para manter sua competitividade no mercado. Conhecer estes dados e transformá-los em informação estratégica para o seu negócio é fundamental para gerar vantagem competitiva, manter e conquistar novos clientes. Mas como ver, controlar ou regular seus dados? Acesse este white paper para conferir os principais desafios enfrentados pelas organizações diante de seu grande volume de dados corporativos e como torná-los em ativos estratégicos.

Reviews

Mais reviews

Belo design, capas coloridas permitem personalizar o aparelho
Tela grande e de ótima qualidade
Bom desempenho e autonomia de bateria
Tem slot para cartões microSD

Câmera traseira tem foco fixo
Não tem flash
Não tem câmera frontal
Só 4 GB de memória interna

Desempenho excepcional
Excelente autonomia de bateria

Tela tem péssima qualidade de imagem
Grande e desengonçado