Home > Notícias

Apple quer impedir executivos da Samsung de participar de licenciamentos

Empresa alega que eles tiveram acesso a dados confidenciais de negócios que teriam sido passados a eles pelos advogados que atendem a Samsung nos processos

Da Redação *

03/12/2013 às 9h54

Foto:

A Apple está tentando barrar executivos da Samsung Electronics que tenham conhecimento de informações confidenciais sobre ela de participar de negociações de licenciamentos de dispositivos móveis da empresa pelos próximos dois anos.

A fabricante do iPhone também está pedindo à Justiça que impeça a Samsung de solicitar o cancelamento de outra disputa judicial sobre patentes entre as duas companhias que atualmente está correndo num tribunal da Califórnia, alegando que ela "não tem mãos limpas". O caso em questão deve ir a julgamento no próximo ano.

O tribunal distrital do noroeste da Califórnia, da cidad de San Jose, está avaliando penalizar a Samsung e seus advogados por conta de várias alegações de que o escritório externo de advocacia da companhia poderiam ter repassado informações confidenciais do relacionamento das duas empresas, incluindo dados sobre os acordos de licenciamento de patentes da Apple com a Nokia, Ericsson, Sharp e Philips, que só poderiam ser vistos por advogados. Segundo documentos do tribunal, tais informações teriam sido colocadas em um site de FTP que pode ser acessado por executivos da Samsung.

O problema veio a tona depois do depoimento, em junho, do diretor de propriedade intelectual da Nokia, Paul Melin, que declarou ter sido informado pelo executivo da Samsung Seungho Ahn que ele conhecia os termos do acordo de licenciamento da Nokia com a Apple e que descreveu tais termos para provar que realmente os conhecia.

Em investigação mais detalhada, foi descoberto que itens chave de outros quatro contratos de licenciamento de patentes teriam sido vazados para a Samsung sem proteção, segundo relatórios do tribunal. A Apple teria fornecido tais informações para a empresa de advogados Quinn Emanuel Urquhart & Sullivan, que atende a Samsung, durante a fase de investigação e levantamento de dados da ação judicial movida pela Apple contra a Samsung e que rendeu à empresa indenização da ordem de US$930 milhões.

No pedido de medidas judiciais que a Apple enviou nesta segunda-feira
(02/12) ao tribunal, é solicitado que Ahan e outros executivos da
Samsung que tenham tido acesso a dados sigilosos sejam probidos de
participar de negociações comerciais nos próximos dois anos. A Apple também quer que o escritório de advocacia Quinn Emanuel seja impedido de participar de outros processos nos quais informações confidenciais da Apple sejam circuladas, pelo período de dois anos.

A empresa disse que não vai pedir a desqualificação do escritório de advocacia nos dois processos judiciais ativos nesse momento entre as duas empresas porque ambos estão em processo avançado. Mas pede que tanto a Samsung quanto o escritório Quinn Emanuel sejam advertidos pelo tribunal e que sejam informados que existem ordens de proteção contra eventuais vazamentos.

*Com reportagem de John Ribeiro - IDG News Service

Tags

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail