Home > Notícias

Apple ameaça indústria de pagamentos móveis, dizem analistas

Com a possível implantação da tecnologia transações eletrônicas por aproximação no iPhone, empresa pode ser tornar um "PayPal com esteroides"

Macworld/Reino Unido

28/01/2011 às 16h49

Foto:

A Apple pode causar sérios problemas na área de pagamentos móveis caso entre nesse meio, como tem sido divulgado pela imprensa, dizem analistas. Essas informações dizem respeito a planos da companhia para implementar a tecnologia de comunicação por aproximação (NFC, em inglês) na próxima geração do iPhone e iPad. Tal sistema permitiria aos usuários efetuar comprar simplesmente aproximando seus dispositivos de terminais de pagamento, semelhante ao que acontece com o bilhete único em São Paulo.

Tecnologias de pagamento similares surgiram ao redor do mundo há anos e foram recebidas positivamente pelos clientes. O que faz a Apple entrar nesse universo diferente, entretanto, é a gigante base de 160 milhões de usuários do iTunes, disse Avivah Litan, analista da consultoria Gartner.

Essa base dá à Apple a possibilidade de operar em grande escala como  um “sistema de pagamento fechado” com pouquíssima necessidade de interagir com companhias de cartão de crédito e bancos, analisou a analista. “Eles podem fechar empresas de cartão de crédito se quiserem isso, e operar da mesma forma que o PayPal fez no mundo virtual", completou.

Os usuários do iTunes provavelmente precisarão continuar a utilizar seus cartões de crédito e contas de banco em seus gastos do iTunes, porém esse pode ser o único momento em que essas instituições financeiras estarão envolvidas no sistema de pagamento móvel da Apple. “Vejo a Apple como um PayPay com esteroides”, comparou Litan.

A possível investida da Apple no mundo do pagamento móvel surgem juntamente com o crescimento no interesse pela NFC . Em novembro do ano passado, A AT&T, a Verizon e a T-Mobile USA anunciaram um projeto chamado ISIS, com a participação da companhia Discover Financial Services e o banco Barclays para introduzir um sistema de pagamento móvel baseado em NFC nos Estados Unidos.

A Google adicionou funcionalidades de NFC em seu smartphone Nexus S, feito pela Samsung, e mesmo o PayPal fechou parcerias com companhias como a Bling Nation na tentativa de permitir que seus consumidores utilizem as contas do PayPal em pagamentos móveis em locais físicas. Veja no vídeo abaixo como funciona a tecnologia de comunicação por proximidade implementada no smartphone da Google: (http://migre.me/3LztS)

 

 
Tais movimentos sinalizam a seriedade com que grandes provedores de serviço estão se aproximando do modelo de pagamento móvel, comentou Gwenn Bzard, analista do Aite Group. A grande vantagem que a Apple tem nesse espaço em crescimento é o fato de a empresa já processar pagamentos móveis, disse.

Já somam dez milhões os usuários do iTunes que utilizam suas contas para comprar músicas e aplicativos para iPhone. Ao introduzir o NFC nos próximos iPhones e iPads, a Apple fornecerá aos seus clientes a possibilidade de utilizar essas mesmas contas para muitas outras funcionalidades. “Eles possuem 160 milhões de usuários com carteiras digitais nas contas do iTunes. Eles não precisam fazer mais nada se não habilitar o NFC em seus dispositivos”, explicou Litan.

Para comerciantes em geral, o sistema de pagamento da Apple pode se mostrar atrativo. Muitos lojistas procuram sistemas de pagamento alternativos para evitar as taxas das operadoras de cartão de crédito por transação. A Apple poderia oferecer taxas de pagamento substancialmente mais baixas a esses comerciantes, além de várias aplicações de fidelidade para incentivar os clientes a utilizarem seus dispositivos iOS para fazer pagamentos, exemplificou Litan.

“Imagine passar pela catraca em um show, pagar com o iPhone e instantaneamente receber uma oferta para baixar a música daquele espetáculo”, disse ela. Da mesma maneira, os estabelecimentos comerciais poderiam trabalhar com a Apple e começar a oferecer descontos aos clientes que fazem pagamentos via iPhone.

Resta a dúvida de quando tudo isso irá começar a funcionar. No passado, tais sistemas de pagamento falharam ao oferecer pouca diferença, em comparação ao valor real feito com outros métodos de pagamento. Sendo assim, a Apple precisará de uma proposta atrativa de valores para fazer com que os comerciantes implementem seu método de pagamento, concluiu Bezard. Basicamente, a companhia precisa descobrir uma maneira de recompensar os usuários que usarem o sistema enquanto beneficiam também os lojistas.

Tendo em vista a experiência da Apple com marketing, isso pode não ser muito difícil. "Ela só precisa só colocar o logo da empresa na fachada das lojas para divulgar seu sistema de pagamento", exemplificou Bezard. “Eles podem se tornar maiores do que o PayPal da noite para o dia, literalmente. 

 

iphone4.jpg 

Com a adoção dessa tecnologia, Apple pode ter uma vantagem significativa sobre gigantes como Facebook e PayPal

Os estabelecimentos comerciais precisarão fazer um upgrade nos equipamentos, para que possam aceitar pagamentos via NFC. Entretanto, essa mudança pode ser mais barata e menos complicada do que parece. Adesivos de pagamento especial já estão disponíveis para permitir que lojas habilitem o NFC em seus terminais de venda, disse Litan. Eles saem por 1 dólar e podem ser vendidos por muito menos se enviados em grandes volumes. Além, disso, um número crescente de sistemas de pontos de venda no exterior tem adotado o NFC para suas transações.

O centro das atenções está sobre o tempo que irá levar para que essa tecnologia ganhe força nos EUA, pontuou Karen Webster, consultora da Market Plataform Dynamics. “A única que coisa que ninguém comenta, talvez porque seja muito assustadora, é a enorme vantagem que a Apple possa ter sobre Google, PayPal, da ISIS e até mesmo sobre o Facebook”, comentou. “Dá para imaginar o poder de persuasão da Apple ao simplesmente trazer outros produtos para as contas de seus usuários no iTunes", destaca.

Tags

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail