10 anos do primeiro iPad: como os apps tornaram o tablet da Apple um sucesso

Uma década depois, o iPad se transformou em algo muito maior do que um simples "iPhone gigante"

Foto: Justin Sullivan/Getty Images
https://pcworld.com.br/10-anos-do-primeiro-ipad-como-os-apps-tornaram-o-tablet-da-apple-um-sucesso/
Clique para copiar

É difícil acreditar que 27 de janeiro marca o décimo aniversário do anúncio do iPad. Por mais impressionante que o primeiro iPad tenha sido em termos de hardware, uma década depois ficou claro que o dispositivo teve sucesso devido ao foco da empresa em aplicativos nativos desde o primeiro dia.

Uma retrospectiva

Se você voltar e assistir à palestra de Steve Jobs apresentando o iPad, verá o brilhantismo da estratégia de lançamento da Apple. Para começar, há uma grande cadeira confortável no palco, algo que você nunca mais vê nas palestras da companhia. Essa cadeira permitiu que Jobs e outros apresentadores mostrassem que o iPad era um dispositivo confortável para ser usado casualmente.

Depois de revelar o próprio iPad, Jobs se senta e passa muito tempo acompanhando o público pelos vários aplicativos incluídos no aparelho. E desde o início, o executivo passa uma mensagem importante: esses eram apps que conhecíamos no iPhone, mas são todos maiores e melhores porque foram modificados para aproveitar a tela maior do iPad. Safari, Calendário, Livros e muitos outros estavam entre eles.

ipad 2010

Nos primeiros dias do iPad, a crítica mais comum de análises sobre o dispositivo era que ele era “apenas um grande iPhone”. A apresentação da Apple demonstra que, embora isso seja tecnicamente verdade, essa afirmação perde o sentido. O iPad tinha uma tela muito maior, e os aplicativos que cresceram para se ajustarem a essa característsica não eram apenas maiores, mas melhores.

Na segunda parte da apresentação, Scott Forstall (então chefe de software da Apple) invocou a App Store, que já havia se tornado um grande sucesso depois de menos de dois anos em operação. Era quase como uma “corrida do ouro” na App Store, e a mensagem de Forstall era clara: está chegando uma nova era de serviços e ela está nos aplicativos do iPad. E se os desenvolvedores desejassem que seus apps fossem destacados na App Store para iPad, observou Forstall, essas ferramentas precisariam ser atualizadas para dar suporte a eles.

O iPad foi lançado em janeiro de 2010, mas não foi lançado até abril – e a Apple lançou ferramentas para desenvolvedores criarem aplicativos para iPad no mesmo dia em que o produto foi anunciado. A mensagem era clara: crie apps para iPad e uma grande quantidade de usuários aparecerá no seu caminho.

Forstall também foi rápido em apontar que bons aplicativos para iPad eram mais do que apenas versões ampliadas do iPhone. Vários desenvolvedores e empresas foram apresentados para demonstrar como eles já começaram a trabalhar na reconceitualização de seus aplicativos para iPhone para uma tela maior, incluindo a MLB At Bat e o New York Times.

Trabalho e produtividade

Com vários aplicativos internos como exemplos e uma App Store estimulando os desenvolvedores, o iPad já estava configurado para um lançamento sólido. Mas a Apple teve mais uma revelação a fazer durante o anúncio do iPad – uma que teve efeitos duradouros desde então: a chegada de aplicativos de produtividade.

Levando o Notas, Números e Páginas para o iPad no primeiro dia, a Apple enviou uma mensagem poderosa. Embora possa ser difícil conceber o uso de um iPhone 3GS para editar uma planilha ou fazer uma apresentação, a tela maior do iPad tornou isso possível. Isso foi a Apple declarando, desde o primeiro dia, que o iPad iria funcionar em áreas tradicionalmente servidas por notebooks. Como você pode descartar o iPad como um grande iPhone se ele possui um conjunto de aplicativos de escritório?

Até uma das primeiras vagas de acessórios para iPad da Apple reforçou essa mensagem. As pessoas esquecem disso agora, mas a Apple criou uma base de teclado para seu tablet original. Ele bloqueou o iPad na orientação retrato e era ergonomicamente questionável, mas enviou a mensagem de que este era um dispositivo no qual você poderia trabalhar. Jobs disse, com um pouco de desprezo, que você poderia “escrever ‘Guerra e Paz’ na tela do aparelho”. Não acho que ele estivesse empolgado com a possibilidade de amarrar seu lindo iPad em uma mesa, anexada a um teclado.

Você pode traçar uma linha diretamente a partir deste momento para a introdução do iPad Pro em 2015. Desde o início, a Apple disse que o iPad deveria ser capaz de fazer coisas com computadores, com a implicação de que desenvolvedores terceirizados deveriam seguir sua liderança e sonhar maior quando se trata de software para iPad. Muitos desenvolvedores, principalmente o Omni Group, adotaram essa mensagem e começaram a trazer todos os seus aplicativos para o iPad.

Um trabalho em andamento

Dez anos depois, o iPad ainda está em andamento. Existem pessoas que o veem como um grande iPhone e não entendem por que alguém iria querer usá-lo para fazer o trabalho que poderia ser feito com a mesma facilidade por um notebook tradicional. Ainda é um dispositivo cheio de contradições, algo que você usa para relaxar e assistir a um programa de TV ou ler um site, mas também pode conectar um teclado (e mouse) e usá-lo como laptop, ou algo próximo disso.

Mas considere a concorrência. A Microsoft trouxe alguns recursos de tablets para o Windows, mas no final das contas são apenas tablets que se parecem com PCs, com uma interface otimizada para teclado e mouse. E embora o Google tenha se esforçado muito para promover o Android como um sistema operacional para tablets, ele falhou nessa missão, principalmente porque os aplicativos Android otimizados para tablets não estão lá. Portanto, não há evidência mais clara da sabedoria da Apple ao enfatizar a importância de desenvolver aplicativos especificamente para o iPad.

Este anúncio desaparecerá em:

Ir para o site