2016, o ano em que demos adeus ao Blackberry, Peeble, Vine e muito mais

IDG News Service
30/12/2016 - 08h00 - Atualizada em 05/01/2017 - 06h28
O obituário Tech em 2016 é longo. De Samsung Galaxy Note7, Microsoft Band ao Nexus, relembre as principais descontinuações de 2016
O ano de 2016 foi brutal no mundo da tecnologia. Projetos ambiciosos descontinuados, produtos de nicho amados tornaram-se insustentáveis, e pelo menos um embaraço corporativo colossal marcou o calendário. A seguir, dê uma olhada no passado 2016 e em toda a tecnologia que morreu no ano. 
 
Pebble
Pebblewatch_625
Depois de iniciar a era smartwatch em 2013, o Pebble não conseguiu sobreviver ao colapso do hype dos wearables. Como todos os outros fabricantes de smartwatch, exceto a Apple, as vendas do Pebble eram moderadas, e a falta de financiamento disponível teria levado a uma dívida excessiva. Em dezembro, a Fitbit concordou em adquirir o software e propriedade intelectual do Pebble, mas efetivamente abandonou os atuais usuários e cancelou o próximo Pebble Time 2 e Pebble Core. Foi um final triste.
 
Samsung Galaxy Note7 
galaxynote7ifa_625.jpg

A maioria dos produtos de hardware não morrem de forma definitiva, mas em vez disso tornam-se obsoletos a medida que novos produtos tomam o seu lugar. O Galaxy Note7 da Samsung foi uma exceção, já que problemas com sua bateria fizeram com que os telefones recém-lançados se incendiassem ou explodissem. Um recall precipitado do produto não conseguiu corrigir o problema, e a Samsung eventualmente descontinuou toda a linha do produto. Quanto aos telefones existentes, a sul-coreana tem tentado recuperar todos, além de entregar uma atualização para travar todos esses telefones afim de evitar quaisquer riscos de segurança adicionais. As ações e os ganhos da Samsung deram um mergulho no abismo, mas a maior questão que fica após o fiasco com o Galaxy Note7 é se a empresa pode recuperar a confiança dos consumidores e se veremos outro telefone sob a marca Note novamente.
 
BlackBerry 
 
blackberryclassic2014_520.jpg
 
Se você vir um telefone BlackBerry no futuro, provavelmente não será feito pela BlackBerry. Em setembro, a fabricante, outrora orgulhosa de seus aparelhos, anunciou que iria parar de desenvolver seu próprio hardware e, em vez disso, se concentrar em software, enquanto oferece o licenciamento do telefone para fornecedores terceirizados. O DTEK50, basicamente um modificado Alcatel Idol 4, é um exemplo. Da mesma forma, não está claro se veremos qualquer BlackBerry com teclado físico novamente.
 
Vine
vine iphone 520

O serviço de vídeo em loop de 6 segundos do Twitter teve supostamente problemas com questões de gerenciamento, mudanças de estratégia e falta de visão desde que foi lançado em 2013. E em outubro passado, a Vine anunciou que seus aplicativos serão e encerrados, mas que os vídeos já publicados permanecerão online. Apesar de rumores de uma possível aquisição para salvar o serviço, o tempo do Vine parece se esgotar.
 
Facebook Paper
Nascido de um grupo interno de pesquisa e design, o Creative Labs, o Facebook Paper era uma versão do News Feed da rede social. Os usuários passariam por fotos em tela cheia, notícias e atualizações de status, e não havia vídeos de auto-reprodução ou mensagens de promoção de marcas. Muitos usuários juravam que o Paper era melhor, inclusive, que o principal app do Facebook, mas fato é que o serviço nunca pegou uma massa crítica de usuários, e depois de um hiato em atualizações, o Facebook retirou o App das lojas virtuais. Na melhor das hipóteses, os usuários podem ter o conforto sabendo que algumas das melhores inovações do Paper, como o conceito de artigos instantâneos, fizeram seu caminho para o aplicativo principal do Facebook e que a estrutura gráfica subjacente está disponível para qualquer desenvolvedor.
 
Google Nexus 
nexus6p_625.jpg
Há alguns meses, o Google lançou um par de novos e inteligentes smartphones sob a marca Pixel, com especificações técnicas de ponta, novos recursos e preços premium para competir com o iPhone da Apple. Trata-se de uma boa notícia para os entusiastas do Android que querem o melhor hardware e software possível juntos, mas a novidade também marcou o fim da linha Nexus, que nos últimos anos ofereceu um sólido Android a um preço mais baixo. O Google diz que a marca Nexus não voltará, embora continue a suportar o hardware atual.
 
Firefox OS 
Embora a Mozilla tenha declarado a morte do Firefox OS para smartphones no ano passado, a companhia continuou a desenvolver o sistema para web para TVs inteligentes e teve uma equipe trabalhando em outros dispositivos, como tablets, roteadores, sticks HDMI e PCs all-in-one . Em setembro, no entanto, a Mozilla disse que estava abandonando o projeto inteiramente. A Panasonic terá que manter a versão para a smart TV por conta própria, e enquanto a comunidade de código aberto possa ainda criar uma bifurcação para outros dispositivos, esta seria uma grande tarefa sem a ajuda da Mozilla. A vantagem é que a remoção de todo esse código subjacente pode ajudar a Mozilla a trabalhar de forma mais rápida no Firefox, abrindo o caminho para uma revisão do motor da Web em 2017.
 
Intel Atom para smartphones 
Depois de dormir durante a revolução do smartphone, a Intel percebeu este ano que ela não ia se recuperar. A empresa parou de trabalhar em seus chips Atom para smartphones, voltando seu foco para outros dispositivos conectados à internet, como drones, carros autônomo e headsets de realidade aumentada. 
 
Projeto Ara
projectara2016_625.jpg
 
O conceito de smartphone modular do Google sempre pareceu uma aposta ambiciosa e a longo prazo, e depois de vários atrasos e mudanças no design, o Google decidiu este ano descontinuar o Projeto Ara. O design modular permitiria a fácil troca de componentes, o que poderia potencialmente gerar economias ao longo do tempo, além de reduzir o desperdício eletrônico. Mas, ao invés disso, o projeto em si foi dirigido para a pilha de sucata, a menos que os fornecedores terceirizados decidam licenciar a tecnologia. Até agora isso não aconteceu. 
 
Microsoft Band  
Microsoft-Surface-band_625
 
Um rastreador fitness em uma pulseira com um touchscreen colorido foi convincente em teoria, mas o produto foi barrado por falta de suporte a aplicativos e software. Este ano, a Microsoft não lançou uma terceira versão de sua pulseira inteligente. A declaração da empresa sobre o futuro da linha Band ("Continuamos a investir e inovar na plataforma Microsoft Health...") não é encorajadora. Mas não se precipite em achar que a Microsoft está fora do negócio de wearables inteligentes, mas presuma que o hardware de condicionamento físico esteja em um hiato.
  
Picasa 
É incrível que o Picasa tenha sobrevivido tanto tempo. O conjunto de edição e armazenamento de fotos foi lançado em 2002 e foi comprado pela Google em 2004, mas ele parou de receber atualizações importantes há anos e havia sinais em 2013 de que poderia ser substituído pelo Google+ Photos. Ainda assim, o Picasa avançou até o início do ano passado, quando o Google realmente decidiu concentrar todos os esforços em seu novo serviço Google Photos. Os usuários do Picasa ainda podem editar fotos com o aplicativo da área de trabalho se já o tiverem, mas o desenvolvimento cessou e algumas funções da API estão desaparecendo.  
 
Project Astoria 
Para ajudar a fechar a lacuna de aplicativos entre o Windows e outras plataformas, o Projeto Astoria teria deixado os desenvolvedores Android facilmente portar seus aplicativos para a Universal Windows Platform. Então por que a Microsoft destruiu essa ferramenta em vez de liberá-la? Oficialmente, a companhia disse que o conceito era muito confuso para os desenvolvedores, mas alguns observadores teorizaram que a Astoria criou complexos obstáculos legais em torno da criação de APIs que não fazem parte do Android Open Source Project. Em qualquer caso, a Microsoft agora está encorajando os desenvolvedores a usarem as ferramentas de desenvolvimento de plataformas cruzadas que adquiriu através do Xamarin no início de 2016.
 
 
 

Assine a Newsletter. É rápido. É grátis.

White Papers

Tendências em criptografia e gestão de chaves: Brasil

Grandes violações e ataques cibernéticos fizeram crescer a urgência das empresas em aprimorar sua postura de segurança. Diante deste cenário, a pesquisa conduzida pelo Ponemon Institute examinou o uso da criptografia como estratégia de segurança dos dados da empresa e qual o impacto dessa tecnologia na postura de segurança.

A Transformação Digital depende do gerenciamento de dados corporativos

Os dados são ativos valiosos para as corporações e imprescindíveis para manter sua competitividade no mercado. Conhecer estes dados e transformá-los em informação estratégica para o seu negócio é fundamental para gerar vantagem competitiva, manter e conquistar novos clientes. Mas como ver, controlar ou regular seus dados? Acesse este white paper para conferir os principais desafios enfrentados pelas organizações diante de seu grande volume de dados corporativos e como torná-los em ativos estratégicos.

10 principais tendências de Business Intelligence para 2017

Reviews

Mais reviews

Belo design, capas coloridas permitem personalizar o aparelho
Tela grande e de ótima qualidade
Bom desempenho e autonomia de bateria
Tem slot para cartões microSD

Câmera traseira tem foco fixo
Não tem flash
Não tem câmera frontal
Só 4 GB de memória interna

Desempenho excepcional
Excelente autonomia de bateria

Tela tem péssima qualidade de imagem
Grande e desengonçado