Desktop de grife por menos de R$ 2 mil

Mário Nagano
06/09/2005 - 11h35 - Atualizada em 09/09/2005 - 19h49
HP e Lenovo entram na guerra de preços. Confira o teste das novidades

Desktops IBM LenovoO que sua empresa faz quando precisa comprar computadores novos, mas está com o caixa baixo? Muitas continuam sofrendo com os equipamentos obsoletos.  Outras financiam a compra. E uma parcela grande não tem dúvidas – parte logo para o mercado cinza.  Uma quarta opção está disponível agora. São os computadores de grife com preços acessíveis. Dois fabricantes de renome lançaram modelos de mesa nessa categoria: a HP apresentou o Business Desktop dx2090 Microtower, de 1.709 reais, e a Lenovo mostrou o ThinkCentre A51, que sai por 1.984 reais.

O que chama a atenção nos lançamentos é a semelhança das configurações. Em suas versões mais simples, com Windows XP, ambos vêm com processador Celeron D 330J de 2,66 GHz, 256 MB de SDRAM DDR 400, vídeo integrado, porta de rede Fast Ethernet (10/100 Mbits), unidade de CD-ROM 48x, unidade de disco flexível de 1,44 polegadas e disco rígido SATA. A diferença é que o modelo da HP vem com uma unidade de 40 GB, enquanto o equipamento da Lenovo tem o dobro da capacidade de armazenamento (80 GB).

O processador Celeron D 330J tem barramento frontal de 533 MHz e soquete LGA 775, o mesmo usado nos modernos chips Pentium 4 Prescott.  O sufixo J informa que o chip inclui o recurso Execute Disable Bit, que protege o sistema contra ataques de buffer overflow. Tanto o dx2090 quanto o A51 serão vendidos em gabinetes minitorre. No caso da Lenovo, essa versão será exclusiva da rede de distribuidores da empresa, enquanto o modelo desktop estará à venda no site da companhia. Em ambos os produtos, o monitor não faz parte do preço final.

Apesar de todas semelhanças, os projetos dos dois computadores diferem radicalmente. Enquanto a HP optou por um equipamento mais convencional, baseado no padrão Micro-ATX e na placa-mãe Gigabyte GA- 8S661FXM-775 com chipset SIS 661FX, a Lenovo preferiu o novo padrão BTX e a placa-mãe de fabricação própria, baseada no chipset Intel 915G. 

Cada um dos projetos tem vantagens e desvantagens. O dx2090 combina recursos novos, como o soquete LGA 775, a porta SATA com RAID e a saída de som de seis canais, com outros nem tanto, como mais de uma porta IDE e slot AGP 8x, o que permite fazer upgrades sem muitos gastos. O A51, por sua vez, é mais fiel à plataforma Grantsdale, o que implica o uso de tecnologias mais avançadas, entre elas o barramento de memória dual channel, a aceleradora gráfica Intel GMA 900 e o barramento de dados PCI-E.Surpreendeu negativamente no produto da IBM o fato de não vir equipado com slot PCI-E x16, o que impede seus usuários de utilizar placas de vídeo mais velozes que a GMA 900 integrada.

Tanto o modelo da HP quanto o da Lenovo têm gabinetes de construção sólida e acabamento de primeira linha. Seguindo a tradição dos desktops IBM, o A51, da Lenovo, pode ser quase que totalmente desmontado sem o uso de ferramentas. No dx2090, que tem sistema de montagem padrão do mercado, a desmontagem é apenas parcial.

Nos testes de desempenho, a plataforma mais moderna do A51 confirmou o favoritismo, mostrando-se mais veloz que o dx2090 tanto nas análises sintéticas quanto nos testes de aplicativos. Isso mesmo com o recurso da memória dual channel desativado, já que veio com apenas um pente de memória de 256 MB. A máquina da Lenovo só peca mesmo pela ausência do slot PCI-E x16. Segundo a Lenovo, a explicação é simples: as pequenas e médias empresas, para quem o A51 se destina, simplesmente não estão interessadas no recurso. Azar do consumidor doméstico, que poderia ver nesse equipamento a chance de também substituir seu computador ultrapassado.

Desempenho à prova

ModeloBusiness Desktop DX2090 MicrotowerThinkCentre A51
FabricanteHPLenovo
Preço (R$)1.7091.984
Onde encontrarHP Brasil – (11) 4004-7751
e 0800-157751
www.hp.com.br
Lenovo – 0800 7014817
www.lenovo.com/br
Avaliação técnica final7,310
Pontos fortesCPU protegida contra hackers; suporte para RAID; modem inclusoPlataforma BTX com chipset Grantsdale; disco de 80 GB
Pontos fracosNão oferece suporte a DX 9.0Não possui slot PCI-E x16
Características técnicas7,710
ProcessadorCeleron D 330J (2,66 GHz)Celeron D 330J (2,66 GHz)
Memória inclusa (MB)256 DDR 400256 DDR2 400
Placa-mãeGA-8S661FXM-775IBM Barbados
ChipsetSiS 661FXIntel 915G Express
Aceleradora gráfica on-boardSiS Mirage 2D/3DIntel GMA 900
Slots PCI / AGP / PCI-X x1 / PCI-X x163 / 1 / 0 / 02 / 0 / 1 / 0
Slots de memória / ocupados / dual channel2 / 1 / não4 / 1 / sim
Portas serial / paralela / USB1 / 1 / 82 / 1 / 6
Porta de rede / modemsim / simsim / não
Unidade de CD-ROM / disquetesim (48x) / simsim (48x) / sim
Disco rígidoSeagate ST340014 SATA de 40
GB em RAID
Western Digital WD800JD
SATA de 80 GB
Acessórios inclusosmouse de esfera e tecladomouse óptico e teclado
Desempenho710
PC WorldBench 56067.2
Sysmark 2004 / PCMark 200487 / 2.685135 / 2.990
3DMark'05 / 
3DMark 2001SE
não disponível / 1.26182 / 3.027

A avaliação técnica final leva em consideração apenas características técnicas e desempenho.
A avaliação considerou os seguintes itens e respectivos pesos: características técnicas (60%) e desempenho (40%). As notas intermediárias baseiam-se numa escala de valor onde o melhor resultado dentro de cada grupo recebe a nota máxima (10).

PRÓ

CONTRA

Fabricante:

Preço:

Assine a Newsletter. É rápido. É grátis.

White Papers

Dados Corporativos no Brasil – Mais Em Risco Do Que Nunca

Em pesquisa realizada com profissionais de segurança de TI, foi possível identificar os desafios que as empresas enfrentam para proteger seus dados. Este relatório apresenta as razões estimadas pelas empresas entrevistadas sobre os gastos com seguraça em 2017, a visão da empresa em relação a adesão de novas tecnologias versus a vulnerabilidade de segurança que podem ter e mostra como as organizações enxergam o uso da tecnologia de criptografia para a proteção de seus dados e dos ambientes tecnológicos emergentes.

Tendências em criptografia e gestão de chaves: Brasil

Grandes violações e ataques cibernéticos fizeram crescer a urgência das empresas em aprimorar sua postura de segurança. Diante deste cenário, a pesquisa conduzida pelo Ponemon Institute examinou o uso da criptografia como estratégia de segurança dos dados da empresa e qual o impacto dessa tecnologia na postura de segurança.

A Transformação Digital depende do gerenciamento de dados corporativos

Os dados são ativos valiosos para as corporações e imprescindíveis para manter sua competitividade no mercado. Conhecer estes dados e transformá-los em informação estratégica para o seu negócio é fundamental para gerar vantagem competitiva, manter e conquistar novos clientes. Mas como ver, controlar ou regular seus dados? Acesse este white paper para conferir os principais desafios enfrentados pelas organizações diante de seu grande volume de dados corporativos e como torná-los em ativos estratégicos.

Social Media @PCWorld