Home > Notícias

CES 2013: Console portátil da Nvidia não surpreende CEO da Sony

Kaz Hirai lembra que o mercado de consoles é um no qual é difícil entrar, e mais difícil ainda sobreviver.

Martyn Williams, IDG News Service

08/01/2013 às 11h38

Foto:

Kaz Hirai, Presidente e CEO da Sony, diz que não está completamente surpreso com o anúncio da Nvidia, que planeja lançar um console de jogos portátil baseado em seu novo processador Tegra 4 e no sistema operacional Android.

“Não fiquei tão surpreso quanto você imagina”, disse ele a repórteres na CES 2013 em Las Vegas, nos EUA. “Se você olhar para o passado, verá que houve tentativas anteriores”.

Um dia antes a Nvidia havia anunciado seus planos para produzir um console portátil, atualmente conhecido pelo codinome Project Shield. O aparelho se parece com um joystick de um console, porém maior e com uma tela LCD de 5” presa ao topo. Dentro há um processador Nvidia Tegra 4 rodando o sistema operacional Android, e o aparelho será capaz de rodar todos os jogos já disponíveis na loja Google Play, bem como títulos feitos sob medida distribuídos através do aplicativo Tegra Zone, da própria Nvidia, e jogos de PC disponíveis no serviço “Steam”, da Valve.

project_shield-360px.jpg
Nvidia "Project Shield"

O anúncio pegou muitos de surpresa, já que o mercado de jogos portáteis é altamente competitivo e os que tentaram entrar nele nos anos recents não se saíram tão bem.

“É difícil entrar”, disse Hirai. “Já fui um gerente nessa área, então sei do que estou falando”.

Antes de assumir sua posição no comando da Sony em Abril do ano passado, Hirai foi líder da Sony Computer Entertainment durante cinco anos. Ele supervisionou a transição do PlayStation 3, de um produto que gerava um prejuízo para a Sony a cada unidade vendida em um que traz lucros. Ele também supervisionou o lançamento do portátil PlayStation Vita.

Hirai disse que o anúncio da Nvidia pode ser visto como parte de uma tendência rumo a jogos em múltiplas plataformas. Algo que antes era uma exclusividade dos consoles se estende a outros produtos.

“Os consumidores já estão acostumados a jogar não apenas nos consoles, mas em uma variedade de outros aparelhos”, disse ele.

Quando questionado sobre se agora é uma boa hora para uma empresa entrar no mercado de games, Hirai respondeu que “é cedo demais para dizer”.

Tags

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail