Home > Notícias

Crise financeira: alta do dólar já afeta indústria de PCs no Brasil

Fabricantes aumentam preços dos equipamentos e interrompem as vendas até que seja estabelecido um novo valor para o dólar.

Rodrigo Caetano, do COMPUTERWORLD

09/10/2008 às 18h27

Foto:

A valorização do dólar levou muitos fabricantes nacionais de computadores a rever os preços dos equipamentos e, em casos mais graves, até mesmo, interromper as vendas até que seja estabelecido um novo patamar para a moeda norte-americana.

A Semp Toshiba Informática, por exemplo suspendeu a entrega de equipamentos para o varejo por não conseguir definir um preço para os produtos. Com 70% dos custos relacionados à produção de computadores dolarizados, a indústria espera para ver até quando a moeda americana vai ficar oscilando de maneira tão brutal.

Leia a cobertura completa da crise para o canal de distribuição

Na terça-feira (08/10), o dólar chegou a bater em 2,40 reais. Após duas intervenções do Banco Central, a moeda americana caiu um pouco, fechando cotada a pouco mais de 2,30 reais. Valor bem acima dos cerca de 1,70 real registrados até pouco tempo. Ontem, o BC resolveu agir mais uma vez e garantiu uma queda de mais de 3% do dólar, que fechou em 2,20 reais.

Outra empresa que precisou tomar uma decisão foi a Positivo. A fabricante de computadores aumentou entre 10% e 15% o valor de seus produtos. Segundo Ariel Leonardo Szwarc, vice-presidente financeiro e diretor de relações com investidores da companhia, o porcentual representa um acréscimo próximo de 100 reais no valor dos produtos.

“Temos cobertura cambial, o valor do nosso inventário não é impactado pelo preço do dólar no dia. Mas, tivemos de tomar uma decisão, porque nossos revendedores não podem esperar o dólar estabilizar”, afirmou o executivo.

Por conta dessa cobertura, segundo o diretor, a empresa pode repassar o aumento de custos relacionados ao câmbio de forma gradativa, sem ter de ficar refém do sobe e desce diário da moeda americana.

Ainda não é possível saber se o aumento chegará ao consumidor final, uma vez que cabe aos varejistas repassarem, ou não, o acréscimo. De acordo com Szwarc, no entanto, os pedidos de novas máquinas não foram afetados. “O computador continua como o bem preferido da população e estamos entrando em um período muito importante para as vendas”, afirmou o executivo, fazendo referência ao natal que se aproxima.

Segundo Szwark, o dólar subiu além do que devia. “Para os fundamentos econômicos atuais, a alta foi muito grande”, diz o diretor. De acordo com o executivo, as oscilações diárias da moeda americana levam certo tempo, dependendo da linha de produtos, para afetar o preço dos insumos.

De qualquer forma, existe um impacto grande, já que 70% dos custos de fabricação dos computadores são em dólar. “Obviamente, continuamos de olho no dólar”, enfatiza o diretor. Segundo Szwark, a Positivo tem hoje uma posição sólida, de liderança no mercado, e não deve ter muitos problemas com a situação cambial.

Tags

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail