Hands on: uma semana com o Moto E de segunda geração

Por Felipe Dreher*
06/03/2015 - 08h25 - Atualizada em 06/03/2015 - 10h26
Saldo final foi bastante positivo. Além de ser um smartphone de entrada muito bonito, o aparelho aguenta o dia a dia com bastante fluidez

Antes de seguir adiante, gostaria de dizer que sou um usuário comum de dispositivos móveis. É bem verdade que resisti por muito tempo até me render a um smartphone. Acho a ferramenta fantástica, mas tinha a ideia de que entrar naquele mundo conectado me colocaria em frente a uma tela 24 horas por dia (e sou do tipo que conversa durante o almoço).

Só aceitei bem essa ideia das telas sensíveis ao toque, os apps que facilitam sua vida e os planos de dados há cerca de um ano e meio. Na ocasião, um amigo revoltado com a ideia de um jornalista de tecnologia usar um featurephone, me deu um smarphone CCE, talvez um dos primeiros lançamentos depois da compra da brasileira pela chinesa Lenovo.

Na época, o presente coincidiu com um momento em que passei a ter acesso a uns recursos corporativos na empresa onde trabalhava e, como sou um do tipo que se apega fácil e intensamente as coisas, já viu... bang! Lá estava eu prestes a ser soterrado pela realidade da conectividade “a todo momento, em qualquer lugar", que, no fundo era o que tanto temia por saber que se tratava de um futuro irreversível.

Já dizia outro amigo: dê um smartphone e um plano de dados e uma pessoa muda a vida/o mundo/a economia. De fato, isso aconteceu comigo (e com milhares de taxistas Brasil a fora). Não preciso dizer que foi instantânea a vantagem trazida pelos aplicativos e a irritação e ansiedade dos e-mails “urgentes” que caiam na caixa de mensagens, fazendo o bom o velho aparelho apitar nas horas menos convenientes.

Tenho esse aparelho há mais de um ano e meio, o que no mundo da tecnologia é como se fosse uma década. Nesse tempo, a memória ficou pequena, a bateria viciou, os aplicativos não atualizam mais por n questões, a qualidade da câmera não é mais aquelas coisas. Chegou a hora de avaliar uma nova ferramenta. Comecei a testar alguns aparelhos. Um deles foi a segunda geração do Moto E, que é o mote desse texto.

Sete dias

A primeira impressão ao tirar o Moto E 4G 16GB da caixa é que se trata de um telefone robusto. Apesar da aparência forte, isso não tira a elegância do design de linhas curvas. Ao ligar, o smartphone apresentou uma tela de 4,5 polegadas com boa definição e cores vivas.

MOTO E 3 625

A estrutura traz uma diferença em relação as linhas mais comuns de telefones móveis: um aro no entorno do dispositivo cobre as duas entradas para chips e cartão de memória extra. Basta pressionar o botão on/off na lateral e tirar a estrutura. Isso é bacana, pois dá para adicionar recursos de hardware mais facilmente (embora o aro plástico pareça um pouco frágil).

Moto E 2 625

O processamento no Qualcomm Snapdragon quad-core de 1,2 GHz é potente. É possível sentir de cara os ganhos de velocidade em navegação e acesso a aplicações. O Android puro (5.0 Lollipop) também ajuda a criar um contexto mais sinérgico e fluído aos usuários. 

A bateria de 2.390 mAh tem boa autonomia (claro que o aparelho ainda é novo, então não dá para tirar muitas conclusões sobre isso ainda). É interessante que o dispositivo indica o tempo até completar o carregamento. A Motorola afirma que a carga dura “o dia todo”. 

Para o teste “enchi o tanque” e comecei a usar o smarphone às 8h da manhã (quando o despertador tocou). Passei o dia conectado ora no 3G ora no Wi-Fi, recebendo e-mails, navegando na internet, acessando aplicações. O celular morreu às 22h. Considerei adequado.

O dispositivo tem uma câmera com resolução decente tanto traseira (5MP) quanto frontal.  Além disso, o celular já vem com alguns efeitos embutidos para quem quiser dar uma melhorada na imagem com filtros e molduras e não está a fim de passar pelo Instagram. O aparelho traz ainda TV digital e rádio, além de uma série de recursos que são interessantes para muitas pessoas e não estão no meu perfil de uso.

Moto E 4 625

O saldo final foi bastante positivo. A segunda geração do Moto E, além de ser um smartphone de entrada muito bonito, aguenta o dia a dia com bastante fluidez. Na faixa de preço onde está posicionado – entre R$ 560 e R$ 730 – parece uma ótima opção de compra.

Características

As versões mais sofisticadas do Moto E trazem conectividade 3G e 4G. O dispositivo vem com 1GB de RAM, TV Digital e entrada para dois chips e está disponível com 8GB ou 16GB de capacidade de armazenamento interno – expansíveis para 32GB via cartão microSD. ​

*Felipe Dreher é jornalista, cobre o mercado corporativo de tecnologia há cerca de 10 anos e, atualmente, é editor da Computerworld Brasil.

Assine a Newsletter. É rápido. É grátis.

White Papers

Tendências em criptografia e gestão de chaves: Brasil

Grandes violações e ataques cibernéticos fizeram crescer a urgência das empresas em aprimorar sua postura de segurança. Diante deste cenário, a pesquisa conduzida pelo Ponemon Institute examinou o uso da criptografia como estratégia de segurança dos dados da empresa e qual o impacto dessa tecnologia na postura de segurança.

A Transformação Digital depende do gerenciamento de dados corporativos

Os dados são ativos valiosos para as corporações e imprescindíveis para manter sua competitividade no mercado. Conhecer estes dados e transformá-los em informação estratégica para o seu negócio é fundamental para gerar vantagem competitiva, manter e conquistar novos clientes. Mas como ver, controlar ou regular seus dados? Acesse este white paper para conferir os principais desafios enfrentados pelas organizações diante de seu grande volume de dados corporativos e como torná-los em ativos estratégicos.

10 principais tendências de Business Intelligence para 2017