Home > Notícias

Foxconn nega greve na China e garante produção normal do iPhone 5

No final da semana passada, grupo trabalhista China Labor Watch havia informado que até 4 mil funcionários haviam paralisado linhas de produção do smartphone

Macworld / EUA

08/10/2012 às 11h24

Foto:

A Foxconn se pronunciou nesta segunda-feira, 8/10, negando as informações de que seus funcionários na China haviam entrado em greve na última sexta. Segundo a companhia de Taiwan, as únicas perturbações aconteceram no início da semana passada e foram solucionadas rapidamente.

No entanto, o grupo de direitos trabalhistas China Labor Watch afirma que as questões ainda não foram resolvidas. De acordo com um analista do grupo, as fábricas da empresa na China enfrentam não apenas problemas trabalhistas, mas também com a abordagem geral de produção e atenção global às suas práticas.

A declaração da Foxconn chega após o China Labor Watch informar que entre 3 mil e 4 mil trabalhadores da empresa na região chinesa de Zhengzhou entraram em greve na semana passada, causando a interrupção de algumas linhas de produção do iPhone 5. 

As causas para a paralisação seriam os controles de qualidade maiores, assim como um pedido para trabalhar durante um feriado nacional no país asiático.

Veja também:

- Review: iPhone 5 é o próximo passo na evolução dos smartphones

iphone5_435

A Foxconn, em sua própria defesa, alega que os funcionários que trabalharam no feriado fizeram isso de forma voluntária e receberam pagamentos três vezes maior do que o valor normal por hora. A companhia também afirma que os únicos problemas com os trabalhadores ocorreram em 1 e 2 de outubro e foram “Imediatamente resolvidos e as medidas tomadas, incluindo fornecer equipes adicionais para as linhas de produção em questão”, de acordo com informações da Reuters.

Além disso, a Foxconn afirma que as informações das greves são imprecisas e que o trabalho não parou na unidade de Zhengzhou ou qualquer outro local. “A produção continua conforme o planejado”, informa o comunicado.

Vale notar que as unidades chinesas de produção da Foxconn já tiveram problemas. No mês passado, 2 mil trabalhadores se rebelaram em uma fábrica na cidade de Taiyuan após o que os funcionários descreveram como “comportamento agressivo” dos seguranças do local.

Tags

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail