Home > Dicas

Quando, como e porque atualizar o firmware do seu PC ou eletrônico

Atualizar estes componentes de software pode ser tão importante quanto perigoso; entenda o porquê e como fazer isso direito.

David Murphy, da PC World/EUA

01/07/2009 às 10h03

Firmware_150.jpg
Foto:

firmware_150.jpgDiga a palavra firmware a um usuário comum de PC e provavelmente você receberá de volta uma cara de interrogação.

Mas esse conceito não é assim tão difícil de compreender e, de posse desse conhecimento, poderá incrementar rapidamente seu computador e outros dispositivos, tornando-os mais rápidos, estáveis e seguros e até dar a eles funcionalidades que não estavam previstas quando o equipamento foi produzido.

Mas afinal o que é o firmware? Trata-se de um conjunto de instruções fixas que um determinado hardware possui e que fica armazenado nas PROM e EPROM do dispositivo (siglas em inglês para memória somente leitura programável e memória somente leitura apagável), ou seja, apenas de leitura e não volátil - ela não se perde quando o equipamento é desligado.

É análogo a um driver incluso em algum equipamento ou periférico, fornecendo informações idênticas ao hardware toda vez que você o liga. Apesar de ser possível modificar a interação do hardware com o sistema operacional por meio de drivers de software, algumas funções mais básicas de um dispositivo continuam constantes e inalteráveis. Isso é um firmware.

Contudo, existem situações em que o firmware, "inalterável, pode sim ser trocado. Isto é possível por meio de aplicativos da fabricante do dispositivo; são pequenos programas carregam novos firmwares no dispositivo em questão para ampliar seu leque de recursos, vida útil ou desempenho, assim como corrigir erros importantes.

Conceito amplo
Vale ressaltar que o firmware não está apenas a PCs. Você pode (e deve) atualizar o firmware em dispositivos externos como NAS, assim como roteadores sem fio e tocadores de mídia portáteis. Você pode até atualizar o firmware em seu telefone dependendo do modelo (é assim que o iPhone é hackeado – e como a Apple tenta evitar isso, uma vez que as atualizações da fabricante sobrescrevem o firmware que foi destravado).

Outros eletrônicos também podem se beneficiar de updates de firmware: o Xbox 360, da Microsoft, ganhou suporte nativo a resolução HD em 1080p e uma nova interface por meio de um único download.

O que fazer
A frequência de atualização de firmware varia de acordo com o produto e seu fabricante. Apesar de ninguém dever esperar por novidades semanalmente, é bom que você realize uma busca para atualizações de firmware para todos os dispositivos de seu PC pelo menos trimestralmente. Ou ficar atento a alertas que os próprios fabricantes costumam divulgar, recomendando uma atualização específica.

Apesar disso, os fabricantes ressaltam que se deve ignorar atualizações de firmware a não ser que o equipamento em questão esteja com problemas de hardware. Mas recomendamos que você trabalhe com seu hardware sempre com o firmware mais atual que achar, uma vez que uma melhor estabilidade (assim como o potencial de ganhar novos recursos) vale a pena.

A não ser que você saiba exatamente o que está fazendo (e esteja disposto a correr os riscos inerentes ao que fizer), não recomendamos utilizar firmware de terceiros, como é o caso do iPhone hackeado de que falamos. O processo de instalação dele não costuma ser tão simples, estão mais suscetíveis a problemas e corre-se o risco de você perder a garantia do produto ou até deixá-lo inutilizados.

Benefícios de um novo firmware

O que você pode atualizar com um novo firmware? Varia. Alguns dispositivos não recebem nenhuma atualização de firmware ao longo de sua vida – o processador, por exemplo, se beneficia das atualizações da placa-mãe, mas não são atualizáveis.

Componentes como discos rígidos e drives ópticos estão abertos a updates, mas as fabricantes tendem a não liberar atualizações a não ser para corrigir um problema específico e desastroso.

Foi o que aconteceu com a Seagate e o lançamento de seu HD Barracuda 7200.11 1.5TB: usuários reclamaram de travamento e pausas intermitentes ao acessar o disco, e a fabricante soltou um firmware para corrigir o problema.

Na prática, você verá o real significado de atualizar o firmware em três áreas: placa-mãe, dispositivos de rede e aparelhos de mídia portáteis. Em todos eles, o upgrade pode fornecer acesso a recursos e estabilidade extras.

Pode-se, por exemplo, aumentar a habilidade (e estabilidade) de overclock da motherboard, integrar utilitários avançados como os downloads do BitTorrent ao dispositivo de armazenamento em rede ou, no caso de um iPhone, melhorar o tempo de resposta e intensidade do sinal. Atualizar o firmware pode não revolucionar sua experiência digital, mas vai melhorá-la, e pode ser algo necessário para novos updates de driver ou compatibilidade extra.

Cuidados a tomar
Antes de você abrir seu mecanismo de busca favorito e sair baixando todo firmware que encontrar pela frente, é importante considerar alguns pontos.

Para iniciantes, apesar de atualizar firmware não ser tão difícil assim, é bom saber que ao fazer isso pode-se causar danos enormes ao equipamento caso as instruções dos fabricantes não seja seguidas.

Não se trata, aqui, de um driver de um dispositivo – que se pode desinstalar e reinstalar num minuto. Retornar o firmware para seu estado original é muito mais difícil.

Cheque, confirme de novo e verifique mais uma vez se você está mexendo com o firmware correto para seu dispositivo. Algumas empresas tornam isso fácil – conecte seu iPhone no computador, por exemplo, e a Apple automatiza o processo para você.

01.jpg

Outras empresas, como fabricantes de placa-mãe, podem obrigá-lo a fuçar pelos menus drop-down de todos os seus produtos para localizar números de identificação.

A maioria dos dispositivos não vai permitir que se instale um firmware de produto diferente, mas a última coisa que você vai querer fazer é dar um ‘flash’ em seu eletrônico – expressão técnica que quer dizer atualizar o firmware – com o arquivo errado.

Por fim, atualização de firmware funciona como uma reinicialização de seu dispositivo. Apesar de alguns utilitários de ‘flash’ darem a opção de salvar e restaurar suas configurações antes e depois da atualização, uma atualização típica de firmware reverte o eletrônico para seus parâmetros de fábrica.

02.jpg

Esse pode até não ser o maior problema para o usuário mediano, mas se você gastou um baita tempo mexendo em configurações de rede em seu roteador, com certeza vai querer salvar esses parâmetros antes de qualquer atualização.

A não ser que seu roteador ofereça algum tipo de funcionalidade de backup (verifique nos manuais), você deve copiar suas configurações (tais como porta, controle de acesso, rede sem fio, encaminhamento) em um documento de texto.

Como atualizar o firmware
O grau de facilidade para dar um ‘flash’ de firmware de um determinado equipamento vai depender do tipo do dispositivo e da gentileza do seu fabricante. Alguns cenários estão ilustrados aqui, mas a técnica específica que você vai usar depende daquilo que o desenvolvedor fornece.

A forma mais fácil de atualizar o firmware de sua placa-mãe é usando o aplicativo de ‘flash’ do fabricante baseado em Windows, que toma conta de todo o processo. Se existe um programa para isso - e é provável que sim -, siga atentamente as instruções que ele lhe der.

Caso o fabricante não ofereça o programa, talvez ofereça um CD bootável na forma de um arquivo .iso (uma imagem em CD ou DVD). Há uma boa chance de que ao clicar duas vezes no arquivo, seu programa de gravar discos se abra e peça para que você insira um CD.

03.jpg

Por outro lado, se o Windows não sabe o que fazer com o arquivo .iso, baixe e instale o aplicativo freeware ImgBurn, e clique duas vezes no arquivo. Reinicie o computador com o CD recém-gravado no drive óptico; o processo de ‘flash’ do firmware deve começar em instantes.

Infelizmente, nem todos os fabricantes fornecem algo fácil de usar. Alguns entregam somente um utilitário baseado em DOS que você deve rodar a partir de um disco flexível bootável. Depois que você preparar o disquete, reinicie o PC com o disco no drive, rode o utilitário de ‘flash’, remova o disco e reinicie de novo.

Donos de computadores mais novos deve estar se perguntando: “Que disquete flexível?”. Se gastar dinheiro com um drive extra para disquete apenas para atualizar o firmware não está nos seus planos, você vai ter que ser criativo se quiser que o update funcione.

No lugar de um disquete, você terá que criar um flash drive bootável. Para tanto, baixe um utilitário chamado USB Disk Storage Format. Você também vai precisar do arquivo HPUSBFW_BOOTFILES.zip. Talvez seja possível achá-lo no 4shared; caso contrário, digite o nome em algum site de busca.

Descompacte o arquivo e rode o utilitário. Escolha seu drive flash como dispositivo e opte por formatá-lo como um sistema de arquivos FAT32. Clique na caixa de seleção que diz Create a DOS Bootable Disk e escolha a pasta com os itens descompactados do arquivo HPUSBFW_BOOTFILES.zip. Depois, arraste e solte os arquivos que a fabricante quer que fiquem no disco bootável.

04.jpg

O flash drive está pronto para dar boot, mas e seu PC, também está? Para descobrir, deixe o flash drive conectado enquanto você reinicia o PC. Se o Windows abrir normalmente, você vai ter que dizer ao computador para iniciar a partir do flash drive.

Para fazer isso, reinicie o PC e espere por uma mensagem na tela (será uma das primeiras coisas a aparecer), dizendo qual tecla apertar para acessar o menu de inicialização do PC, ou qual tecla acessa o setup.

Pressione a tecla indicada imediatamente. Se você chegar ao menu de boot, configure-o para iniciar a partir das portas USB. Se você tiver acessado o setup, vá até a seção chamada Boot Options ou Boot Order; lá, certifique-se de que os dispositivos USB estão listados prioritariamente em relação ao HD na ordem de boot. Salve as configurações e reinicie o PC.

Quando você der boot pelo flash drive, fique de olho na tela – você pode precisar apertar uma tecla em seu teclado para ativar a inicialização a partir do USB.

Felizmente, dispositivos NAS, roteadores e dispositivos móveis são bem mais fáceis de atualizar do que placas-mãe. Na maioria dos dispositivos de rede, por exemplo, você só precisa acessar a tela de configuração do aparelho digitando o endereço de IP em seu navegador.

Uma vez lá, você já pode localizar a opção de atualização de firmware na tela; provavelmente, ela estará acompanhada por um grande botão de navegação. Clique nele, escolha o arquivo de firmware que você baixou e clique para atualizar. Não podia ser mais simples.

Tags

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail