Home > Dicas

10 dicas para manter o Leopard longe de problemas

O Mac OS X mantém sua reputação de sistema operacional estável, mas não está livre de problemas. Veja como prevenir os problemas no Leopard.

Ryan Faas, Computerworld/EUA

03/11/2008 às 15h09

Foto:

O Mac OS X 10.5, ou Leopard, é conhecido por ser um sistema operacional estável que teoricamente não sofre com panes, congelamentos, arquivos corrompidos, vírus ou spyware – coisas que são quase sempre associadas à perda de desempenho no Windows. Em geral, o Leopard mantém sua reputação, sem precisar de inúmeras rotinas de manutenção para continuar na ativa.

Só que até o carro mais bem conservado precisa de troca de óleo para continuar funcionando bem – realizar algumas tarefas de manutenção básicas pode manter o Leopard – e até mesmo versões anteriores do OS X – rodando sem problemas.

1 – Mantenha o software atualizado
Um dos modos mais fáceis de manter seu computador funcionando direito é garantir que ele esteja rodando as versões mais recentes dos aplicativos e do sistema operacional. Atualizações quase sempre trazem novos recursos, corrigem bugs, falhas ou problemas de segurança que podem deixar o sistema vulnerável a vírus e ataques externos.

A Atualização de Software da Apple fornece uma interface fácil de usar para atualizar o OS X e demais aplicativos da Apple, como o iTunes e o iPhoto. Por padrão, a Atualização de Software está habilitada e checa por novidades toda semana.

E os programas de terceiros? A maioria deles têm recursos internos que checam por updates, como o Microsoft Auto Update do pacote Office. E sites como MacUpdate e VersionTracker são bons aliados para garantir que seu software está em dia – além de ajudar a encontrar novos aplicativos.

O VersionTracker também oferece um serviço de assinatura, um utilitário e um widget do Dashboard que ajudam a garantir que seu software está atualizado. E, claro, é bom ficar de olho em sites de notícias - como o IDGNow! e a Macworld Brasil, que sempre trazem informações sobre atualizações e correções de aplicativos.

2 – Verifique a saúde do seu disco rígido
Já houve uma época (pré-OS X) quando os usuários de Mac usavam o Utilitário de Disco pelo menos uma vez por mês para verificar a integridade da estrutura de diretório dos seus discos rígidos – se forem corrompidas, o Mac pode ter problemas para encontrar arquivos, abrir aplicativos e até ligar o sistema.

O bom é que a tecnologia mudou bastante desde a necessidade mensal do Utilitário de Disco. O sistema de arquivos padrão do Leopard é o Mac OS Extended Journaled, ou HFS+J, que mantém um registro das mudanças de dados no disco rígido (o NTFS usado no Windows é outro exemplo desse tipo de sistema de arquivos no HD). Se o disco tiver problemas, como uma reinicializarão inesperada do sistema ou remoção da unidade sem ser ejetado propriamente – dois exemplos comuns de danos às estruturas de diretórios – o sistema de arquivos pode contar com o registro das transações para reparar o erro.

Mas ainda é uma boa idéia usar o Utilitário de Disco ocasionalmente, quando tiver problemas sem explicação, travamentos ou falhas na abertura de itens. Use os recursos Verificar Disco e Reparar Disco no Utilitário de Disco do OS X (Aplicativos | Utilitários | Utilitário de Disco), ou ferramentas de terceiros, como o TechTool Pro, Drive Genius ou DiskWarrior, que custam, em média, 100 dólares.

Essas ferramentas comparam o diretório do disco com seu conteúdo. Se encontrar problemas, eles podem reparar os diretórios. O sucesso da operação depende do formato do disco, da extensão do problema e do utilitário de recuperação em uso. Em geral, aplicativos de terceiros funcionam melhor que o Utilitário de Disco da Apple, embora o resultado possa variar.

A maioria dos discos rígidos modernos conta com uma tecnologia chamada Self Monitoring and Reporting Technology (ou SMART), que checa, diagnostica e relata o estado dos componentes físicos do HD. Embora ele não previna uma falha do disco, pode alertar por problemas antes que eles inutilizem seu HD.

No Utilitário de Disco, o status do SMART é listado com as informações gerais de disco na parte inferior direita da janela. Os aplicativos gratuitos iStart Pro e o iStat Menus mostram o status do SMART e outras informações do sistema no Dashboard ou na barra de menu do Mac.

Se o status do SMART diz Verificado, seu disco está saudável. Se mostrar Prestes a falhar ou Com falhas, você deve fazer backup imediatamente e substituir o disco.

3 – Não deixe o disco rígido superlotado
O Leopard usa o disco rígido não só para armazenar seus dados, mas também arquivos temporários e de cache para rodar os aplicativos corretamente. E conta com o HD para memória virtual – e tudo isso de forma que o usuário nem percebe.

Só que para isso acontecer, é preciso ter espaço livre no disco rígido. Se ele estiver muito cheio, o Leopard precisa usar o disco de inicialização para isso, deixando o Mac bem mais lento – se o disco rígido estiver muito cheio, espere por comportamento estranho do sistema e aplicativos travando a todo momento.

Dica: deixe 10% do disco livre, pelo menos. Se começar a lotar muito – músicas, vídeos, fotos  -, compre um disco rígido externo ou substitua o disco por um de capacidade maior.  Essa regra vale também para o iPhone e iPod touch.

Dois programas – o Disk Inventory X (gratuito) e o WhatSize (13 dólares) ajudam a descobrir o que está comendo espaço no seu disco e que pode ser movido para outro local – ou até mesmo apagado. O Drive Genius, de 99 dólares, oferece diversas ferramentas de disco rígido e traz um recurso que busca por arquivos grandes, arquivos pouco acessados e até arquivos duplicados.

4 – Apague os arquivos de cache
Diversos aplicativos contam com arquivos cache para melhorar seu desempenho – os navegadores são o exemplo mais óbvio, mas o Leopard mantém diversos arquivos em cache para melhorar a performance do sistema. E arquivos de cache podem apresentar problema se forem corrompidos ou danificados, levando ao travamento de aplicativos.

Os arquivos de cache no OS X existem tanto para o sistema (na pasta  Biblioteca | Caches do disco rígido) e para cada usuário (na pasta Usuário | Biblioteca | Caches. Como esses arquivos não armazenam preferências de aplicativos ou configurações gerais, você pode apagá-los com segurança sem perder dados, e eles serão recriados conforme necessário.

5 – Verifique e apague os arquivos de preferências
Outra causa comum de falha em aplicativos são os arquivo de preferências corrompidos. Eles são usados pelos programas e componentes do sistema para armazenar configurações. No OS X, são arquivados como listas XML (.plist).

Você pode verificar se eles foram corrompidos ao usar o Preferential Treatment (donationware), uma interface gráfica para um comando do Terminal, mas tentar modificá-los quando não têm problemas pode causar a perda de preferências dos programas.

O próprio Leopard consegue resolver alguns problemas de arquivos de preferências corrompidos. Se o programa trava demais, o Leopard pergunta se você quer abrir o aplicativo sem suas preferências – se ela abrir e rodar sem problemas, você pode apagar seu  arquivo de preferências. Se continuar a travar, a causa pode ser outra – e você deve reinstalar o programa.

++++

6 – Verificar e reparar permissões de arquivo
Como todas as versões do OS X, o Leopard tem como base  o sistema operacional Unix. Isso significa que todo arquivo no seu disco tem permissões que definem quem pode acessar, modificar ou apagar o arquivo. Além das contas de usuário que você cria, há diversas contas de sistema que o Leopard usa para gerenciar tudo, das buscas no Spotlight ao utilitário de instalação de programas. E, claro, há o usuário root, que tem autoridade completa sobre todos.

Só que algumas modificações nas permissões de arquivo e de arquivos de aplicativo ocorrem de vez em quando – seja por um super-usuário ou por um suposto hacker tentando ter acesso a determinados arquivos, ou por aplicativos ou drivers que querem se sobrepor ou modificar arquivos existentes, ou até mesmo por aplicativos malfeitos.

Se essas permissões são alteradas, os resultados podem ser comportamento errático do sistema, passando por aplicativos que não funcionam e chegando a deixar o Mac vulnerável a ataques de rede.

Para garantir que as permissões de arquivo do sistema e dos aplicativos estão funcionando direito, rode o recurso Verificar Permissão de Disco no Utilitário de Disco. É um modo de resolver problemas – mais que uma tarefa de manutenção, apesar das limitações do recurso. Na maioria dos casos, você pode Reparar as Permissões de Disco e prevenir problemas. E, em casos raros, é preciso reinstalar o aplicativo para resolver o problema.

7 – Teste seus backups
O Time Machine do Leopard faz backups do Mac em poucos cliques. Embora ele seja um recurso praticamente livre de problemas, é uma boa idéia periodicamente testar seus backups, para garantir que as cópias de segurança estão sendo feitas corretamente e que não vão te deixar na mão caso ocorra uma emergência.

Primeiro, verifique as estruturas de diretório e o status SMART do disco rígido que armazena seus backups (e repare-o, se necessário). Segundo, veja o espaço livre no drive de backup – como o Time Machine mantém diversas gerações de backups, é possível preencher um disco rígido com rapidez.

Se o disco estiver cheio, o Time Machine irá remover backups mais antigos para abrir espaço para os novos (ele te alerta para isso).

Dica: um bom modo de conservar espaço no disco do Time Machine é excluir arquivos ou pastas de sistema que contém arquivos grandes que mudam com maior freqüência – como as pastas de scratch usadas pelo Photoshop, por exemplo. Esse ajuste pode ser feito no painel de preferências do Time Machine nas Preferências de Sistema.

8 – Desfragmente seu disco rígido
Uma das dicas principais de manutenção para computadores sempre foi a de desfragmentar o disco rígido. A fragmentação ocorre quando bits individuais de dados são armazenados em distintos setores físicos do disco rígido, em vez de setores seqüenciais. Quando isso ocorre, o disco rígido leva mais tempo para localizar e acessar esses arquivos, derrubando o desempenho.

O sistema de arquivos do Mac OS X não produzem tanta fragmentação, já que, desde o lançamento do OS X Partir, os Macs raramente dividem os bits que formam um arquivo. Se o arquivo é modificado e salvo, toda a nova versão do arquivo será reescrita em setores contínuos.

Como resultado, a não ser que o disco rígido do Mac esteja muito cheio e você esteja trabalhando com arquivos muito grandes (como vídeo digital), provavelmente não precisa se preocupar com fragmentação.  Entretanto, desfragmentar ocasionalmente pode melhorar o desempenho da máquina, e a maioria dos programas que fazem isso também verificam e reparam as estruturas de diretórios como parte do processo (O OS X não vem com um utilitário desses integrado).

9 – Rode os scripts de manutenção da Apple

O Mac OS X inclui três scripts de manutenção projetados pra rodar todo dia (às 3h15), semana (todo sábado às 4h30) e mês (primeiro dia do mês, às 5h30). Eles realizam tarefas comuns de manutenção no Unix que vive embaixo do OS X.

Embora a maioria dos usuários não tenha problemas se não rodar esses scripts, eles realizam algumas funções importantes, a maioria delas relacionada à conservação de espaço em disco, limpando diretórios de arquivos temporários, criando relatórios de rede e comprimindo o arquivo system.log (que armazena as entradas para a maioria das ações do OS X), além de arquivar os arquivos atuais, entre outras funções.

Se sua máquina estiver desligada durante a manutenção automática, o Leopard realiza essas tarefas quando o Mac é religado ou inicializado. Mas, se você perceber queda no espaço em disco, problemas de performance ou falhas em geral, pode rodar os scripts manualmente (ou modificar seu agendamento).

Alguns utilitários fazem essa tarefa, como o OnyX (gratuito), Cocktail (15 dólares), Macaroni (10 dólares) ou MainMenu (gratuito), que permitem realizar outras tarefas descritas neste artigo.

Outra dica rápida no caso de disco cheio é apagar periodicamente os arquivos de log arquivados. A não ser que você precise dessas informações de registro das atividades do computador, pode apagar os mais antigos sem problemas. Esses arquivos de log são úteis para resolver problemas e ajudar a investigar as atividades de um Mac. Mas se você nunca olhou para um desses, não teve problemas recentes no Mac e o arquivo é de meses atrás, pode apagá-los sem problema – eles ficam em Macintosh HD | Biblioteca | Logs.

10 -  Reinicie periodicamente
Um dos modos mais simples de manter seu Mac funcionando direito é periodicamente reiniciá-lo. Embora não seja necessário desligar o Mac OS X toda noite (temos relatos de usuários rodando Macs por meses sem reinicializar o sistema), fazer isso pode ser bom caso você tenha passado por problemas recentes.

Quando o Mac liga, diversas rotinas distintas da seqüência de inicialização – incluindo uma checagem básica do sistema de arquivos – verificam as estruturas de diretórios do disco rígido e limpam arquivos temporários armazenados no diretório Unix /tmp. Reiniciar o Mac também faz a máquina testar o hardware e religar as conexões com qualquer hardware conectado.

Tags

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail