Home > Notícias

Começam a surgir os primeiros apps para o Google Glass

Skitch, Path e New York Times são os primeiros aplicativos projetados especialmente para os óculos computadorizados da Google.

Jared Newman, PCWorld EUA

12/03/2013 às 17h54

Foto:

O Google Glass ainda não está disponível, pelo menos não ao público, mas os primeiros aplicativos de terceiros para os “óculos computadorizados” da Google já estão surgindo. Evernote, Path e o New York Times estão trabalhando em apps para o acessóri, que de acordo com vários relatos foram demonstrados em um evento durante o festival SXSW Interactive, nos EUA.

O Skitch, desenvolvido pela Evernote, parece ser o app mais básico de todos, e permite que os usuários postem fotos no serviço diretamente a partir do Google Glass. Posteriormente é possível adicionar anotações a estas imagens usando os apps do Skitch para smartphones ou desktop.

Path, uma rede social que enfatiza a privacidade, vai um passo além. Usuários do Glass poderão ver uma lista selecionada de atualizações postadas por amigos e familiares, responder com comentários e emoticons e, claro, compartilhar fotos.

O app do New York Times, como esperado, projeta na lente do aparelho as últimas manchetes, junto com fotos relacionadas. Os usuários podem tocar no painel sensível ao toque na moldura do Glass para que a notícia seja lida em voz alta. O app também pode notificar o usuário de fatos extraordinários.

Sou um tanto cético quanto ao Google Glass, e essa primeira leva de apps não mudou minha opinião. Alguns deles, como as manchetes do New York Times ou as atualizações de status no Path, poderiam funcionar da mesma forma em algo como um relógio inteligente, que seria menos intrusivo e mais elegante que uma tela montada sobre os olhos do usuário. O compartilhamento de fotos no Patch e Skitch pode, claro, tirar proveito dos recursos de fotografia do Glass, mas por si só estas não são “killer apps”.

Outro aplicativo recente e mais intrigante se chama Insight, um projeto da Duke University que pode identificar pessoas em meio a uma multidão através de suas roupas. Ele tira proveito da câmera integrada e da tela “individual” do Glass de forma que os outros apps não fazem. Se o Glass quer ser algo revolucionário precisará de mais aplicativos únicos como este, em vez de coisas que sejam mais adequadas para um smartphone ou smartwatch.

Tags

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail