Experimentamos o Samsung Z, o primeiro smartphone Tizen

Florence Ion, Greenbot
05 de junho de 2014 às 07h00
Aparelho parece, e se comporta, como qualquer outro smartphone Android com a interface TouchWiz. Mas não roda o Android, nem os aplicativos escritos para ele.

Talvez você esteja cansado de ouvir falar da Samsung em todo canto, mas a realidade é que a empresa tem planos grandiosos para dominar o mundo dos gadgets e eletrônicos de consumo, e parece que não há nada capaz de detê-la.

Durante a Tizen Developers Conference, evento que aconteceu nesta semana em San Francisco, nos EUA, tive uma amostra da próxima empreitada da empresa: criar seu próprio sistema operacional Open Source para que possa, um dia, se libertar das “amarras” da Google. Este sistema é o Tizen, e estas são minhas impressões iniciais sobre sua primeira implementação em um smartphone, o Samsung Z.

Um design diferente

O Samsung Z é um aparelho muito bonito. Segundo um representante da empresa, o design retangular foi criado especificamente para o mercado russo, onde será lançado neste ano.

SamsungZ_Traseira-580px
Na traseira, o Samsung Z tem o mesmo sensor de frequência cardíaca (ao lado do flash) que o Galaxy S5

Os botões de navegação são como os dos smartphones da família Galaxy (Home mecânico, cercado por menu e back sensíveis ao toque) e também são iluminados. O Z tem uma vibrante tela HD de 4.9” baseada na tecnologia Super AMOLED, um processador quad-core de 2.3 GHz, 2 GB de RAM, 16 GB de memória interna e uma câmera de 8 MP. Ah, e tem também o mesmo leitor de impressões digitais e sensor de frequência cardíaca que o Samsung Galaxy S5.

É rápido!

O sistema operacional Tizen é baseado no kernel Linux, e os aplicativos são desenvolvidos usando HTML5. Não há compatibilidade com os aplicativos para Android. A Samsung destaca que esta versão em particular do Tizen (2.2.1) foi otimizada para usar 20% menos memória do que as versões anteriores.

SamsungZ_Home-580px
A tela inicial do Tizen

Fiquei impressionada com a forma como os jogos rodaram, mas isso provavelmente é auxiliado pelo fato de que o smartphone é baseado em um processador quad-core da Qualcomm não identificado, acompanhado por uma CPU Adreno 330. Notei alguns engasgos ao abrir alguns dos jogos, como se eles estivessem carregando, mas o desempenho geral foi bom.

O irmão gêmeo da Touchwiz

O Samsung Z se parece com, e se comporta como, qualquer outro smartphone Android da Samsung no mercado. O sistema operacional pode ser o Tizen, mas não dá para saber disso simplesmente olhando paa a tela. Muitos dos elementos da interface, incluindo certas ações e gestos, refletem a versão da TouchWiz instalada no Galaxy S5. Ele até vem com os mesmos apps da Samsung pré-instalados.

SamsungZ_Settings-580px
Painel de ajustes rápidos é quase o mesmo dos Android com TouchWiz

Tanto o painel de ajustes rápidos quanto o de notificações são basedos na interface da Samsung para o Android. Eles também podem ser personalizados, embora pareçam um pouco mais estáticos. Não recebi nenhuma notificação enquanto usava o aparelho, então não posso dizer se elas são interativas como no Android ou no iOS 8.

A “gaveta” com os aplicativos também se parece com a do Android, embora funcione de forma diferente. Os outo ícones que você vê no topo da imagem abaixo ficam fixos enquanto você consulta a lista de apps na porção inferior da tela. 

SamsungZ_Apps-580px
A lista de aplicativos. As duas primeiras linhas de ícones são fixas

Experimentei alguns dos gestos suportados pelo KitKat no Samsung Z, para ver o que a empresa pegou emprestado para seu sistema. O mais notável é a capacidade de personalizar a tela inicial tocando e segurando em um ponto vazio dela. Achei engraçado que o Tizen chama os widgets de “caixas dinâmicas”.

SamsungZ_Widgets-580px
O Tizen chama os widgets de "Caixas Dinâmicas"

Como o TouchWiz e o Tizen não são muito diferentes, não devem haver problemas em adotar um em vez do outro, certo? Está claro que esta encarnação do Tizen é a forma que a Samsung encontrou para estabelecer sua própria marca no mundo de dispositivos móveis, fora da esfera de influência do Android. Posso ver isso como o começo de uma tentativa da Samsung de se distanciar da Google.

Inicialmente o Samsung Z será vendido na Rússia, e a Samsung irá avaliar seu desempenho no mercado antes de levá-lo a outros mercados. A Tizen Store terá um programa especial para atrair desenvolvedores para o novo ecosistema. Se os consumidores gostarem, este poderá ser o fim da dependência da Samsung no Android.

Assine a Newsletter. É rápido. É grátis.

White Papers

Tendências em criptografia e gestão de chaves: Brasil

Grandes violações e ataques cibernéticos fizeram crescer a urgência das empresas em aprimorar sua postura de segurança. Diante deste cenário, a pesquisa conduzida pelo Ponemon Institute examinou o uso da criptografia como estratégia de segurança dos dados da empresa e qual o impacto dessa tecnologia na postura de segurança.

A Transformação Digital depende do gerenciamento de dados corporativos

Os dados são ativos valiosos para as corporações e imprescindíveis para manter sua competitividade no mercado. Conhecer estes dados e transformá-los em informação estratégica para o seu negócio é fundamental para gerar vantagem competitiva, manter e conquistar novos clientes. Mas como ver, controlar ou regular seus dados? Acesse este white paper para conferir os principais desafios enfrentados pelas organizações diante de seu grande volume de dados corporativos e como torná-los em ativos estratégicos.

10 principais tendências de Business Intelligence para 2017