Home > Notícias

Como a Apple deixou o iPhone 3G barato

Todos sabiam que a empresa planejava um telefone com suporte à banda larga, mas não por menos de US$ 200. Saiba como isso aconteceu.

Yardena Arar, da PC World / EUA

08/09/2008 às 19h06

Foto:

Quem acompanha os lançamentos da Apple na área de celulares deve estar se perguntando: por que o novo iPhone está cotado tão abaixo do que custava a versão anterior? Afinal, ele ganhou 3G e GPS, além de bateria com maior duração. Tudo isso por 199 dólares (para modelos com 8 GB de memória, nos Estados Unidos) e 299 dólares (para modelos com 16 GB de memória).

Isso significa um desconto de 200 dólares em relação à geração passada. E olha que a Apple cobrava 599 dólares por seu inovador iPhone de 8GB, quando ele foi lançado!

Quedas de preços em produtos tecnológicos são comuns, mas são menos freqüentes quando novas e melhoradas características são incluídas. No entanto, especialistas dizem que diversos fatores estão possibilitando os novos preços baixos.

Tina Teng, analista especializada em comunicações da iSuppli, afirma que os sistemas 3G e GPS incluídos nos novos modelos adicionaram custos aos iPhones, mas ela aponta que os preços para os outros componentes (principalmente a memória) diminuíram.

De acordo com Ken Dulaney, vice-presidente do Gartner, até a tecnologia 3G do iPhone teve seus custos consideravelmente diminuídos em comparação ao que poderia ter há um ano, já que a maioria das companhias de telefonia estão migrando para essa tecnologia. Cresce a demanda, diminuem os preços.

iphone_3g_350

US$ 199: como pode ser mais barato que versão anterior?

Outro fator que pode contribuir para a queda dos preços do novo iPhone é a idéia da Apple de introduzir algumas mudanças no design que cortariam os custos, como a decisão de usar plástico e não metal no case do aparelho.

Dulaney, do Garner, afirma que a queda dos preços envolve mais do que apenas custos de fabricação, apontando para o confuso subsídio das vendas de telefones. No mesmo dia em que Steve Jobs anunciou o novo iPhone, a AT&T – que é a operadora exclusiva do iPhone nos EUA – divulgou aos investidores que seu acordo de 2007 com a Apple iria mudar.

A operadora está mudando para o modelo tradicional de vendas de handsets nos EUA, pagando adiantado à Apple para manter o custo do iPhone mais baixo para os consumidores, para incentivar clientes a assinarem o contrato de dois anos.

A AT&T irá pagar à Apple um subsídio para cada aparelho vendido, para que o preço caia. A operadora não especificou a quantia, mas valores entre 200 e 300 dólares são comuns na indústria de telefonia móvel.

O novo plano de dados básico para o iPhone irá custar dez dólares por mês a mais do que o valor do modelo original (20 dólares), mas o preço inicial para planos corporativos irá manter-se em 45 dólares por mês.

Nos Estados Unidos, o iPhone 3G requer que os usuários assinem um contrato de serviço de dois anos com a AT&T, assim como já acontecia com os modelos anteriores. No Brasil, ainda não há detalhes sobre os pacotes a serem oferecidos.

De acordo com Steve Jobs, o iPhone vendeu seis milhões de unidades durante o primeiro ano. Este modelo de negócios não seria possível mesmo até um ano atrás, explica Bakhshi. “Quando o iPhone foi lançado, ele estava com uma operadora em um só país. Agora está sendo lançado em 22 países como telefone 3G, e irá para 70 países até o final do ano”, destaca.

iphone_3g_200.jpg

Corte de custos: Uso plástico na parte
de trás ajudou a redizir o preço

O novo iPhone foi lançado em 11 de julho. Além de debutar nos EUA, ele também estará disponível inicialmente no oeste e norte da Europa, bem como na Austrália, Canadá, Hong Kong, Japão, México e Nova Zelândia. No Brasil o aparelho ainda não tem uma data confirmada, mas especula-se que até o final de setembro ele desponte por aqui.

Para saber mais sobre o iPhone 3G, leia a edição de setembro da PC World, que traz um especial sobre o novo telefone da Apple. Já à venda nas bancas de jornal.

Tags

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail