Sony WF-1000XM3 | Testamos o fone com cancelamento de ruído rival dos AirPods

No Brasil, as vendas começam em agosto por R$1.299,99

Foto: Joyce Macedo / PCWorld Brasil
https://pcworld.com.br/dados-review/sony-wf-1000xm3-testamos-o-fone-com-cancelamento-de-ruido-rival-dos-airpods/
Clique para copiar

Poucos dias após o lançamento internacional, a Sony anunciou a chegada do seu fone intra-auricular WF-1000XM3 ao Brasil. Visto como um possível concorrente de peso para os AirPods, da Apple, o modelo ganha um ponto importante ao trazer um recurso que ainda não chegou nem perto dos fones sem fio da Maçã: noise cancelling (cancelamento de ruído).

A primeira versão do WF-1000X foi lançada em 2017, mas ainda deixou a desejar. Agora, a fabricante aposta em um novo processador para levar mais poder aos fones in-ear e corrigir problemas apontados no seu antecessor.

PCWorld Brasil foi o primeiro veículo a colocar as mãos nesta novidade por aqui, então vamos dar uma olhada mais de perto e registrar algumas primeiras impressões.

DESIGN

A Sony apostou numa mudança de design, tanto nos próprios fones quanto na sua caixa de carregamento. Disponível nas cores preto e cinza, o WF-1000XM3 traz uma textura mais aderente na parte inferior do fone, o que ajuda a segurá-lo no lugar.

Com três pontos de apoio, os acessórios dão uma sensação de segurança ao usá-lo enquanto estamos em movimento. A área do touchpad também tem uma textura diferente, mais lisa, que facilita na hora de encontrar a região que precisamos tocar para acionar algum comando enquanto ele está no ouvido. Para ajustar ainda melhor os fones, o driver de apenas 6 mm chega com sete opções de revestimento de silicone e de espuma.

Dois microfones, um frontal e um traseiro, na superfície de cada headphone são os responsáveis por captar o som ambiente ao seu redor. Além disso, a presença de microfones em ambos os fones permite atender ligações usando apenas um deles, e cada um relata seu nível de bateria e status de conexão de maneira individual quando são colocados no ouvido.

Já o case para carregamento tem uma altura parecida com a dos AirPods, porém quase o dobro da sua largura. Um encaixe magnético facilita a fixação dos fones no estojo, e suporte NFC para emparelhamento com dispositivos Android também faz parte do pacote.

AirPods 2 ao lado do Sony WF-1000XM3 (Foto: Joyce Macedo / PCWorld Brasil)

COMANDOS E SENSORES

A Sony segue com o seu controle adaptativo de som, um recurso que usa sensores no fone para detectar automaticamente o que você está fazendo e ajustar as configurações de som para se adequar à situação. Se o dispositivo entender que você está sentado, em espera, como no saguão de um aeroporto, por exemplo, ele ativa o modo de espera.

Isso significa que você pode ouvir sua música e o modo de som ambiente te deixará ouvir quando alguém te chamar ou houver algum anúncio no sistema de som. Outras opções incluem o modo de movimento, que deixa o som ambiente ativado enquanto você caminha por aí para não ser atropelado por não ouvir uma buzina, e o modo viagem, ideal para quando você está em algum transporte e quer anular qualquer tipo de barulho e focar apenas na sua música. Você também pode personalizar as configurações de acordo com suas preferências.

Sony WF-1000XM3 em uso (Foto: PCWorld Brasil)

Durante o uso, os fones conseguiram detectar bem as transições de movimento, apesar de alguns engasgos.

A configuração padrão é a seguinte: um toque no fone esquerdo para ativar ou desativar o cancelamento de ruído, e se você tocar e segurar, o recurso Quick Attention é acionado enquanto continuar pressionando o touchpad do fone. Este recurso é ótimo para quando alguém vem falar com você, já que basta segurar o dedo no fone para que o som da música seja reduzido até que a conversa termine.

Um detalhe é que quando o cancelamento de ruído é ativado ou desativo, temos uma espécie de sensação de pressão nos ouvidos, e é possível notar a transição de modos.

Já o fone direito vem configurado originalmente para interagir com as músicas: toque único para play/pause; toque duplo passa para a próxima música e toque triplo volta a música. Tocar e segurar este lado aciona o assistente de voz que você escolher usar (compatível com Google Assistente e Siri, o que é ótimo). É possível alterar estes comandos por meio do aplicativo no seu smartphone.

Um ponto negativo é que a Sony ainda não permite emparelhar os fones com dois dispositivos ao mesmo tempo. Ou seja, enquanto você estiver assistindo uma série ou ouvindo música no seu notebook, por exemplo, não vai conseguir atender uma ligação sem pegar o smartphone.

LATÊNCIA E QUALIDADE DE SOM

Para colocar boa parte da tecnologia do WH-1000XM3 (modelo over-ear) neste irmão menor, a Sony apostou em um novo processador chamado QN1e, que promete melhorar o cancelamento de ruído, aumentar a qualidade de som e vida útil da bateria.

A qualidade de som também ganhou um upgrade graças ao processador de sinal de áudio de 24 bits somado ao conversor digital para analógico e uma tecnologia da Sony que aprimora os arquivos de música compactada (mas não faz milagres, é claro). O resultado é bem interessante, com um som limpo, bem equilibrado, e um grave que convence.

Outra melhoria em relação ao modelo anterior que merece atenção é o fato do novo XM3 transmitir som para o lado direito e esquerdo simultaneamente, em vez de retransmitir o som de um ouvido para o outro, como acontecia anteriormente. Isso melhorou MUITO o problema de conexão entre um fone e outro que assombrava o 1000X original.

Sony WF-1000XM3 junto do irmão mais velho WH-1000XM3 (Foto: Joyce Macedo / PCWorld Brasil)

Quem também se beneficiou do novo processador foi a latência, que era alta em um nível incômodo, e agora ganhou a promessa de ser a mesma da versão headset do 1000XM3. A conexão também ganhou mais estabilidade graças a uma nova antena Bluetooth que ocupa todo o espaço que "sobrou" no interior dos fones. O resultado é que durante o período em que fiquei com os fones, consegui assistir Netflix sem atrasos entre imagem e áudio. Bola dentro, Sony.

NOISE CANCELLING

Mas o que todo mundo quer saber mesmo é se o cancelamento de ruído realmente foi aprimorado. A promessa da fabricante é de uma melhora de 40% em relação ao WF-1000X, gastando ainda menos energia.

Na prática, a vedação do XM3 é muito boa, o que por si só já ajuda a segurar o barulho externo. No entanto, quem espera um bloqueio total, como acontece na versão over-ear, a coisa não é bem assim – e a explicação é um pouco óbvia. Primeiro, é tudo uma questão de tamanho, afinal o fone não está tapando completamente a sua orelha e nem oferecendo um espaço maior para componentes internos.

Apesar disso, a nova versão funciona muito bem em ambientes mais movimentados. Você ainda vai conseguir ouvir seus coleguinhas barulhentos conversando na mesa ao lado se estiver apenas com os fones, sem nenhuma música rolando, mas é só dar o play para fazer a mágica do isolamento acontecer.

O cancelamento de ruído também funciona durante as ligações, o que ajuda a ouvir melhor a pessoa do outro lado da linha – caso você seja uma das três pessoas no planeta que ainda usa o telefone para fazer ligações.

BATERIA

Um ponto crucial deste tipo de fone é a bateria, mas a Sony realmente conseguiu otimizar o uso de energia aqui. Os fones oferecem 6 horas de autonomia ouvindo um sonzinho com o cancelamento de ruído ativo e mais 18 horas de carga no case. Com o cancelamento de ruído desligado, os números sobem para 8 horas de som e mais 24 horas extras dentro da caixa, totalizando 32 horas de carga. Para efeito de comparação, a Apple promete 5 horas de som nos fones mais 19 horas no case nos AirPods 2.

Outro destaque é o carregamento rápido: deixando o fone descansar por 10 minutos no estojo, temos mais 90 minutos de reprodução garantidos. O ponto negativo é a falta do carregamento sem fio.

Sony WF-1000XM3 (Foto: Joyce Macedo / PCWorld Brasil)

RESUMO

As primeiras impressões foram muito boas, principalmente no quesito qualidade do som. O cancelamento de ruído também é bem satisfatório para um modelo in-ear, porém, assim como no caso da Apple, falta uma resistência à água para aqueles que gostam de fazer exercícios com fones sem fio.

A latência está realmente baixa, mas vale lembrar que ainda não tivemos tempo o suficiente para testar durante longos períodos e diversos tipos de aplicações, como games que demandam mais do áudio. A interrupção entre um fone e outro também foi resolvida, assim como o ajuste mais seguro na orelha, oferecendo maior sensação de segurança para andar por aí.

Duas cores do Sony WF-1000XM3 (Foto: Joyce Macedo / PCWorld Brasil)

Se você está a fim de investir uma grana em fones deste tipo e gosta da sensação de ouvir apenas a sua música, com qualidade e sem incômodos externos, com certeza deve dar uma atenção para o WF-1000XM3.

No Brasil, as vendas do WF-1000XM3 começam em meados de agosto com preço estimado em R$1.299,99, mas os interessados já podem se cadastrar no site da Sony.

Este anúncio desaparecerá em:

Ir para o site