Home > Notícias

Caça às paródias de Hitler no YouTube pode acabar diversão de internautas

Ferramenta do portal retira conteúdo que usa imagens protegidas por direitos autorais. Mas, ao atacar paródias, estúdios perderão uma publicidade gratuita.

PC World EUA

21/04/2010 às 10h52

Foto:

O YouTube tirou do ar alguns vídeos que apresentam conteúdo do filme A Queda, da produtora alemã Constantin Films. Os trechos em questão são paródias do longa-metragem, que foi lançado originalmente no cinema em 2004.

A Queda é um dos casos mais famosos de paródias que serviram a disputas virais na internet. Uma de suas principais cenas – quando Hitler reage de modo violento à notícia de que a Alemanha está prestes a perder a guerra) – transformou-se, por exemplo, no viral “Hitler responde ao iPad”. Na paródia, o ditador tem um ataque histérico ao saber que o tablet da Apple não tem câmera, não suporta multitarefa e não visualiza sites com Flash, entre outras limitações.  

Segundo a Electronic Frontier Foundation (EFF), esses e outros vídeos com paródias estão sendo removidos por causa do sistema Contend ID, um recurso criado pelo YouTube a pedido da indústria audiovisual. Essa ferramenta verifica os vídeos publicados e checa se eles utilizam imagens protegidas por direitos autorais. Algumas paródias continuam no site, embora seja questão para que sejam identificadas e retiradas do ar.  

Publicidade gratuita

A questão que se coloca diante desse cenário é a seguinte: por que a Constantin Films, produtora de A Queda, resolveu reclamar direitos autorais sobre esses clipes humorísticos seis anos depois do lançamento do longa-metragem, especialmente se pensarmos que eles podem despertar o interesse de mais pessoas pelo filme?

Certamente muitos internautas ficaram curiosos por conhecer o conteúdo original que inspirou as paródias que assistiu. Trata-se, portanto, de uma publicidade gratuita para a Constantin Films.

Até o diretor de A Queda, Oliver Hirschbiegel, disse em outra ocasião que as paródias de seu filme são engraçadas. “As pessoas costumam me mandar os links a cada vez que uma nova paródia é publicada. Acho que vi cerca de 145 deles! Muitas vezes o trecho é tão engraçado que rio alto. Não poderia haver melhor elogio a um diretor”, disse em janeiro à New York Magazine.

Entre as paródias favoritas de Hirschbiegel estão uma em que Hitler fala da morte de Michael Jackson, e outra em que o ditador alemão fica possesso porque não pode adquirir ingressos para Billy Elliot - ambos os quais foram bloqueados a pedido da Constantin. Outra que já se tornou clássica mostra Hitler transtornado depois de saber do fim da banda inglesa Oasis.

O filme também já serviu para paródias nacionais. Em uma delas, Hitler foi colocado no papel do senador José Sarney durante a crise no Senado brasileiro - vídeo, aliás, que também jão não está mais mais disponível no YouTube.

 

Tags

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail