Home > Notícias

Depois de três meses, Microsoft desiste de comprar o Yahoo

Vencida pelo cansaço empresa comunicou, na noite do sábado (03/05), que desistiu da fusão com a empresa de internet de Jerry Yang.

IDG News Service/EUA

04/05/2008 às 4h26

Foto:

A Microsoft desistiu da tentativa de comprar o Yahoo no sábado (03/05) encerrando um período de três meses de negociações, na tentativa de ganhar força no mercado de publicidade online contra o Google.

"Nós continuamos a acreditar que nossa proposta de aquisição faria sentido para a Microsoft, o Yahoo e o mercado como um todo. Nosso objetivo em insistir em uma combinação com o Yahoo era oferecer uma melhor escolha e inovação no mercado e criar um valor real para nossa perspectiva aos acionistas e funcionários", declarou Steve Ballmer, Chief Executive Officer (CEO) da Microsoft em um comunicado distribuído na noite de sábado.

> Saiba mais sobre o caso Microsoft x Yahoo

Na sexta-feira (02/05) a Microsoft mostrou-se disposta a negociar com o Yahoo e chegou a elevar sua proposta inicial em cerca de 5 bilhões de dólares, ou 33 dólares por ação - o preço anterior por ação era de 29,30 dólares. No entanto, a gigante de software não conseguiu convencer o Yahoo a reconsiderar a proposta, já que a empresa de internet havia estabelecido 37 dólares por ação como um valor justo.

"Após uma avaliação cuidadosa, acreditamos que a economia demandada pelo Yahoo não fazia sentido para nós, e era do interesse dos acionistas da Microsoft, de seus funcionários e outros investidores retroceder em nossa proposta" disse Ballmer.

Em reposta à retirada da Microsoft, o Yahoo enviou um comunicado reiterando sua posição de que a oferta da Microsoft ainda era muito baixa, e dizendo que muitos acionistas do Yahoo concordavam com este posicionamento.

"O Yahoo é lucrativo, tem crescido e executado bem seu plano estratégico de captar as melhores oportunidades no relativamente jovem mercado de publicidade online" comentou Roy Bostock, chairman do conselho do Yahoo, em um comunicado.

Jerry Yang, CEO do Yahoo, afirmou que "com a distração da proposta não-solicitada da Microsoft agora deixada para trás", o Yahoo pode dar continuidade à "mais importante transição de sua história."
++++
Anunciada há três meses, a proposta de aquisição do Yahoo pela
Microsoft, avaliada em 44,6 bilhões dólares no dia 1º de fevereiro,
caiu para 42 bilhões por conta da desvalorização das ações da Microsoft
após a oferta.

No início de sua ofensiva, o conselho da Microsoft parecia confiante
em relação ao negócio, mas as recusas do Yahoo argumentando que a
proposta estava abaixo de um valor ideal esfriaram a negociação.
Enquanto isso, a empresa de internet buscava alternativas para driblar
a fusão, incluindo uma aliança com o Google.

Todos os envolvidos na negociação estavam esperando que a Microsoft anunciasse, até a última sexta-feira, seu próximo passo na busca pela fusão, ainda sem sucesso até o último sábado (26/04), prazo final estabelecido pela Microsoft para chegar a uma decisão sobre o negócio.

A Microsoft permaneceu em silêncio na última semana elevando suspeitas de que partiria para uma aquisição hostil, por meio de executivos especialmente nomeados para o conselho do Yahoo. Entretanto, na tarde de sexta-feira (02/05) fontes anônimas citadas pelos jornais The Wall Street Journal e The New York Times informaram que a Microsoft e o Yahoo haviam finalmente decidido negociar de forma amigável os termos de uma fusão.

Finalmente, parece que a diretoria da Microsoft foi vencida pelo cansaço diante da resistência e das demandas do Yahoo e decidiu que partir para uma oferta hostil seria um processo árduo e sujo.

"Esta abordagem envolveria necessariamente uma competição hostil. Nossas discussões  nos levaram a concluir, neste ínterim, que vocês tomaram medidas para tornar o Yahoo indesejável a uma aquisição pela Microsoft" escreveu Ballmer em uma carta enviada a Jerry Yang no sábado.

Tags

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail