Velocidade máxima: testamos um HD USB 3.0

René Ribeiro, da PC WORLD
26/08/2010 - 07h00 - Atualizada em 30/08/2010 - 14h03
Novo padrão tem taxa de transferência superior à do USB 2.0 e bate um HD interno, mas não chega perto do valor teórico de 5 Gigabit/s

A tecnologia USB trouxe o benefício da facilidade de conexão de vários tipos de periféricos ao computador. Um dos melhores foi o armazenamento externo. Basta 'plugar' um HD na porta USB e ele está pronto para uso.

Atualmente o padrão mais comum é o USB 2.0. Com ele conseguimos taxas de transferência de dados (teóricas) de até 480 Mbits/seg, o que dá 60 MB/seg. Na prática não chegamos a esse valor, devido a perdas com sinais de controle e até mesmo devido à qualidade dos componentes eletrônicos da interface. Assim, a melhor média alcançada na prática com a USB 2.0 é de 35 MB/seg.

Felizmente, o Fórum de implementação USB (USB-IF) homologou a USB 3.0 há algum tempo. Ainda existem poucos discos externos com USB 3.0 no Brasil, porém, conseguimos um modelo para testar a real velocidade da nova versão do padrão USB.

Mas antes dos testes, é bom esclarecer algumas questões. Os discos externos USB 3.0 só irão atingir sua performance máxima quando conectados a PCs com interface USB 3.0. Os discos com USB 3.0 funcionam em PCs com USB 2.0, porém nesse caso não irão atingir a velocidade máxima.

asus_usb3.jpg

Conector na cor azul é padrão para interface USB 3.0

A porta USB 3.0 de um PC (desktop ou notebook) tem o mesmo formato da USB 2.0, porém é diferenciada pela cor azul (esse é o padrão imposto pela USB-IF). Já o conector para discos externos usa um novo formato e é totalmente diferente do mini-USB, conector que estamos acostumados a ver nos discos externos com USB 2.0

usb-3-0.jpg

Cabo USB 3.0 para HD: a ponta em azul é conectada ao PC 

Leia também:
>> O que esperar da nova interface USB 3.0 que já está por aí
>> Buffalo é a primeira empresa a apresentar discos rígidos USB 3.0
>> Asus lança placa-mãe sucessora da Rampage II Extreme
>> Asus integra a interface USB 3.0 a sua linha de produtos
>> Seagate oferece upgrade de HDs para USB 3.0 com cabo extra

Testes

Para ver o desempenho real do USB 3.0 testamos um HD externo NH01, da fabricante ADATA. Esse produto foi gentilmente cedido pela ASUS em conjunto com um notebook N61J, que possui uma interface USB 3.0, na qual realizamos os testes. Sua configuração conta com um processador Core i5 de 2,4 GHz, 4 GB de RAM padrão DDR3 e sistema operacional Windows Home Premium de 64 bits. 

adata-nh01-30-350.jpg

HD externo de 2,5 polegadas NH01 com USB 3.0

Os benchmarks abaixo exibem os testes feitos com o disco NH01 plugado a uma interface USB 3.0 e também na interface USB 2.0. Dessa forma foi possível fazer a comparação entre as duas interfaces usando o mesmo HD e não há risco de distorção nos resultados, já que o HD e o micro são sempre os mesmos.

Vale mencionar que, no momento, nem o HD ADATA NH01 nem o notebook ASUS N61J estão à venda no Brasil. Entretanto, não temos dúvidas de que equipamentos compatíveis com o padrão USB 3.0, de diversos fabricantes, devem começar a chegar às lojas de todo o país em breve.

Sisoft Sandra
Esse software executa testes de desempenho em vários componentes do PC, entre eles, o disco rígido. O teste em questão realiza acessos sequenciais ao HD. O Sandra compara os resultados com os números de alguns HDs que estão em seu banco de dados. Nos gráficos, a linha bege se refere a um drive SSD, que é muito mais rápido do que um HD comum. Já a linha vermelha é o HD do nosso teste, o NH01 USB 3.0. Ele alcançou a taxa média de acesso em 67,5 MB/seg. A linha verde é um HD Seagate com interface Sata 300, também de 2,5 polegadas. A linha lilás é um HD Seagate Sata 150, de 2,5 polegadas.

Vale deixar bem claro que esses discos utilizados como exemplo não são externos e utilizam a interface Sata interna do PC. Eles foram inseridos apenas para mostrar que um HD utilizando a USB 3.0 pode alcançar ou até ultrapassar as taxas de transferência de um HD interno. Resolvemos usar esses HDs apenas para ilustrar as taxas de tranferência dos diversos HDs.

No primeiro gráfico é interessante observar que o NH01 USB 3.0 alcançou uma taxa de transferência média levemente superior à do HD Sata 300, que é um HD interno, algo muito bom. No segundo gráfico, que mostra o HD conectado a uma interface USB 2.0, repare que a taxa de transferência chegou a apenas 29,48 MB/seg, pois a interface USB 2.0 é o "gargalo" no sistema.

t-hdextusb30-sandra.jpg 

HD NH01 (linha vermelha) na interface USB 3.0

nh01-usb20-sandra.jpg

HD NH01 (linha vermelha) na interface USB 2.0


HDTune Pro 4.50
Outro software de benchmark sintético que realiza teste de leitura sequencial no HD.
A taxa de tranferência média de acesso foi de 67 MB/seg, quase idêntica a média alcançada pelo Sisoft Sandra. O resultado semelhante reforça e confirma a taxa de transferência média alcançada pelo NH01 USB 3.0.

Quando conectado na USB 2.0, o NH01 novamente sofre pelo gargalo da USB 2.0: verifique que a taxa média chegou a apenas 26,5 MB/seg.

t-hdextusb30-hdtune.jpg

HD NH01 na interface USB 3.0


t-hdextusb20-hdtune.jpg

HD NH01 na interface USB 2.0

AS SSD Benchmark
Esse software realiza testes sintéticos simulando operações de escrita no HD. Os três passos do teste utilizam uma massa de dados que somam 1 GB. Primeiro o programa grava uma pasta com uma imagem ISO, que envolve compactação dos dados. No segundo passo, é criada uma pasta com muitos arquivos pequenos. No terceiro passo (games) é criada uma pasta com arquivos grandes e pequenos). Estas três pastas são copiadas com um comando de cópia simples do sistema operacional. 

Note a diferença de valores quando o HD NH01 está na USB 3.0. No teste de arquivo ISO, o NH01 foi 61,53% mais rápido do que quando está na instalado na USB 2.0. O mesmo aconteceu para a pasta de arquivos Game: o NH01 foi 61,73% mais rápido na interface USB 3.0. O resultado que menos mudou foi na pasta Programa: o NH01 foi 58,13% mais rápido na USB 3.0. É preciso lembrar que essa pasta é formada por mais arquivos de tamanhos menores, forçando o HD a acessar sua área de índice por mais vezes, o que justifica sua performance um pouco menor.

t-hdextusb30-assd.jpg

HD NH01 na interface USB 3.0


t-hdextusb20-assd.jpg

HD NH01 na interface USB 3.0

Teste de cópia utilizando o Windows Explorer
Fizemos também a cópia para o HD de uma pasta contendo arquivos de uso comum, como documentos, planilhas, vídeos e fotos, totalizando 1 GB. Na interface USB 3.0 o processo demorou 24 segundos para gravar os dados. Para transferir a mesma pasta para o computador (processo de leitura), o HD levou 14 segundos.

Quando conectado na USB 2.0, a cópia da pasta de 1 GB para o HD levou 59 segundos. Para transferir a mesma pasta para o computador, o processo levou 26 segundos.

Conclusão
Durante os testes verificamos que a taxa de leitura máxima chegou ao pico de 90 MB/seg. Os benchmarks HD Tune Pro e Sandra obtiveram a taxa média de 67 MB/seg durante teste de leitura no HD inteiro. Essas taxas mostram que o HD com USB 3.0 chega a valores muito próximos de um HD interno, com interface SATA II.

Os testes com o software AS SSD e com Windows Explorer confirmam que a taxa de dados via USB 3.0 é muito mais rápida do que a USB 2.0, sem dúvida. É muito melhor gastar cerca de 20 segundos por gigabyte do que um minuto, como mostrou nosso teste com o Windows Explorer. Isso é cerca de três vezes mais rápido do que a USB 2.0. No entanto, é preciso dizer que esse valor está bem longe do valor teórico de 5 Gbits por segundo alardeado pela USB.org.

Interessante notar que um dispositivo USB 3.0 consome três vezes menos energia do que a USB 2.0. Isso é interessante para conectar HDs maiores sem precisar de uma segunda porta USB para alimentação, como acontecia na USB 2.0. 

HD externo USB 3.0 NH01

Assine a Newsletter. É rápido. É grátis.

White Papers

Tendências em criptografia e gestão de chaves: Brasil

Grandes violações e ataques cibernéticos fizeram crescer a urgência das empresas em aprimorar sua postura de segurança. Diante deste cenário, a pesquisa conduzida pelo Ponemon Institute examinou o uso da criptografia como estratégia de segurança dos dados da empresa e qual o impacto dessa tecnologia na postura de segurança.

A Transformação Digital depende do gerenciamento de dados corporativos

Os dados são ativos valiosos para as corporações e imprescindíveis para manter sua competitividade no mercado. Conhecer estes dados e transformá-los em informação estratégica para o seu negócio é fundamental para gerar vantagem competitiva, manter e conquistar novos clientes. Mas como ver, controlar ou regular seus dados? Acesse este white paper para conferir os principais desafios enfrentados pelas organizações diante de seu grande volume de dados corporativos e como torná-los em ativos estratégicos.

10 principais tendências de Business Intelligence para 2017

Social Media @PCWorld