Home > Notícias

Blogs dizem que Apple exclui programas do iPhone

Casos como o desaparecimento dos aplicativos “I Am Rich” e BoxOffice estimulam desconfianças sobre o controle da Apple.

Brennon Slattery, PC World/EUA

08/08/2008 às 11h00

Foto:

A Apple controla os aplicativos executados no iPhone, ou seja, se ela não gostar de um programa, ele é excluído da App Store. Pelo menos é o que diz a blogosfera sobre uma linha de código encontrada no software do iPhone 2.0 por Jonathan Zdziarski, um desenvolvedor independente de iPhone.

O suposto controle sobre o iPhone tem atingido aplicativos do iTunes que desapareceram e ressurgiram nas últimas semanas. O sistema de “extermínio” é diferente. A teoria se baseia em um mecanismo que pode ser atualizado remotamente (não requer sincronização) pela Apple e pode desabilitar qualquer aplicação executada no iPhone a qualquer momento.

>>>Leia mais:
App Store: primeiras impressões
Software 2.0 amplia opções do iPhone
iPhone 3G não desaponta

A teoria da conspiração aumenta quando se percebe que o NetShare, aplicativo destinado a ativar o suporte a tethering (capacidade de usar a conexão do iPhone como um modem em um notebook), o Box Office, que traz listas de filmes, e o aplicativo “I Am Rich”, de 999 dólares, desapareceram inesperadamente da iTunes App Store.

Mas, para deixar claro, esses aplicativos não sumiram por um misterioso "assassino remoto" da Apple (e é mais misterioso do que qualquer outra coisa). Zdziarski confessa, na pesquisa postada em seu site, que sabe pouco sobre o código encontrado: “Eu não sei se esse mecanismo está ativo ou o que ele faz exatamente”.

Contudo, desenvolvedores de iPhone disseram “ei, espere um pouco”, sobre o fato de seus desenvolvimentos estarem sob aparente influência da Apple. Muitos agora já estão fazendo perguntas sobre esse “sistema de exclusão”, questionando se seus trabalhos poderiam desaparecer de uma hora para outra dos iPhones.

O aplicativo NetShare viola diretamente os termos de serviços da AT&T, justificando sua remoção. O BoxOffice, que fornecia informações de filmes, foi excluído por uma razão não divulgada.

Esses desaparecimentos criam uma relação espinhosa entre a Apple e os desenvolvedores de aplicativos acerca de acordos não revelados. Os desenvolvedores são legalmente impedidos de trocar ou discutir um com o outro dicas de programação. Conseqüentemente , os aplicativos sofrem prejuízos, eles argumentam. Vários fóruns são criados na internet, incluindo o f&&$$gnda.

Ainda que a teoria de “extermínio” cresça sem nenhum comentário da Apple sobre o assunto, alguns sugerem que será uma forma de exterminar verdadeiros programas maliciosos (como um anti-vírus) que poderiam invadir seus iPhones. Outros sugerem que essa possibilidade de sumir com os programas dá uma "vantagem" em TI para a Apple, que trava o iPhone de tal modo que ele sempre ficará de acordo com as políticas da fabricante (e, por que não, das operadoras).

Zdziarski admite que ele não tem idéia do que pode significar isso: "Por tudo que sabemos, poderia iniciar a terceira Guerra Mundial ou fazer com que algum computador comece a cuspir receitas de panqueca", afirmou. 

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail