Home > Dicas

Acha que o MP3 mudou a forma como se ouve música? Então conheça o FLAC

Formato de compressão em padrão aberto e sem perda de qualidade de áudio gera arquivos maiores, mas agrada quem tem bom ouvido.

Tom Mainelli, da PC World / EUA

18/06/2008 às 17h16

conversao_audio_150.jpg
Foto:

conversao_audio_150Para quem costuma ouvir música utilizando dispositivos portáteis de áudio se movimentando por aí, as taxas de compressão mais altas, como a utilizada nos arquivos MP3, não costumam gerar reclamação quanto à qualidade sonora – e o resultado é plenamente aceitável.

Contudo, ouvir esses mesmos arquivos de áudio em um equipamento de alta fidelidade chega a ser uma afronta a quem conhece um pouco mais de música. Nesse caso, quanto mais qualidade se puder obter, melhor.

Esta é a razão pela qual jamais gastei muito dinheiro com a loja do iTunes ou em qualquer outro serviço de vendas online de música. Eles forçam o comprador a aceitar o esquema de DRM e você é obrigado a engolir a música no formato de compressão que eles quiserem entregar.

Tudo bem que os arquivos de 128 quilobits por segundo (kbps) usados nos arquivos AAC da Apple soam melhor dos que MP3 com a mesma taxa de compressão. Ainda assim, não possuem a mesma qualidade de um CD.

Mas não me interpretem mal: sou fã de música online; gosto muito, por exemplo, do Rhapsody, serviço de música online pelo qual se paga 10 dólares por mês para ouvir qualquer música do acervo – que é enorme. Mas quando o assunto é comprar música, eu continuo preferindo comprar CDs. Eles me dão o privilégio de poder escolher a qualidade de meus ‘rips’, geralmente não há DRM, e os CDs são como um backup do mundo real.

++++

conversao_audio_150As músicas que eu penso em colocar em meus tocadores portáteis (atualmente um iPod Nano de 4GB da primeira geração e um iPod de 80 GB de geração 5.5) consistem no meu atual acervo de 33GB composto de 5.260 canções.

Desse montão de músicas, 99,5% estão em formato MP3 que eu ‘ripei’ na taxa de 192 kbps a partir da minha coleção de CDs. O resto são compras impulsivas feitas no iTunes, além de áudio-livros comprados na Audible.com.

Planejo ainda um segundo acervo de músicas que será formado basicamente pelas mesmas canções. Mas, no lugar de usar o bit rate de MP3, elas serão ripadas usando o FLAC (Free Lossless Audio Codec), um codec de áudio gratuito e sem perda de qualidade sonora.

Por que FLAC?
Compressão sem perdas significa que nenhum dado de áudio é perdido, de forma que a música deve soar exatamente como no CD de onde foi tirada.

O lado bom dessa história é uma melhor qualidade sonora; o lado ruim é que os arquivos finais são sensivelmente maiores do que os criados a partir de codecs com perdas, como o MP3.

> Clique aqui para baixar o FLAC

Por exemplo, o clássico álbum “Endtroducing...” do DJ Shadow, fica com 88MB ‘ripado’ em MP3 de 192 kbps, enquanto a versão FLAC tem até 360MB.

Para tocar música sem perdas no meu Nano seria necessário instalar o firmware Rockbox, que dá suporta a FLAC. Infelizmente, esse tocador gratuito e de código aberto ainda não roda no iPod de 80 GB.

Outro motivo importante pelo qual prefiro FLAC é exatamente porque o iTunes não o suporta (ainda).

++++

conversao_audio_150Uso o iTunes todos os dias (principalmente por causa de podcasts). Usando FLAC, eu não corro nenhum risco de misturar acidentalmente meus dois acervos distintos, o que resultaria em duplicatas no iTunes.

Por último, escolhi o FLAC por ser um formato de áudio cujo código-fonte é aberto para o público.

Descrever a diferença entre um arquivio MP3 de 192 kbps e de 128 kbps é fácil: é como a Think FM contra uma qualidade próxima a de um CD.

Já a diferença entre um MP3 de 192 kbps e um arquivo FLAC é com certeza mais sutil, mesmo com os melhores tipos de áudio. Para mim, o material sem perdas é mais aberto e tridimensional do que os MP3.

Se eu consigo sempre diferenciar um FLAC de um MP3? Não, não consigo.

Mas eu ainda acho que há algo a ser revelado sobre os benefícios psicológicos da ausência de perdas. Por que desperdiçar tempo precioso de apreciação musical imaginando se você está de fato perdendo algo num MP3 quando se pode ouvir material sem perdas de uma vez?

Tags

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail