Home > Dicas

Como escolher uma câmera de vídeo à prova de futuro

As tecnologias das camcorders mudam rápido. Saiba como escolher o melhor modelo para que suas lembranças resistam ao tempo.

Por Becky Waring, da PC World/EUA

14/05/2008 às 18h26

Foto:

Se tudo que você costuma filmar são clipes de seu bicho de estimação para mostrar no YouTube, pode ser que qualquer filmadora sirva. Mas se a intenção é registrar os primeiros passos do seu filho ou o casamento de sua filha, é bom garantir que a filmagem possa ser vista daqui a uns 20 ou 30 anos, que é justamente quando será mais prazeroso relembrar os momentos do passado.

Claro que, até lá, os formatos de vídeo digital de hoje em dia serão peça de museu. Mas dá para escolher uma câmera razoavelmente à prova de futuro seguindo três conselhos básicos:

- Compre a de melhor qualidade de imagem que puder pagar;

- Capture em um formato amplamente difundido;

- Use mídias de armazenamento de durabilidade comprovada.

Nenhuma camcorder que testamos obedece fielmente a todos esses critérios. Mas, diante de uma enorme quantidade de ofertas, a obediência a esses três preceitos ajuda a refinar as possibilidades de escolha.

Para obter a melhor qualidade de imagem (e de reprodução com qualidade máxima, bem do jeito prometido por aquela magnífica TV de tela grande que você acabou de comprar), a dica é exigir alta definição – ou, no inglês, High Definition (HD).

São dois os principais formatos de vídeo HD em camcorders amadoras: o HDV, que surgiu em 2004 e usa o mesmo tipo de cassetes MiniDV do formato DV original (que, aliás, foi extremamente bem-sucedido); e o AVCHD (de Advanced Vídeo Codec High Definition), um formato ainda imaturo que surgiu em meados de 2006 e que pode ser gravado em mídias como DVD, disco rígido e memória flash.

AVCHD e HDV: o confronto

O AVCHD tem muitas (e boas) vantagens sobre o HDV: um algoritmo de compressão mais eficiente, que usa menos espaço por minuto de vídeo (um ponto importante para o armazenamento de longo prazo); transferências de arquivo da câmera para o computador com um arraste-e-solte, que é até dez vezes mais rápido que o HDV; e mídia de acesso aleatório evidentemente superior ao velho rebobinamento de fitas.

Como o AVCHD usa a mesma compressão MPEG-4 do Blu-ray, você também poderá tocar os discos AVCHD em tocadores Blu-ray sem necessidade de recodificá-los, o que é uma mão na roda. Tudo indica que, no campo dos vídeos amadores, este será o formato predominante. Mas o HDV ainda não morreu – e, para ser honesto, ainda pode ser a escolha mais adequada.

O HDV permanece como opção por três razões. Primeiro, a melhor camcorder amadora HDV ainda oferece uma qualidade de imagem superior ao dos melhores modelos AVCHD (apesar de o AVCHD ser continuamente melhorado). E as camcorders HDV de nível profissional já lugar-comum na produção de TV, ao passo que só agora surgem as primeiras câmeras AVCHD profissionais.

Em segundo lugar, apesar da forma lenta e antiquada de transferir arquivos para o PC, a fita MiniDV usada pelo HDV é, ela mesma, ideal para armazenamento de longo prazo – pode-se simplesmente jogá-la na gaveta depois que a tiver editado. Uma fita de 60 minutos custa cerca de 15 reais.

O AVCHD, por sua vez, requer que se queime discos ópticos para armazenamento prolongado, ou que se reserve um bom espaço no disco rígido, ano após ano. Um disco rígido de 1 terabyte vai guardar cerca de 125 horas de vídeo AVCHD com o bit rate máximo atual de 17 megabits por segundo (Mb/s), mas será preciso o dobro disso para backup.

As fitas também são mais práticas nas viagens, já que pode ser difícil ou até impossível descarregar os vídeos de seu disco rígido ou do cartão de memória.

O terceiro motivo – e uma boa razão para adiar a compra de uma camcorder AVCHD, por enquanto – é a imaturidade do formato AVCHD. A maioria dos softwares de vídeo para amadores só agora começa a ser compatível com o AVCHD, e mesmo esses podem não tirar total proveito do potencial de sua câmera e dos modos de filmagem.

Por exemplo, um programa pode lidar com AVCHD a 1.440x1.080 pontos a 60 frames entrelaçados por segundo (60i), mas ignorar as variações, como a nova resolução de 1.920x1.080 pontos ou o frame rate de 24p (progressive scan).

Para usar o AVCHD na versão mais recente do Windows Movie Maker, será preciso convertê-lo primeiro, o que resulta em perda de qualidade da imagem. Além disso, o AVCHD ainda não alcançou seu potencial em termos de qualidade.

Embora as especificações do formato prevejam bit rates de até 24 Mb/s, há apenas um punhado de câmeras que suportam no máximo de 15 a 17 Mb/s. E nenhuma camcorder AVCHD amadora oferece ainda suporte verdadeiro à resolução de 1080p que provavelmente sua TV de alta definição é capaz de exibir.

Tudo isso, claro, deverá mudar em um ou dois anos, à medida que as camcorders AVCHD se aproximem das especificações máximas de bit rate e frame rate, e quando a compatibilidade dos softwares em relação a esses recursos se tornar mais generalizada. E os preços também tendem a continuar em queda.

Veja na tabela abaixo um resumo comparativo entre os dois formatos.

tabela_camcorder
++++
Camcorders: conheça o atual estado da arte

Se você precisa comprar uma câmera agora, veja o que procurar numa camcorder amadora de alta definição para que ela seja à prova de futuro. Atenção: os preços em dólar são os praticados nos EUA.

Para HDV: Aqui, as escolhas são relativamente simples.

Já que todas as camcorders HDV gravam fitas MiniDV com as mesmas resoluções e bit rates, os recursos que devem ser levados em conta são aqueles que aumentam a qualidade da imagem em qualquer camcorder, tais como boas lentes com um potente zoom óptico, um grande sensor de imagem (CCD), recurso de estabilização de imagem e excelente sensibilidade sob pouca luz.

145439-Canon-HV30

A Canon Vixia HV30 (US$ 999, foto acima) e a Sony HDR-HC9 (US$ 1.099), lançadas este trimestre nos EUA, lideram atualmente o ranking de qualidade de nossos avaliadores. As duas câmeras têm zoom óptico de 10x e portas HDMI para conexão e reprodução direta na HDTV. Se você não pretende editar seus vídeos domésticos, então nunca chegará a transferi-los para o PC, o que torna irrelevante a questão do avanço e retrocesso de fitas.

Para AVCHD: É aqui que as coisas ficam mais complicadas, por causa da grande variedade de mídias de gravação e de capacidade dos camcorders AVCHD. A Sony, por exemplo, tem nada menos que dez modelos: quatro com disco rígido, cinco com DVD, e um que grava apenas em cartões Memory Stick. Mas o que interessa são as câmeras Full HD com resolução de 1.920 x 1.080 pontos e bit rate máximo de 16 Mb/s.

145439-Sony-HDR-SR11-smallIsso reduz nossa lista a quatro: os modelos com disco rígido HDR-SR10 (40GB), SR10D (120GB), SR11 (60GB, foto ao lado) e SR12 (120GB). A HDR-SR11 (R$ 3.250) e a SR12 (R$ 3.699) têm melhores sensores de imagem e LCDs, e suas resoluções em captura de imagem estática (10MP) são mais altas que as das SR10 e SR10D (4MP). O drive de 120GB tem capacidade para até 15 horas de vídeo na qualidade máxima, e ainda pode ser expandido com cartões Memory Stick Pro.

145439-Canon-HF10

A Canon e a Panasonic têm cada uma dois modelos de qualidade equivalente. A Canon oferece a Vixia HF10 (US$ 1.100, foto acima) e a HF100 (US$ 900). Ambas têm memória flash e gravam com qualidade máxima de 1.920x1.080 pontos e 17 Mb/s. A HF100 tem um encaixe para cartões SDHC que armazenam uma hora de vídeo em qualidade máxima para cada 8GB. A HF10 tem 16GB de memória de estado sólido embutida, bem como encaixe para SDHC.

145439-Panasonic-HDC-SD9-smOs modelos mais em conta da Panasonic são o HDC-SD9 (R$ 3.499, foto ao lado) e o HDC-HS9 (US$ 1.000). Tal como a Canon HF100, a câmera de memória flash HDC-SD9 oferece qualidade de 1.920 x 1.080 pontos e 17 Mb/s e encaixe para cartão SDHC, que grava 8GB por hora de vídeo. A HS9, basicamente uma SD9 equipada com disco rígido de 60GB, é capaz de armazenar 7 horas e meia de gravação em qualidade máxima.

Vale destacar que, apesar de todos os três vendedores oferecem camcorders AVCHD com gravação em DVD, nenhum desses modelos oferece bit rates máximos equivalentes aos modelos com memória flash e disco rígido. E, para guardar os vídeos por longos períodos, você precisará copiá-los para outro drive ou usar o gravador Blu-ray ou DVD de seu PC para arquivá-los.

Cores na HDTV: o padrão xvYCC

As câmeras Panasonic e Sony citadas aqui (tanto as AVCHD como as HDV) são compatíveis com a faixa de cores expandida do padrão xvYCC, que promete surpreendentes 1,8 vezes mais vermelhos, verdes e azuis que as cores sRGB padrão. Com o xvYCC, as cores tornam-se mais fiéis e têm gradações mais suaves.

Incluído na especificação HDMI 1.3, o xvYCC pode ser encontrado em diversas HDTVs novas fabricadas por essas duas empresas. A Panasonic batizou esse padrão de Digital Cinema Color; a Sony, por sua vez, o chama de “x.v.Color”.

Como o xvYCC é um padrão, na teoria as camcorders e as TVs deveriam ser compatíveis, não importa quem as tenha fabricado. Mas as duas companhias recomendam que o consumidor seja fiel a uma só marca de camcorder HD e HDTV, para garantir os resultados prometidos.

Se você ainda não tem uma HDTV que siga o padrão xvYCC, não há problemas em gravar nesse formato para uso futuro. A informação extra de cores será simplesmente descartada pela sua TV atual.

Note que o xvYCC mantém certa relação com o termo Deep Color, embora não sejam a mesma coisa. O Deep Color designa uma tecnologia de HDTV que diz respeito à ampliação da profundidade de cores. As duas tecnologias fazem aumentar o número de cores disponíveis, mas apenas o xvYCC está disponível hoje para as camcorders amadoras.

Tags

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail