Home > Dicas

Conheça 8 concorrentes para o Safari no iPhone

Navegadores baseados no WebKit chegam à App Store, mas algum pode competir com o Safari? Testamos os oito: cinco não prestam, mas três são bastante promissores.

Rob Griffiths, Macworld/EUA

09/02/2009 às 15h32

Foto:

Eu até me acostumei a responder perguntas como "Qual seu aplicativo favorito?" ou "Quanto tempo dura a bateria?", mas há uma pergunta que eu não achei que fosse ter de responder sobre o iPhone: "Qual seu navegador favorito?". Até muito recentemente, a única resposta possível para essa pergunta era o Safari, porque era o único existente.

Mas agora, há mais que meia dúzia de navegadores disponíveis na App Store criados por empresas que não a Apple. Essa repentina abundância de novos browsers é resultado da decisão da Apple de permitir navegadores feitos por terceiros na App Store – desde que sejam baseados no WebKit, mecanismo de navegação open source da Apple.

>>>Veja telas dos oito concorrentes do Safari no iPhone

Então porque você iria querer outro navegador além do Safari no seu iPhone? Cada um dos oito navegadores que vamos apresentar encontrou um motivo para existir, seja por carregar páginas mais rápido, por pular imagens, implementar navegação por abas ou outros motivos do tipo. Mas quão bem eles funcionam, e algumas dessas alternativas podem substituir o Safari como o principal navegador de iPhone? Para responder a essas perguntas, eu baixei e testei oito navegadores no meu iPhone.

Não fui muito longe no teste quando topei com a primeira limitação – nenhum dos oito navegadores conseguia abrir um site pessoal protegido com senha. Não sei razão, mas parece que sites que utilizam os controles de acesso Apache não podem ser acessados por navegadores terceirizados.

Uma das páginas de descrição dos navegadores na iTunes Store dizia que "links pop-up não funcionam devido a uma limitação no iPhone SDK". Então talvez, de alguma forma, a janela pop-up que surge pedindo sua senha em sites protegidos seja considerado um link pop-up. Se isso for verdade, então parece que o Safari vai continuar sendo a única maneira de acessar esses sites, pelo menos até a Apple mudar o kit de desenvolvimento de software.

Depois dessa grande mudança de rumos no assunto, vou voltar a falar de cada um dos navegadores, comentando primeiro sobre aqueles que – pelo menos para mim – não pareceram ser totalmente úteis. Depois disso, eu cubro três possibilidades bem mais promissoras.

Os quase lá

Hot Browser: A aposta do Hot Browser é a de que cada vez que você chacoalhar seu iPhone ele vai abrir "canonicamente um site atualmente muito popular".

Infelizmente, durante o meu teste, eram apenas seis sites que apareciam quando eu balançava o aparelho, e pelo menos dois deles eram relacionados com o autor do programa, Mark Schmatz.

Os outros eram sites sobre linguagem Ruby de programação, e um par de sites em alemão. Nada de reddit, nem Digg, nem Slashdot, nem nada que tenha ficado na minha memória como remotamente popular.

Se o Hot Browser fosse um navegador decente nos seus méritos, a função meio manca de sacudir poderia ser levada em consideração. Mas não o é. Faltam as funções básicas de navegação – nenhum botão avançar/recuar, sem histórico, sem favoritos, sem preferências.

Em resumo, parece mais com uma experimentação de um programador com o iPhone e o WebKit do que com uma alternativa séria para o Safari. Pelo menos o software é gratuito.

iBrowser: o iBrowser da Super Art Software é um navegador simplista, com apenas uma grande função: ele permite que o usuário trave a configuração de tela – então você pode forçar as páginas a se manterem no modo retrato, mesmo que o iPhone vire para a posição paisagem.

Por mais que eu consiga ver a utilidade dessa função – a gana que o Safari tem para mudar o modo de exibição a cada balançada que o iPhone dê é frustrante – não vale a pena deixar de lado todas as outras funções de navegação para ter apenas essa.

O iBrowser não suporta abas (ou múltiplas páginas), favoritos, histórico, mudança de página inicial, zoom com os dedos, mandar link por e-mail, ou qualquer preferência para cookies e scripts.

Se você odeia positivamente, completamente, incondicionalmente e totalmente a rotação ocasional das páginas no Safari, então talvez o iBrowser seja útil para você – mas mesmo assim, eu recomendaria o Incognito ou o QuickSurf, dois navegadores dos quais vamos falar mais para frente, que oferecem a mesma função de travar a imagem entre outras habilidades. Custa 1 dólar na App Store.

Shaking Web: O navegador da Sponticelli.com (custa 2 dólares) diz ser fazer pela navegação via celular o que a estabilização de imagem fez pelas câmeras populares – estabiliza a imagem na tela. O Shaking Web – que só funciona no iPhone, e não no iPod touch – tenta equilibrar a movimentação do seu aparelho quando dentro de um ônibus, trem, ou quando passageiro em um carro, movendo levemente a imagem do site, em resposta aos movimentos detectados pelo iPhone.

Na teoria, isso poderia ser muito útil. Na prática, o resultado é mais distração do que ajuda. A página de fato se move de um lado a outro, mas não parece estar em sincronia com os movimentos do aparelho, e isso me deu um pouco de dor de cabeça depois de tentar acompanhar a imagem quicando de um lado para o outro.

O navegador em si também é bastante limitado, sem abas, múltiplas páginas, favoritos, histórico, finalização automática, ou qualquer outra coisa legal que se espera de um navegador.

Edge Browser: chamar esse programa gratuito da Mobile Productivity de navegador é um pouco errado. Na realidade ele é um visualizador de sites em tela cheia.

O Edge Browser não tem quase nenhuma das funções básicas de navegação, como barra de URL, botões de avançar/recuar, e suporte para favoritos e histórico. Em vez disso é feito para ver apenas um site, e um página apenas, sem interferências de interface na página.

Você especifica o site a ser carregado nas preferências do programa (na página de preferências do iPhone), junto com qualquer informação de login necessária, e então abra o Edge Browser.

Seu site vai aparecer em modo tela cheia, sem interferência se nenhum elemento da interface. Como não possui interface, é melhor para sites que são de um página só, como uma webcam, ou um extrato bancário.

Seria bom se o programa suportasse múltiplos sites (talvez deixar que você colocasse 3 sites das preferências), porque da forma como está agora, só serve para um site.

Infelizmente, o Edge Browser não conseguiu carregar a página da nossa webcam protegida com senha, nem qualquer outro site com proteção por senha. Eu pensei em contatar o suporte técnico para me ajudar com isso. Mas não foi possível, já que o link no iTunes Store me levou para um site completamente irrelevante para minhas dúvidas.

O Edge Browser definitivamente não é feito para entrar no lugar do Mobile Safari como seu navegador diário. Mas se você visita sempre uma página específica, pode se tornar uma boa alternativa – partindo do princípio que ele vai conseguir abrir essa página, é claro.

Incognito: Como você pode supor pelo nome, o Incognito é um navegador mascarado, que custa 1 dólar. Basicamente, usar o Incognito é como se você usasse a versão de desktop do Safari sempre no modo Private Browsing. Não carrega histórico (então não há recurso de autocompletar), você não pode marcar sites como favoritos, e basicamente nada que você faça será gravado na memória. (Note que isso não esconde nada dos sites que você visita – é apenas para esconder suas pegadas dentro do próprio iPhone.)

Configurações são mínimas, limitadas a uma página inicial definida, e travamento de tela para modo retrato ou paisagem. Você não vai encontrar abas ou páginas múltiplas – Incognito é um navegador uma-página-por-vez. Também falta a caixa de pesquisa do Google, e o programa esquece que página você estava cada vez que é aberto. (Isso provavelmente é uma das funções, dado o objetivo sem pistas do navegador, mas é um pouco irritante.) O navegador funcionou bem nos sites que eu testei (exceto aqueles protegidos com senha, é claro).

O Incognito, de Dan Park, vale 1 dólar? Se você visita sites que por algum motivo não devem ficar registrados no seu iPhone, então talvez valha. Ele funciona bem o suficiente como um navegador básico, enquanto você não quiser visitar sites protegidos, criar favoritos, ou trabalhar com mais de um site por vez.

As promessas

QuickSurf: o navegador de 1 dólar criado por Opher Lieber é uma promessa interessante, com um recurso principal que elimina o download de imagens para navegação mais rápida. O programa abre com uma tela inicial com atalhos aos seus favoritos. Ao visitar um site, o Quick Surf bloqueia todas as imagens e anúncios (usando um bloqueador específico para propaganda) e levando a um carregamento mais rápido da página.

Na teoria, parece muito bom. Nos testes, não foi o caso. Embora alguns sites tenham carregado mais rápido, outros levaram o mesmo tempo que no Safari. E certas imagens conseguiram enganar o navegador.

Uma vez que a página carregou, surge uma linha de botões na parte inferior da tela com opções úteis – avançar e voltar, alternar entre visão rápida (sem imagens) e normal, ver em tela cheia e um menu pop-up para abrir a página no Safari, adicioná-la à tela de inicialização rápida, travar a orientação da página em retrato ou paisagem e acessar as configurações do aplicativo.

Embora o QuickSurf tenha funcionado bem, existem alguns problemas. Demora para alternar entre os modos rápido e normal de visualização, mesmo se você parte de um site completo para um sem imagens (a página é recarregada toda vez que você muda essa configuração). Navegar em tela cheia funciona bem, mas mover em volta é problemático, e o QuickBox não traz uma caixa de buscas. O aplicativo travou algumas vezes durante o teste.

iBlueAngel: esse parece ser a alternativa mais ambiciosa ao Safari, com inúmeros recursos e uma interface única para acessá-los. Sai por 5 dólares na App Store.

Entre outras coisas, o iBlueAngel consegue selecionar e copiar blocos de texto de um site e enviar por e-mail (junto com a URL da página) pelo Mail. Você não consegue selecionar qualquer texto, apenas blocos (parágrafos) de texto. De qualquer modo, é algo útil quando você precisa enviar a alguém um pedaço da página, e não enviar apenas um link.

Você pode ainda colar texto na caixa da URL (que atua também como busca do Google quando não há um endereço digitado) para buscar na web por aquele texto. O browser salva documentos para visualização offline e lida com diversos formatos: PDF, Word, Excel, PNG, JPG e GIF. O aplicativo salva arquivos em background – você continua a trabalhar/navegar enquanto isso ocorre. Testei com fotos e PDFs e funcionou bem. Os arquivos salvos aparecem em uma tela dedicada, e podem ser vistos a qualquer momento, independente da sua conexão.

Para acessar todos os recursos, você precisa usar um “painel mágico” ativado por um toque no canto superior esquerdo da tela. Esse painel é uma tela com controles para os recursos do aplicativo.

Outra coisa que o iBlueAngel faz muito bem é a navegação em abas. Com um controle simples na parte inferior da tela, você adiciona ou remove abas e se move entre elas. O programa guarda em cache o conteúdo da página em uso, então não se perde tempo entre alternar abas. As abas têm “memória” e tudo que você deixou aberto será reaberto quando voltar ao programa.

O iBlueAngel ainda não está pronto para substituir o Safari. Não navega em modo paisagem e está cheio de bugs, travando algumas vezes durante o dia. Seus recursos, entretanto, são bastante interessantes e, com a correção dos problemas e a capacidade de navegar em paisagem pode ser um bom candidato a substituto oficial do Safari.

WebMate Tabbed Browser: O aplicativo da R.P.A foi projetado para navegar rápido entre sites cheios de links, como o Digg ou até mesmo o da Macworld. Em um desktop, o jeito mais fácil de visitar sites como esses é dar um Command-clique em cada link que você quer ler, para ele abrir em uma nova aba. O WebMate quer trazer essa mesma técnica ao iPhone.

A interface principal do WebMate é uma caixa de endereço, com setas de avançar/voltar e um ícone de recarregar no topo da tela, além de botões abaixo para controlar as abas. O botão On/Off é o principal: quando está em “On”, todo link que você clicar vai abrir em uma nova aba; em “Off”, abre na mesma janela.

O WebMate não traz nenhum recurso de favoritos ou histórico, mas funciona com a tela em retrato e paisagem.

Quando você cria uma nova aba a partir do link da primeira página, o WebMate não carrega o site até que você alterne para aquela aba específica (poderia já carregar as páginas em segundo plano). E conforme você alterna entre as abas, tem que esperar carregar cada uma delas, sem nenhum cache (ao voltar à página inicial, ela irá recarregar também).

O desenvolvedor do WebMate promete para bege uma grande atualização do produto. Com o pré-carregamento de abas e o cache de sites, o WebMate pode se tornar um grande concorrente do Safari.

Recomendação de compra da Macworld

Em resumo, nenhum desses oito navegadores consegue substituir o Safari em suas versões atuais, e poucos aparecem como promissores complementos ao navegador da Apple. O iBlueAngel permite fazer mais com o browser, o QuickSurf acelera o carregamento da página e o WebMate pode vir a ser o melhor navegador com abas.

Então, qual usar? Possivelmente um, vários ou nenhum. Depende da sua necessidade de recursos do navegador. Lembre também que esses aplicativos foram recém-lançados, e devem ganhar mais recursos e correções nos próximos meses.

Compatibilidade

Edge Browser e o Shaking Web rodam em qualquer iPhone com software 2.1 e 2.2; Hot Browser roda em qualquer iPhone ou iPod touch de segunda geração com software 2.1; QuickSurf, WebMate, iBrowser, iBlueAngel e Incognito rodam em todos os modelos de iPhone e iPod touch; iBrowser e iBlueAngel rodam no software 2.x; Incognito requer software 2.1 e o Webmate, software 2.2.

>>>Veja telas dos oito concorrentes do Safari no iPhone

Tags

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail