Home > Dicas

Como escolher uma câmera D-SLR

Comprar uma câmera D-SLR envolve mais processos de decisão que uma compra comum. Siga nossas recomendações para encontrar o modelo ideal para tirar as melhores fotos.

Macworld/EUA

05/12/2008 às 17h49

Foto:

Para quem leva fotografia mais a sério, as câmeras D-SLR (Digital Single Lens Reflex) são a melhor opção. Elas oferecem mais flexibilidade no ajuste de configurações, troca de lentes, velocidade de disparo e inúmeros recursos que ajudam a criar fotos mais interessantes do que em uma câmera convencional.

As D-SLR mais novas vêm com interfaces mais amigáveis, são mais leves e menores e se tornam cada vez mais populares entre fotógrafos casuais. Ainda são caras, entretanto – é difícil encontrar modelos por menos de 3 mil reais.

De qualquer modo, essas câmeras são um investimento a considerar. Mas como escolher a certa? Acompanhe nossas dicas.

O mito do megapixel Um número alto de megapixels não significa melhor qualidade de imagem, mas sim mais flexibilidade na hora de fazer grandes ampliações ou cortar as fotos.

Seja prático: se você é novato em foto digital, não compre um modelo avançado. Os mais baratos (nos EUA, modelos abaixo de 1.000 dólares) têm funções com configurações pré-configuradas que você pode usar enquanto aprende a usar os ajustes manuais, e você não perde muito em qualidade de imagem.

Só o corpo: a maioria das D-SLR são vendidas apenas com o corpo da máquina. Você precisa comprar uma lente para conseguir fotografar. Alguns fabricantes vendem kits com corpo e lente.

Escolha a lente: Se você quer usar lentes para situações distintas (como um zoom para fotos à distância, macro ou até com efeitos, como uma olho de peixe), veja as opções do fabricante.

Estabilização de imagem: As D-SLR oferecem um ou dois métodos de estabilização de imagem para reduzir a trepidação da câmera (sutil, mas real). A estabilização de lente tende funcionar melhor, mas é algo integrado à lente, não à câmera. A estabilização por sensores corrige pequenas trepidações da câmera graças a um sensor no corpo da câmera – e é algo que funciona com qualquer lente, mas não é tão bom quanto a estabilização na lente.

Peso pesado: Uma D-SLR  é maior e mais pesada que uma câmera convencional, e conforto é palavra-chave aqui. Uma câmera que se encaixa direito na mão de uma pessoa pode ficar muito grande na de outra.

Visualização em tempo real: Além de um visor óptico, muitas câmeras oferecem um “live view” no LCD – permitindo fotografar como se fosse uma câmera convencional.

Tamanho do sensor: o sensor de imagem de uma D-SLR é, geralmente, menor que o quadro de 35 mm de uma câmera com filme. E pode variar dependendo do modelo e fabricante.

Sem sujeira: se você pretende trocar muito de lentes, procure uma D-SLR com um sensor de limpeza interno, que remove a poeira do sensor de imagem.

Sem atraso: as D-SLR não têm o atraso de disparo comum a várias câmeras comuns. Mas a velocidade do autofoco é importante, e fazer foco em uma câmera dessas requer tocar o botão de disparo. Se você conseguir testar a D-SLR antes de comprar, verifique a velocidade do autofoco.

Formatos de arquivo: As D-SLR são compatíveis com o formato RAW, que traz mais flexibilidade ao abrir a imagem em um editor de fotos. Além disso, elas também geram arquivos em JPEG, que comprime os dados para gerar arquivos menores que ocupam menos espaço que o RAW. Mas a qualidade de imagem do RAW é melhor.

Armazenamento: a maioria das D-SLR usa cartões de memória padrão SD (Secure Digital) ou CompactFlash. O cartão que vem com a câmera geralmente é de pouca capacidade, então compre um com mais capacidade. Além disso, existem cartões de memória com maior velocidade de gravação – o que é ótimo se você tira várias fotos em sequência.

Vídeo: Fazer vídeos em modelos D-SLR é algo novo e um recurso útil, caso você não queira carregar uma filmadora. E lembre-se: vídeo consome bastante espaço no cartão de memória.

Tags

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail