Home > Dicas

Fique ligado no que as crianças fazem ao usar a internet

Não se trata de invadir a privacidade delas, mas evitar que acessem conteúdos inadequados ou fiquem expostas a outros riscos.

Lincoln Spector, PC World/EUA e Monica Campi, PC World (Brasil)

08/06/2009 às 14h32

Child_protection_ilustra150.jpg
Foto:

child_protection_ilustra150.jpg

A questão da privacidade online envolve uma série de discussões sobre quem tem - e se tem - o direito de saber o que se faz quando se usa a internet, o correio eletrônico, que sites visita, quando faz isso e tudo o mais, tanto no ambiente corporativo quando na vida privada do internauta. Porém, quando o usuário em questão é uma criança, as coisas mudam de perspectiva.

Embora sejam recursos muito apreciados, as funcionalidades de navegação privada de  navegadores como o Internet Explorer e o Firefox que possibilitam ao usuário não deixar rastros na internet, elas se tornam um problema sério quando tudo o que se quer é proteger uma criança dos malefícios potenciais da web.

Nessa situação, o que pais e responsáveis por menores precisam é de ferramentas que são conhecidas por Controle de Pais (ou Parental Control). Elas trabalham em conjunto com o browser para registrar o que a criança faz quando está online, bloquear conteúdos indesejados e ainda fazer um relatório da navegação web para posterior conferência.

Contar ou não contar
Mas antes começar a monitorar o que seus filhos fazem no computador, é preciso decidir se irá contar ou não a eles que está fazendo isso. É provável que algumas crianças não gostem da idéia de seus pais ou responsáveis saberem de todos os seus passos online. Mas não avisar pode azedar ainda mais a situação caso eles venham a descobrir.

O melhor é abrir o jogo e ouvir suas queixas. Faça-os participar do processo e entender que não se trata de simples invasão de privacidade deles e sim de uma ação preventiva que tem como objetivo protegê-los.

Tal atitude também servirá de aviso e é bem provável que as crianças se policiem quanto ao acesso de conteúdos inadequados.

Dito isso, é bom saber que alguns aplicativos fazem bem esse o trabalho de monitoramento.

Como fazer
O monitoramento do acesso e bloqueio a determinados sites pode ser feito com o próprio sistema operacional ou por intermédio de ferramentas de terceiros.

Para quem utiliza os sistemas operacionais Windows XP e Vista, saiba
que o próprio sistema operacional oferece recursos para controle do uso
do computador por determinados usuários.

Para isso, é necessário que o PC em questão, desktop ou notebook, tenha uma conta com perfil de administrador (que será usada pelos pais ou responsáveis) e pelo menos uma outra conta padrão (limitada) de acesso ao sistema, que será utilizada pela criança de se deseja monitorar.

Vista: Usuários das versões Starter, Home Basic,
Home Premium e Ultimate do Vista contam com uma função de monitoramento específica chamada Controle dos Pais (ou
Parental Control).

Para ativá-la abra o menu Iniciar, vá em Painel de Controle, Contas de Usuário e clique em Configurar Controle dos Pais. Clique na conta de usuário padrão a qual você deseja definir o controle, e clique em Ativar.

Depois de ativada, você pode configurar individualmente cada área: Restrições da Web (bloquear sites, filtrar conteúdos, permitir downloads), Limites de Tempo (determinar um horário para acesso e desconexão), Jogos (tipos de conteúdos e bloquear jogos) e Permitir ou Bloquear Programas Específicos.

Windows XP: Diferentemente do Vista, o Windows XP não oferece uma ferramenta dedicada para esse tipo de monitoramento. Este é um dos motivos que levam muitos
pais a adotarem softwares de terceiros para tal tarefa.

Mas é possível alterar
configurações dos utilitários para controlar melhor o acesso das
crianças. Para isso você precisa ter uma conta de administrador.

No Internet Explorer, selecione Ferramentas, Opções da Internet. Clique na aba Conteúdo e no campo Supervisor de Conteúdo pressione o botão Ativar. Isso abrirá a janela do Supervisor de Conteúdo, exibindo
quatro categorias já determinadas. Selecionando cada uma delas, basta
arrastar o controle deslizante para definir o nível de classificação de
cada um.

Ainda na mesma janela, clique na aba Sites Aprovados. Então manualmente copie e cole os sites que quer bloquear e os que quer permitir acesso. Já na aba Geral,
você pode criar uma senha de supervisor, para ter um controle mais
efetivo e seguro das configurações feitas no Supervisor de Conteúdo.

Aplicações terceirizadas: Caso prefira experimentar um ferramenta de controle diferente, vale a pena conhecer o novo aplicativo da Symantec, chamado OnlineFamily Norton (em inglês, mas fácil de configurar e usar). Este programa inclusive não permite que você esconda o fato de que seus filhos estão sendo vigiados.

child_protection_350.jpg

Caso tentem visitar um site que tenha sido definido como bloqueado, um aviso irá surgir e será dada a oportunidade de escrever uma mensagem a quem definiu o bloquei e até negociar o acesso.

A ferramenta da Symantec oferece a opção de monitorar o uso da web e, se o responsável permitir, deixar o aplicativo apenas alertar o internauta de que tal endereço é inapropriado, mas permitir seu acesso.

O OnlineFamily pode também bloquear alguns itens de busca, monitorar mensagens instantâneas e controlar quanto tempo seus filhos podem ficar no computador. Você pode monitorar a atividade deles pelo website do programa ou ser alertado por e-mail.

Até o fim de 2009, o uso do OnlineFamily Norton será gratuito. A Symantec não informou se irá cobrar pela usa utilização a partir daí.

Tags

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail