Home > Notícias

Chrome OS: advogados questionam privacidade e concorrência

Com novo sistema operacional, Google aumenta rastreamento dados de internautas e domínio no mercado de web, dizem especialistas.

IDG News Service/EUA

08/07/2009 às 18h44

Foto:

O anúncio de um novo sistema operacional do Google levantou questionamentos sobre a privacidade em relação ao volume de informações que a empresa será capaz de coletar entre seus usuários, alertam advogados especialistas no assunto.

O Google já coleta dados de navegação por meio de produtos como seu buscador – hoje usado por 65% dos internautas - , o serviço gratuito de webmail Gmail, bem como pela plataforma AdSense, de administração de publicidade online.

Mais sobre o sistema operacional:
> Chrome levará anos para ameaçar Windows
> Google já fechou acordos com fabricantes
> A era do beta acabou
> O mundo precisa de mais um sistema?
> 7 aspectos a se levar em conta do Chrome

O sistema operacional do Google, que será lançado inicialmente em netbooks, na segunda metade de 2010, abre outro caminho para que a empresa colete e gere receita com informações pessoais, dizem os advogados.

"A concorrência no Mercado de sistemas operacionais é sempre bem-vinda, mas o Google é um caso especial” afirma Marc Rotenberg, presidente do grupo de advogados da área de privacidade chamado Centro de Privacidade de Informações Eletrônicas, "Ele [o Google] tornou-se dominante entre muitos serviços essenciais de internet – busca, e-mail, vídeo, aplicações de produtividade online e publicidade."

Rotenberg diz ter consultado especialistas em leis de monopólio dos Estados Unidos e da Europa e que todos “observam a entrada do Google no mercado de sistemas operacionais com enorme ceticismo.”

Jeffrey Chester, diretor executivo do Centro pela Democracia Digital e advogado especialista em privacidade, concorda com Rotenberg.

"Acredito que o novo sistema operacional tem de ficar na mira da coleta de dados pelos órgãos reguladores de privacidade dos Estados Unidos, da Europa e dos advogados" afirma Chester. "Qualquer expansão no mercado, tanto pelo Google como pela Microsoft deve atrair olhares examinadores, especialmente no que diz respeito à privacidade."

A expansão do império do Google na internet vai além das questões de privacidade e esbarra em participação de mercado, afirma Steve Pociask, presidente do Centro de Pesquisas Americano de Consumo para Cidadãos, que já criticou o Google no passado.

"Diante da dominância do Google e de sua posição quase monopolista em uma série de mercados, nos quais ele eleva seu poder em outros segmentos como este novo [de sistemas operacionais], os reguladores precisam ficar atentos" declara Pociask.

Outros especialistas em leis antitruste discordam da opinião de Pociask dizendo que a entrada do Google no mercado de sistemas operacionais beneficia os consumidores por criar um concorrente legítimo do Windows, da Microsoft.

Recentemente, o Google enfrentou investigações antitruste pelo Departamento de Justiça dos Estados Unidos (DOJ) a respeito do acordo feito pela empresa com editoras de livros, bem como sobre as ligações entre executivos dos conselhos da Apple e do Google. O DOJ também desaprovou um acordo de publicidade em buscas envolvendo o Google e o Yahoo.

No entanto, a entrada do Google no mercado de sistemas operacionais é “o oposto de algo que possa gerar preocupações com práticas antitruste” afirma Evan Stewart, sócio da empresa de advocacia Zuckerman Spaeder. "Isto me parece extremamente saudável, competitivo e uma inovação que beneficia o consumidor."

Tags

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail