Home > Notícias

Gartner afirma que iPhone 3G não é tão seguro para empresas

Sem ter sido testado no meio corporativo, portátil é seguro apenas para e-mail e Exchange, diz consultoria.

Computerworld/EUA

12/06/2008 às 12h06

Foto:

Mesmo lançado com mais ferramentas de segurança, que permitem o acesso seguro a redes de comunicação corporativa, não quer dizer que o iPhone 3G oferecerá a mesma qualidade de aplicativos internos dos típicos PCs, é o que afirma a empresa de análises Gartner, que já fez um relatório anterior sobre o iPhone para empresas.

Após o anúncio do novo iPhone 3G, esta semana, o analista Ken Dulaney, da Gartner, disse que a segurança do aparelho ainda não foi testada nas empresas. A atualização poderá fazer com que o portátil tenha a mesma proteção que os PCs.

Mais sobre o novo iPhone:
> Brasil: iPhone só no fim do ano
> SDK ganha recursos de localização
> iPhone já é sucesso no Brasil
> Samsung lança rival do iPhone
> Fotos: novos celulares 3G no País
> Conheça os rivais do iPhone

O analista aconselha que talvez seja melhor para as companhias considerarem o acesso a apenas alguns aplicativos do celular, como Exchange e e-mail do servidor.  

Dentre as atualizações mais significativas está o suporte da tecnologia IPSec VPN, da  Cisco Systems, que irá oferecer, a partir de uma base IP codificada,  uma conexão mais segura aos iPhones utilizados nas empresas. O novo hardware-software suporta wireless através de uma versão corporativa: o protocolo Wi-Fi Acess 2 com autenticação 802.1 X. O aparelho irá oferecer um serviço remoto que apaga todos dados em casos de furto.
++++
Quando o produto foi anunciado, Bob Borchers, diretor-sênior da linha de negócios de iPhone da Apple, disse que as capacidades de segurança do novo iPhone serão suficientes para serem adotadas pelas companhias. Segundo ele, tanto a versão do iPhone 3G como a 2.0 atraíram o interesse de oito dos grandes bancos norte-americanos.

O analista da Gartner John Pescatore afirma que o iPhone ainda não oferece o mesmo nível de segurança que o BlackBerry ou Windows Mobile. Segundo ele, faltam softwares como antivírus e ferramentas criptografadas.

Como a presença do iPhone ainda é relativamente pequena nas empresas, ainda não foram feitos testes de vulnerabilidade para ataques a vírus e invasões.

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail