Google Nexus 7: um pequeno notável

Rafael Rigues
11 de dezembro de 2012 às 07h00
Tablet da Google é pequeno, leve, barato e tem ótimo desempenho. Pena que (ainda) não está à venda no Brasil.

A Google não é estranha ao mercado de tablets. A primeira investida da empresa foi uma parceria com a Motorola no lançamento do Xoom, no início de 2011. Ele foi o primeiro aparelho com uma versão do sistema operacional Android otimizada para tablets (a 3.0 “Honeycomb”), mas uma combinação de preço elevado, software inacabado e poucos aplicativos que tirassem proveito da tela prejudicaram seu sucesso. Isso não impediu outros fabricantes de aproveitar a idéia e lançar seus próprios modelos, como a Samsung e sua família “Galaxy Tab”. Entretanto, nenhum deles conseguiu fazer frente à popularidade do iPad, da Apple, que domina o mercado.

nexus7_frenteverso-360px.jpg

Nexus 7: design simples e traseira emborrachada

Mas em junho deste ano a Google decidiu “jogar pra valer”, estendendo seu programa Nexus aos tablets e chamando um novo parceiro de hardware, a ASUS. A idéia: produzir um tablet com tela de 7” (mercado onde a Apple não participava) e baixo custo, mas ainda assim equipado com hardware poderoso e a versão mais recente do sistema operacional Android, com atualizações rápidas e garantidas. O resultado é o Nexus 7.

Pequeno por fora, poderoso por dentro

O Nexus 7 pesa 340 gramas, mede cerca de 20 x 12 cm e tem pouco mais de 1 cm de espessura. Por causa da proporção “widescreen” da tela ele é mais estreito que um iPad Mini, e muito mais confortável de segurar com uma mão só, embora seja um pouco mais pesado.

A frente é dominada por uma bela tela LCD IPS de 7 polegadas, com resolução HD (1280 x 780 pixels): é a mesma tecnologia usada pela Apple nos iPhone e iPad, que evita distorção na imagem não importa de que ângulo você olhe para a tela. Logo acima dela fica uma pequena câmera de 1.3 MP, que só pode ser usada para videochamadas: sequer há um aplicativo de câmera instalado no aparelho. A tampa traseira, que não é removível, é feita de um material levemente emborrachado e texturizado.

nexus7_vs_ipad-360px.jpg
Nexus 7 (à frente) é mais estreito que um iPad Mini (atrás)

Os únicos botões são o de liga-desliga e os de volume, na lateral direita, e os únicos conectores são o USB e o de fone de ouvido na parte de baixo. Não há nem um slot para cartões microSD, já que a memória não pode ser expandida. Há modelos com 16 ou 32 GB de memória interna, além de uma versão com 32 GB de memória e modem 3G integrado. Originalmente havia uma versão com apenas 8 GB de memória interna, mas ela parece ter sido descontinuada.

Por dentro o Nexus 7 é bastante poderoso: o processador é um Nvidia Tegra 3 quad-core, rodando a 1.3 GHz e acompanhado por 1 GB de RAM. É basicamente a mesma plataforma do LG Optimus 4XHD, que analisamos recentemente, com o mesmo desempenho em nossos benchmarks. O tablet também tem Wi-Fi (nos padrões b, g e n), GPS, Bluetooth e NFC.

Quem pretende ligar um Nexus 7 à TV vai ficar desapontado: não há uma saída HDMI, e ele não é compatível com a nova tecnologia Miracast, que permite a transmissão de som e imagem para uma TV de alta-definição sem o uso de fios, de forma similar ao “AirPlay” nos aparelhos da Apple. Por enquanto o smartphone Nexus 4 é o único aparelho da família Nexus com suporte a esta tecnologia.

nexus7_caixa-360px.jpg
Na embalagem: apenas o tablet, carregador, cabo USB e manuais

Na caixa você vai encontrar apenas o tablet, um carregador, um cabo USB e os manuais. Não há sequer um par de fones de ouvido. Mas pelo preço não dá para exigir muito: o modelo mais barato, de 16 GB, custa US$ 199 nos Estados Unidos. O de 32 GB sai por US$ 249, e o de 32 GB com 3G por US$ 299. Ou seja, entre 130 e 260 dólares a menos que um iPad Mini de configuração equivalente. O Nexus 7 ainda não está à venda no Brasil, e não há previsão de lançamento além de um vago “2013”.

Sistema “limpo”, e sempre a versão mais recente

O Nexus 7 roda uma versão “limpa” do Android, sem nenhuma modificação por parte do fabricante do hardware ou uma operadora. É o Android “ideal”, na visão da Google. A principal vantagem é a facilidade e a velocidade nas atualizações: o tablet saiu da caixa com o Android 4.1, e logo que se conectou a uma rede Wi-Fi ofereceu a atualização para o Android 4.1.2.

Na manhã seguinte já sugeriu o Android 4.2, que é a mais recente versão do sistema, anunciada no final de Novembro, e logo depois a 4.2.1, que corrige um bug inusitado que fazia o mês de dezembro desaparecer do calendário.

Compare com os fabricantes de smartphones, que lançam aparelhos com um sistema duas ou três gerações atrás da mais atual, demoram meses para liberar uma atualização e às vezes só o fazem em algumas regiões, ou para clientes de determinadas operadoras. 

android42_multiuser-360px.jpg
Suporte a múltiplos usuários facilita o compartilhamento do tablet com a família

O Android 4.2 tem vários recursos interessantes, como uma versão aprimorada do assistente pessoal Google Now, que agora mostra informações sobre vôos, esportes e até rastreia encomendas para você. Outra novidade interessante é o suporte a múltiplos usuários, que torna mais fácil compartilhar um tablet com várias pessoas na família. Cada usuário tem sua própria tela inicial, apps e configurações, e seus e-mails, fotos e músicas só podem ser acessados por você. 

Conteúdo online, mesmo no Brasil

O Nexus 7 é integrado ao serviço de conteúdo da Google, o Google Play. No exterior, além de apps, a loja também oferece filmes, séries, músicas, livros e revistas. Há alguns aplicativos específicos para isso pré-instalados, como o Play Filmes, Play Livros, Play Music e Revistas do Google Play, além da loja de aplicativos Play Store.

O tablet vem com um filme (A Era do Gelo), nove músicas, sete livros e três revistas. No Brasil a Google iniciou há alguns dias a venda de filmes e livros (mas não músicas). Os preços variam: filmes podem custar de R$ 3,90 (locação em definição padrão) até R$ 44,90 (compra em alta-definição). Títulos mais recentes são mais caros, e o catálogo contém vários sucessos do cinema deste ano, como Prometheus, O Espetacular Homem-Aranha e Homens de Preto 3. 

nexus7_googleplay-360px.jpg

Catálogo de filmes no Google Play tem títulos recentes

Filmes podem ser assistidos na web ou num smartphone ou tablet com Android. No caso da locação o usuário tem até 30 dias para começar a assistir o filme e, depois disso, 24 horas para terminá-lo. Livros também podem ser lidos na web, no smartphone ou no tablet.

Bateria vai além do prometido

Graças ao processador quad-core o Nexus 7 tem desempenho excelente, seja navegando na web, alternando entre aplicativos ou jogando. A tela é ótima para assistir filmes, e games como o novo Need for Speed: Most Wanted rodam muito bem, com belos gráficos cheios de efeitos especiais. Num benchmark com o AnTuTu ele chegou a 12.443 pontos, um pouco à frente de aparelhos como o LG Optimus 4XHD e o Samsung Galaxy S III.

A Google promete uma autonomia de bateria de 9 horas de reprodução de vídeo, 10 horas de navegação na web ou leitura e até 300 horas em espera. Em nosso teste de reprodução de vídeo, feito com o aparelho no modo avião e o brilho da tela em 50%, conseguimos até mais: 12 horas e meia de autonomia. Um número muito bom.

O melhor entre os menores

O Nexus 7 é um dos melhores tablets Android no mercado, e sem dúvida o melhor entre os modelos com tela de 7 polegadas. E, surpreendentemente, também é um dos mais baratos. Pena que ainda não é vendido aqui no Brasil. Mas se você vai viajar para o exterior, ou tem um parente que pode trazer uma encomenda para você, vale a pena correr atrás de um.

Assine a Newsletter. É rápido. É grátis.

White Papers

Dados Corporativos no Brasil – Mais Em Risco Do Que Nunca

Em pesquisa realizada com profissionais de segurança de TI, foi possível identificar os desafios que as empresas enfrentam para proteger seus dados. Este relatório apresenta as razões estimadas pelas empresas entrevistadas sobre os gastos com seguraça em 2017, a visão da empresa em relação a adesão de novas tecnologias versus a vulnerabilidade de segurança que podem ter e mostra como as organizações enxergam o uso da tecnologia de criptografia para a proteção de seus dados e dos ambientes tecnológicos emergentes.

Tendências em criptografia e gestão de chaves: Brasil

Grandes violações e ataques cibernéticos fizeram crescer a urgência das empresas em aprimorar sua postura de segurança. Diante deste cenário, a pesquisa conduzida pelo Ponemon Institute examinou o uso da criptografia como estratégia de segurança dos dados da empresa e qual o impacto dessa tecnologia na postura de segurança.

A Transformação Digital depende do gerenciamento de dados corporativos

Os dados são ativos valiosos para as corporações e imprescindíveis para manter sua competitividade no mercado. Conhecer estes dados e transformá-los em informação estratégica para o seu negócio é fundamental para gerar vantagem competitiva, manter e conquistar novos clientes. Mas como ver, controlar ou regular seus dados? Acesse este white paper para conferir os principais desafios enfrentados pelas organizações diante de seu grande volume de dados corporativos e como torná-los em ativos estratégicos.