TV Samsung 8K Q900R: uma joia na sua sala [Review]

Testamos o modelo da Samsung foi o primeiro a ser vendido no Brasil com resolução 8K

Foto: Samsung
https://pcworld.com.br/dados-review/tv-samsung-8k-q900r-uma-joia-na-sua-sala-review/
Clique para copiar
PONTUAÇÃO
9

Samsung

TV QLED 8K 2019 Q900R 65"

TV QLED 8K 2019 Q900R 65
R$ 22.999,00 ver na loja
Com mais de 33 milhões de pixels, a QLED 8K Q900 foi lançada em 2019 com tecnologias que incluem Inteligência Artificial para Upscaling de imagem, Modo Ambiente 2.0, e muito mais.

Prós

  • Upscaling diferenciado
  • Brilho e cores incríveis
  • Ângulos de visão amplos

Contras

  • Áudio deixa um pouco a desejar (pelo preço da TV)
  • Sem suporte ao Dolby Vision

A Samsung Q900R foi a primeira opção de TV 8K a ser vendida no Brasil. O modelo que testamos tem 65 polegadas e custa R$ 22.999 na loja oficial da Samsung, mas também existe uma versão de 82 polegadas que custa R$ 64.999. Além disso, uma versão de 98 polegadas também está disponível para quem tiver interesse e muito dinheiro na conta.

Eu aposto que muitos dos nossos leitores ainda não têm a intenção de comprar uma TV 8K e estão aqui mais para matar a curiosidade. Até porque, além do preço exorbitante dos pouquíssimos modelos disponíveis no Brasil, essa falta de conteúdo não justifica o investimento. Acertei?

Mas, se você faz parte do seleto grupo de pessoas que tem dinheiro para investir em uma TV que custa praticamente o preço de um carro popular, e está lendo nosso review para descobrir se o modelo da Samsung é o ideal para atender suas expectativas, então vamos tirar suas dúvidas.

DESIGN E ESPECIFICAÇÕES

Apesar de ser bem fina, a Samsung Q900R de 65 polegadas pesa cerca de 30 quilos. Não tem nada de muito revolucionário no seu design, que é bem elegante. São linhas minimalistas, sóbrias, com uma moldura fina de metal e cantos quadrados. A parte inferior tem uma moldura um pouco maior e traz o logo da Samsung.

Na parte traseira, existe uma textura diferente e um espaço em formato de "M" para encaixar os pés de alumínio quando a TV não estiver em cima de um móvel. Aliás, quem quiser pendurar a Q900R pode usar o suporte No Gap da Samsung, que deixa ela bem próxima da parede, como se fosse um quadro.

Aliás, a fabricante sul-coreana aposta nessa ideia da TV fazer parte da decoração da casa, tanto que aqui temos o Modo Ambiente 2.0, que permite selecionar alguma das texturas predefinidas, ou então tirar uma foto da TV na parede da sua sala para que ela se adeque à decoração, assim não fica apenas uma tela preta quando ninguém estiver assistindo.

Para continuar com essa sensação de visual limpo, sem aquela montoeira de cabo, a Samsung apostou no One Connect, que é uma caixa preta externa que se conecta à TV por um cabo único, semitransparente. Não é invisível, mas é bem discretinho. Todos os outros conectores ficam na caixa: são quatro entradas HDMI, três USB, uma ethernet, uma saída óptica de áudio e um conector para antena de TV. Além disso também tem as conexões Bluetooth e Wi-Fi. Ou seja, dá para esconder essa caixinha em um móvel e deixar a TV brilhando sozinha sem cabos.

O controle remoto cinza tem aquele microfone pra dar alguns comandos de voz pra TV e o infravermelho permite controlar outros aparelhos conectados à TV sem trocar de controle. Desde que eles sejam compatíveis, é claro.

INTERFACE

A Q900R roda a interface inteligente Tizen da própria Samsung, que é bem fácil de usar. A maioria dos serviços de streaming que você vai usar já vêm pré-instalados, mas também dá para navegar pela loja de aplicativos para baixar o que quiser.

E sabe quem também aparece aqui? O exclusivíssimo Apple TV+ e ao AirPlay 2. Sim, algumas smart TVs da Samsung lançadas em 2018 e 2019 suportam o streaming quentinho da concorrente da Maçã.

A parte de SmartThings também é um agrado a mais para a galera adepta da casa conectada, já que permite controlar o robô aspirador, as lâmpadas inteligentes, e assim por diante.

QUALIDADE DE IMAGEM

Agora, vamos falar do que realmente importa. A qualidade da imagem da Samsung Q900 é impressionante. Apesar de eu bater na tecla de não ter conteúdo 8K disponível, é praticamente impossível ver uma imagem ruim nessa tela.

Estamos falando do suprassumo do top de linha da Samsung, então quando essa TV foi ligada por aqui, as expectativas eram enormes. E ninguém que teve a oportunidade de assistir algum conteúdo aqui na redação saiu decepcionado.

Se a sua sala estiver muito clara, por exemplo, é possível aumentar o brilho e tentar chegar ao pico máximo de 3.000 nits que tem nesse modelo de 65 polegadas, mas as telas maiores podem chegar a até 4.000 nits, de acordo com a Samsung. A nitidez das imagens HDR são, provavelmente, as melhores que já vi por aí até agora, com brancos muito brilhantes.

Mas, como nem tudo nessa vida é perfeito, a Samsung precisou fazer uma escolha e acabou optando por melhorar o ângulo de visão em vez de oferecer um contraste absurdo. Para tentar compensar o contraste um pouco menor do que o de outras TVs com painéis VA – aqueles que têm os cristais líquidos alinhados verticalmente na tela – a empresa usou uma tecnologia de regulagem (ou escurecimento) local que ajuda a dar uma força a mais e realçar a cor preta.

O problema é que não dá para desativar completamente essa regulagem local na TV. Mesmo se colocarmos no mais baixo, ainda pode roubar um pouco a cena. Todo mundo fala muito sobre a profundidade do preto, que precisa aparecer como preto e não cinza na tela. E aqui ele fica bem escuro mesmo, mas isso pode prejudicar um pouco a experiência na hora de ler legendas, porque cria uma espécie de aura em volta da imagem mais clara numa tela escura.

Isso acontece porque a TV 8K bloqueia mais luz, o que exige que a luz de fundo seja mais brilhante. Lembrando que, geralmente, é melhor deixar a luz de fundo no máximo em ambientes bem iluminados e diminuir em ambientes mais escuros. A Samsung diz que a Q900R controla a luz de fundo em cada área de forma precisa para conferir maior profundidade e detalhe. E é este processo que proporciona pretos mais escuros e menos reflexos de luz.

Em compensação, o Ultra Viewing Angle oferece uma qualidade consistente na imagem a partir de qualquer ângulo de visão. A Samsung explica que ela apresenta um ângulo com área de visualização expandida graças a duas camadas especiais que permitem minimizar a perda de luz, que é orientada para a direção certa e distribuída de forma uniforme por todo o painel.

4K e 8K

Mas você deve estar se perguntando como eu consegui ver a diferença do 8K se não tem conteúdo disponível aí pra isso? A Samsung enviou um pendrive com algumas demos gravadas na super resolução. Ou seja, até a minha própria experiência com o 8K foi limitada durante os testes, mas o resultado é impressionante. Muito brilho, um contraste bonito de ver e uma nitidez surreal.

Mas o que rolou bastante por aqui durante os testes foi conteúdo 4K e HDR graças aos serviços de streaming como Netflix, Amazon Prime Video, HBO Go Globo Play e até o Youtubão da massa. Ah, até podemos encontrar vídeos gravados em 8K no YouTube, mas a plataforma reproduz em 4K.

Como o que temos disponível é o 4K (e olhe lá), a Samsung apostou em uma tecnologia de inteligência artificial que aprimora imagens em resoluções menores como o HD, Full HD, ou o 4K mesmo, para que elas sejam exibidas sem perda de qualidade na TV 8K. O Upscaling é bom e não notamos que a imagem é tão abaixo do que o aparelho suporta. É claro que não fica a perfeição dos detalhes quando o negócio vem em HD, né, mas funciona.

Para você ter uma ideia, se não tivesse uma tecnologia desse tipo, a imagem ficaria só em um quarto da tela, já que aqui tem quatro vezes mais pixels do que o 4K. E se fosse Full HD ficaria num pedacinho ainda menor de tela. Então as fabricantes precisam ter tecnologias de upscalling pra preencher esses pixels excedentes.

Explicando de uma forma bem simplista, com o 8K, você pode chegar bem pertinho da tela e não vai ver os pixels, e é por isso que você consegue colocar uma TV 8K de 65 polegadas a uns 2 a 3 metros de distância do seu sofá e não sentir desconforto na hora de assistir. São 33 milhões de pixels, ou seja, quatro vezes mais que as TVs 4K, então fica cada vez mais difícil ver os pixels na tela.

ÁUDIO

O som da Q900R é bem decente e equilibrado, dando clareza aos sons. Mas não dá pra esperar muito dos graves, então se você gosta de ver uns filmes de pancadarias, por exemplo, é melhor investir em uma sound bar. Mas assim, você já gastou, no mínimo, R$ 23 mil na TV, então...

CONCLUSÃO

O resumo da ópera é que se você tem muito dinheiro, vai na fé que você não vai se arrepender de investir em uma TV como essa. Mas nós, mero mortais, ainda não temos motivo para gastar tanto dinheiro em uma 8K que sequer tem conteúdo nativo disponível. É só dar um passeio pelo mar de opções 4K que estão disponíveis com preços um pouco mais acessíveis.

Eaí, o que você achou dessa preciosidade da Samsung? Se tivesse com a grana no bolso você encararia essa 8K?

Este anúncio desaparecerá em:

Ir para o site