Análise: Moto E é o Android para todos os bolsos e gostos

Rafael Rigues
26 de maio de 2014 às 07h00
Hardware de qualidade, bom desempenho, ótima autonomia de bateria e preço acessível são os principais destaques do novo smartphone de entrada da Motorola.

A Motorola surpreendeu o mundo em novembro passado quando lançou o Moto G, provando que um bom smartphone Android não precisa ser caro. Tanto que segundo a empresa ele se tornou o maior sucesso de vendas em sua história, e o smartphone mais vendido no último trimestre em países como o Brasil e o México.

No início deste mês a empresa lançou o Moto E, de olho em um mercado de entrada que ainda é dominado por aparelhos recheados com tecnologia ultrapassada e desempenho insatisfatório. E parece que conseguiu repetir a dose: o novo aparelho tem hardware e desempenho que deixam os concorrentes a ver navios, com um preço bastante acessível.

Design e Hardware

O Moto E mede 12,5 x 6,5 cm, tem 12,3 mm de espessura e pesa 142 gramas. O design é muito atraente e similar ao de seus irmãos maiores, o Moto X e o Moto G, com a traseira curva que o torna mais confortável na mão e cantos arredondados.

A frente é dominada pela tela de 4.3” e resolução de 540 x 960 pixels, muito maior do que a média dos aparelhos na mesma faixa de preço. Ela tem excelente qualidade, com contraste, nitidez e fidelidade de cor muito bons e é protegida por um painel de Gorilla Glass 3, que a torna mais resistente a riscos. As barras prateadas acima e abaixo da tela são alto-falantes.

MotoE_Capas-580px
Um Moto E Preto (edição DTV Colors) e suas capas coloridas

A tampa traseira é removível, e o modelo que testamos (DTV Colors preto) vem com três tampas: preta,  turquesa e  amarela. Já o modelo DTV Colors branco vem com uma tampa branca, uma framboesa e uma turquesa. E a Motorola promete colocar no mercado tampas avulsas em outras cores e estilos.

Debaixo da tampa há slots para os SIM Cards (micro SIM) e para um cartão micro SD. A Motorola diz que o Moto E aceita cartões micro SD de até 32 GB, mas consegui usar um microSD de 64 GB de Samsung sem nenhum problema. Assim como no Moto G e Moto X, a bateria é fixa.

MotoE_Slots-580px
Um slot para cartões microSD (em azul) e dois para micro SIM (em verde) ficam debaixo da tampa

Por dentro o Moto E tem um processador Dual-Core de 1.2 GHz, acompanhado por 1 GB de RAM e 4 GB de memória interna, um dos poucos pontos onde a empresa teve de “cortar custos”. É espaço suficiente para um usuário casual, mas os “heavy users” e gamers irão se deparar com falta de espaço na memória rapidinho. Apesar do slot para cartões microSD, o Android não permite instalar apps diretamente no cartão. Dependendo do app, você pode movê-lo para o cartão após a instalação, mas isso fica a cargo do desenvolvedor, e não são todos que habilitam este recurso.

MotoE_Traseira-580px
Moto E sem a tampa traseira. A bateria não é removível

Todos os modelos do Moto E tem Wi-Fi, 3G, GPS, Bluetooth 4.0 e Rádio FM. Os modelos DTV Colors tem também um sintonizador de TV Digital. 

Software

O Moto E roda praticamente a versão mais recente do Android, a 4.4.2 “KitKat”, com o upgrade para 4.4.3 já garantido pela Motorola. Assim como no Moto G e Moto X a empresa quase não modificou o sistema operacional, que é o mais próximo de um Android “puro” que você irá conseguir sem investir muito mais em um aparelho da família Nexus. 

A Motorola inclui com o aparelho poucos aplicativos extras, como o Assist, que automatiza tarefas como silenciar o aparelho durante uma reunião ou à noite, e o Alerta, que pode ser configurado para enviar um sinal de socorro para amigos ou familiares em caso de perigo ou para compartilhar sua localização com eles. Também há o Migração Motorola, que facilita a migração de dados de um smartphone mais antigo, inclusive de iPhones, para o Moto E.

MotoE_Interface-580px
A interface do Moto E: Android praticamente "limpo"

O suporte a Dual SIM no Moto E é similar ao do Moto G, e toda a configuração é feita em uma única tela em Configurar / Gerenciar Cartões SIM. Você pode habilitar ou desabilitar chips individualmente e definir quais são os preferidos para chamadas, mensagens e conexão de dados. Assim como no Moto G é possível definir a prioridade de conexão: você pode priorizar os dados, e assim as chamadas recebidas durante um download irão para a caixa postal, ou a voz. Nesse caso a conexão de dados é interrompida até a ligação terminar.

Rádio FM e TV Digital

A edição DTV Colors do Moto E tem um sintonizador de TV Digital integrado, que funciona de forma similar ao do RAZR D1. Há um guia de programação e é possível gravar ou agendar a gravação de um programa. Agendar uma gravação não poderia ser mais fácil: basta clicar no ícone do relógio ao lado da descrição do programa no guia de programação.

MotoE_GuiaTV-580px
O Guia de TV do Moto E. Basta clicar no ícone do relógio para agendar a gravação de um programa

Para sintonizar TV (e rádio FM) é necessário plugar um fone de ouvido ao aparelho, já que o cabo é usado como antena. Na versão DTV Colors a Motorola inclui na embalagem um cabinho branco que parece uma extensão de fone de ouvido, mas na verdade é uma antena amplificada, útil em locais onde o sinal de TV digital é fraco. Usando fones de ouvido, e sem a antena extra, encontrei 19 canais de TV de 51 estações de rádio no Largo do Cambuci, na região central de São Paulo.

MotoE_RadioFM-400px
O sintonizador de rádio só tem o básico

O sintonizador de rádio é básico: é possível alternar estre estações, marcar uma como favorita e só. Gostaríamos de que fosse possível pelo menos nomear as estações. É possível deixar o rádio tocando e continuar usando outros aplicativos. Assim você pode ouvir seus programas preferidos mesmo enquanto responde a um e-mail ou navega na web.

Câmera

A câmera foi um outro ponto onde a Motorola cortou custos. Não há uma câmera frontal (então nada de videochamadas), e a câmera traseira tem um sensor de 5 MP, com dois “detalhes”: não tem Flash, portanto esqueça as fotos na balada ou em locais com pouca luz. E o foco é fixo, ou seja, esqueça os closes.

MotoE_Sample_Diurna-580px
Foto diurna feita com o Moto E. Clique para ampliar

MotoE_Sample_Noturna-580px
Foto noturna feira com o Moto E. Clique para ampliar

Apesar disso, em um dia ensolarado e com uma distância adequada do que se quer fotografar as imagens são aceitáveis. Já as fotos com pouca luz são escuras e com pouca nitidez. A câmera tem um modo HDR, para equilibrar melhor situações de alto contraste entre luz e sombra, e antes de fazer a foto é possível arrastar um marcador na tela para indicar o ponto onde o ajuste de exposição será feito. Também há um modo para fotos panorâmicas.

MotoE_Sample_HDR-400px
Foto em HDR feita com o Moto E. Clique para ampliar

Só ha uma resolução para gravação de vídeo, 864 x 480 pixels. Há um simples editor de vídeo integrado à galeria de imagens (abra o vídeo e toque nos três pontos no canto superior direito da tela) que permite recortar o clipe ou desativar o som, além de um recurso muito interessante e divertido, a Edição Slow Motion. Basicamente ele permite selecionar um trecho do vídeo que ficará em câmera lenta, enquanto o resto da ação se desenrola normalmente. É algo interessante para quem quer filmar esportes, crianças ou animais de estimação.

MotoE_EdicaoSlowMotion-400px
O recurso Edição Slow Motion permite deixar partes de um clique em câmera lenta

Desempenho e autonomia de bateria

Em nossos testes de desempenho o Moto E conseguiu 12.631 pontos no AnTuTu, que mede o desempenho geral do aparelho, e 4.099 pontos no cenário Ice Storm do 3DMark, que mede o desempenho gráfico. Resultados modestos, mas à frente de aparelhos como o tablet ASUS MeMO Pad HD7.

Mas o que importa é como o aparelho se comporta no dia-a-dia, e ele se sai muito bem. Não tive nenhum problema ao navegar na web, ler e-mails, acessar redes sociais ou jogar. A resposta aos comandos é rápida, graças ao sistema “limpo” e aos 1 GB de RAM, e em nenhum momento senti que o hardware estava “amarrando” o uso. Mesmo jogos sofisticados como Asphalt 8 rodaram bem, embora a pouca memória interna prejudique o aparelho nesse quesito.

MotoE_Bateria-400px
Autonomia de bateria do Moto E agradou bastante

A autonomia de bateria agradou bastante: cheguei ao fim de um dia típico de uso, com apenas um “chip” no aparelho, com 38% de carga restante na bateria após 13 horas e 41 minutos fora da tomada. No teste de reprodução de TV, feito com brilho da tela em 50%, consegui cerca de 6 horas e 40 minutos com uma carga da bateria.

Veredito

MotoE_Concorrentes-500px
Moto E vs. um concorrente típico, segundo a Motorola

É difícil concorrer com o Moto E. Aparelhos na mesma faixa de preço, como o recém-lançado LG L40, tem tela menor e com resolução mais baixa, câmera inferior, bateria com menor capacidade e metade da memória RAM, o que prejudica o desempenho. E os aparelhos mais baratos nem merecem consideração, já que tem hardware ainda mais fraco e versões “arcaicas” do sistema operacional. Quem procura um smartphone Android na faixa dos R$ 500 (R$ 529 pelo modelo Dual-Sim, R$ 599 na versão com TV Digital) não tem opção melhor do que o Moto E.

Moto E

PRÓ

Belo design, capas coloridas permitem personalizar o aparelho
Tela grande e de ótima qualidade
Bom desempenho e autonomia de bateria
Tem slot para cartões microSD

CONTRA

Câmera traseira tem foco fixo
Não tem flash
Não tem câmera frontal
Só 4 GB de memória interna

Fabricante: Motorola

Preço: R$ 529 (no modelo sem TV Digital) ou R$ 599 (DTV Colors com TV Digital e duas capas coloridas)

Os concorrentes não tem muita chance: há poucos aparelhos que conseguem se aproximar do preço e recursos do Moto E. Quem procura um smartphone Android na faixa dos R$ 500 não tem melhor opção.

Assine a Newsletter. É rápido. É grátis.

White Papers

Dados Corporativos no Brasil – Mais Em Risco Do Que Nunca

Em pesquisa realizada com profissionais de segurança de TI, foi possível identificar os desafios que as empresas enfrentam para proteger seus dados. Este relatório apresenta as razões estimadas pelas empresas entrevistadas sobre os gastos com seguraça em 2017, a visão da empresa em relação a adesão de novas tecnologias versus a vulnerabilidade de segurança que podem ter e mostra como as organizações enxergam o uso da tecnologia de criptografia para a proteção de seus dados e dos ambientes tecnológicos emergentes.

Tendências em criptografia e gestão de chaves: Brasil

Grandes violações e ataques cibernéticos fizeram crescer a urgência das empresas em aprimorar sua postura de segurança. Diante deste cenário, a pesquisa conduzida pelo Ponemon Institute examinou o uso da criptografia como estratégia de segurança dos dados da empresa e qual o impacto dessa tecnologia na postura de segurança.

A Transformação Digital depende do gerenciamento de dados corporativos

Os dados são ativos valiosos para as corporações e imprescindíveis para manter sua competitividade no mercado. Conhecer estes dados e transformá-los em informação estratégica para o seu negócio é fundamental para gerar vantagem competitiva, manter e conquistar novos clientes. Mas como ver, controlar ou regular seus dados? Acesse este white paper para conferir os principais desafios enfrentados pelas organizações diante de seu grande volume de dados corporativos e como torná-los em ativos estratégicos.

Social Media @PCWorld