Conheça o cérebro por trás do smartphone ou tablet que você ainda terá

René Ribeiro, da PC World
24/02/2010 - 16h16 - Atualizada em 03/05/2010 - 20h13
O que você precisa saber sobre o componente mais importante dos novos dispositivos portáteis que chegam ao mercado.

process-150.jpgAs pessoas podem até não conhecer em profundidade que um processador pode fazer, mas é certo que nomes como Core 2 Duo, Dual Core, Core i7, Phenom, Opteron, Athlon já não soam assim, tão estranhos a qualquer um que lide com informática mesmo que como simples usuários. Convencionou-se chamar o chip de cérebro do computador até porque a CPU (Unidade Central de Processamento) é responsável pelo resultado de todas as operações da máquina.

Pouca gente sabe, porém, que os celulares e smarphones, e agora os tablets, que vêm ganhando destaque no mercado, também têm uma CPU e que ela é fundamental para determinar a capacidade de processamento do gadget em questão. O motivo disso talvez esteja mais relacionado à preocupação dos usuários em saber o que um smartphone é capaz de fazer e o quanto eficiente ele é no desempenho dessas funções.

A demora em carregar o player de música, exibir uma imagem ou reproduzir um filme está diretamente relacionado à memória do dispositivo e à capacidade do processador instalado nele. E quando mais “inteligentes” os smartphones se tornam, mais importante é saber se ele possui um ‘cérebro’ bom o suficiente para lidar com isso de forma rápida e sem consumir muita energia, pedra no sapato de qualquer dispositivo móvel. Os tablets ainda são caros e disponíveis em poucos modelos, mas sofrem dos mesmos problemas.

Para ajudar você a se familiarizar com os nomes das plataformas que serão muito faladas daqui pra frente, a PC World identificou os processadores mais importantes que a indústria de mobilidade está usando nos smartphones e tablets, e lista informações básicas, tais como quem o fabrica, características principais, velocidades, número de núcleos e onde vêm sendo usado.

Apple A4
O processador que vai equipar o iPad, o tablet da Apple que dever ser vendido a partir de março. O chip não foi desenvolvido desde o zero pela empresa de Steve Jobs e, sim, customizado a partir do processador Cortex-A9, desenvolvido pela ARM. A ARM, conhecida por fornecer processadores para diversos fabricantes de dispositivos móveis, permite que tais componentes sejam customizados conforme a necessidades da indústria. Isso faz com que encontremos chips ARM em smartphones e tablets de diferentes fabricantes, com outras denominações e a marca dessas empresas.

Características: Utiliza endereçamento de 32 bits e trabalha na frequência de 1 GHz, considerada alta para um smartphone, mas que pode ser insuficiente para tudo o que um tablet se propõe fazer. Em contrapartida, tem a vantagem de consumir pouca energia; em atividade, dispersa apenas 1,9 watt de potência (0,4W em repouso). Segundo a Apple, a bateria do iPad pode chegar a dez horas de duração quando em uso e até 30 dias no modo de espera.

Samsung S5PC100
Apesar de ser fabricado pela Samsung, é outro processador baseado na arquitetura ARM, mais especificamente no ARM Cortex-A8. Está presente em todos os modelos de iPhone 3G S.

Características: Também utiliza endereçamento de 32 bits, mas trabalha a 600 MHz (como no iPhone 3GS), embora possa alcançar 833 MHz, dependendo da arquitetura do dispositivo em que será utilizado. Quanto ao consumo, é menos econômico do que o ARM Cortex-A9. Aliás, uma das mais frequentes reclamações de usuários do smartphone da Apple é justamente a baixa autonomia da bateria.

Samsung S5L8900
É o processador utilizado no iPhone 3G e na primeira e segunda geração do iPod touch. A pergunta óbvia depois dessa informação é: então qual a diferença entre os três gadgets da Apple? Apesar de usarem o mesmo processador, o componente pode funcionar em frequências de trabalho diferentes (de 400 MHz a 667 MHz). O iPhone 3G trabalha a 412 MHz, a primeira geração do iPod touch funciona a 400 MHz e a segunda geração, a 532 MHz. Outro dado importante é que esta versão do chip é maior do que o utilizado no atual iPhone 3G S.

Características: Utiliza endereçamento de 32 bits e trabalha com frequências entre 400 MHz e 667 MHz dependendo da arquitetura utilizada no dispositivo móvel onde é usado. É baseado no chip ARM 1176JZF.

processadores_tabela.jpg

Snapdragon QSD8250
Fabricado pela Qualcomm, é o processador utilizado no celular do Google, o Nexus One (fabricado pela HTC, sob orientação do gigante de buscas) e também no Mini 5, o tablet da Dell.

Características: Eis mais um processador com arquitetura de 32 bits e tem como principal vantagem a frequência de trabalho, que chega a 1 GHz. Possui a sétima geração de módulo para GPS, o que torna esse recurso muito rápido e eficiente.

Omap 3430
Fabricado pela Texas Instruments, é o processador do smartphone Milestone, da Motorola, que, por sua vez, concorre com o Nexus One, pois os dois utilizam sistema operacional Android 2.1. Também é encontrado no Nokia N900 e no Palm Pre Plus.

Características: Utiliza arquitetura de 32 bits, e sua frequência máxima de trabalho é de 600 MHz. Com exceção do Milestone, que trabalha a 550 MHz, todos os smartphones citados o trazem a 600 MHz. 

Qualcomm MSM7201A
Este processador pode ser encontrado no Motorola Dext, outro aparelho que também usa o sistema operacional Android e desempenho não faz parte do seu nome.

Características: Construído com arquitetura de 32 bits, ele só funciona na frequência de 528 MHz. É baseado no processador ARM 1136EJ-S.

Nova safra de processadores
Tegra 2
Fabricado pela nVidia, ele utiliza o mesmo core do processador do iPad da Apple, o ARM Cortex-A9. A diferença é que o Tegra 2 utiliza dois núcleos e possui processador gráfico embutido, com capacidade para rodar vídeos em alta definição (1080 linhas progressivas). Quem já utiliza esse processador é o tablet Adam, fabricado pela Notion Ink.

Características: Utiliza arquitetura de 32 bits e pode usar de um até quatro núcleos. Funciona a 1 GHz. Espera-se que a nVidia lance outras versões desse chip.

Atom para smartphones
A Intel não quer ficar de fora do lucrativo mercado de telefones celulares, tanto que anunciou, na segunda quinzena de fevereiro, uma versão de Atom com o codinome Moorestown.

Características: Ainda não há informações sobre a frequência de trabalho, mas, segundo um documento da Intel, terá processador gráfico embutido e seu tamanho será metade do atual chip Atom existente para netbooks, provavelmente consumindo muito menos energia.

Pantheon
Outro chip que pode revolucionar o mercado é o Pantheon, desenvolvido pela Marvell, uma pequena empresa do Vale do Silício com 5 mil funcionários. Pequena, se comparada a outras gigantes que existem por lá. O Pantheon terá um baixíssimo custo de produção, tanto que a empresa divulgou que os smartphones equipados com o Pantheon poderão custar 99 dólares. O co-fundador da Marvell, Weili Dai, diz que esses smartphones terão as mesmas funcionalidades que outros aparelhos do mercado, como conteúdo de mídia em alta definição, conectividade wireless e aplicações gráficas exigentes.

Características: Também é um chip baseado na arquitetura dos processadores ARM, funcionará na frequência de 800 MHz e terá suporte para sistema operacional Android e Windows Mobile.

 

Assine a Newsletter. É rápido. É grátis.

White Papers

Tendências em criptografia e gestão de chaves: Brasil

Grandes violações e ataques cibernéticos fizeram crescer a urgência das empresas em aprimorar sua postura de segurança. Diante deste cenário, a pesquisa conduzida pelo Ponemon Institute examinou o uso da criptografia como estratégia de segurança dos dados da empresa e qual o impacto dessa tecnologia na postura de segurança.

A Transformação Digital depende do gerenciamento de dados corporativos

Os dados são ativos valiosos para as corporações e imprescindíveis para manter sua competitividade no mercado. Conhecer estes dados e transformá-los em informação estratégica para o seu negócio é fundamental para gerar vantagem competitiva, manter e conquistar novos clientes. Mas como ver, controlar ou regular seus dados? Acesse este white paper para conferir os principais desafios enfrentados pelas organizações diante de seu grande volume de dados corporativos e como torná-los em ativos estratégicos.

10 principais tendências de Business Intelligence para 2017