Home > Notícias

Google acusa China de bloquear Gmail no país

Gigante de buscas acusa governo chinês de arquitetar bloqueios de um jeito que pareça que a origem do problema está dentro da Google.

IDG News Service/Pequim

21/03/2011 às 13h31

Foto:

A China está bloqueando o Gmail no país com métodos que
fazem parecer com que a causa esteja dentro da Google, afirmou a gigante de
buscas nesta segunda-feira (21/3).

Nas últimas semanas, os usuários da Internet na China têm
reclamado sobre as enormes dificuldades enfrentadas no acesso ao Gmail,
alertando em microblogs que o serviço está ou lento, ou inacessível.

A Google afirmou que o responsável pelos
problemas de acesso é o governo chinês.

“Da nossa parte, não há questões técnicas. Nós fizemos uma
verificação ampla”, disse um porta-voz da Google. “Este é um bloqueio
governamental projetado cuidadosamente para fazer parecer com que o problema
está no Gmail.”

Os recentes problemas com o acesso ao Gmail não podem ser
considerados como interrupção significativa, de acordo com o relatório de
tráfego online da Google. Isso porque os bloqueios são intermitentes e de pouco
alcance.

O bloqueio do Gmail coincide com os recentes esforços da
China de suprimir qualquer menção à “Revolução de Jasmim”, que começou com uma
conclamação online ao povo chinês para que protestasse contra o governo.

Intimidação
A China bloqueia conteúdo politicamente sensível, mas
especialistas dizem que os censores do governo apertaram seus controles na web
nas últimas semanas. A palavra “Jasmim” e os termos relacionados a protestos
antigoverno no Oriente Médio não podem mais ser buscados nos microblogs do
país. A resposta da China incluiu também a prisão de ativistas, a intimidação de jornalistas estrangeiros e o destacamento de grandes forças policiais para
prevenir protestos.

O Gmail já enfrentou problemas na China. A Google disse que
em dezembro de 2009 um ciberataque com origem na China tentou a infiltração e o
acesso de contas do Gmail mantidas por ativistas de direitos humanos.

Analistas dizem que a recusa da Google em colaborar com a
censura chinesa tem sido uma das razões da baixa penetração da empresa no
mercado local. A Google atualmente tem uma fatia de 19,6% do mercado de motores
de busca, bem menos que os 35% do fim de 2009, de acordo com a empresa de
pesquisas Analysis International. No passado, a Google chegou a afirmar que a
censura praticada pela China na Internet era um obstáculo ao comércio.

Outras mídias sociais, como Twitter e Facebook, também têm
sido bloqueadas. Como resultado, os usuários chineses migraram para sites
locais de mídia social que obedecem às regras estritas de censura do país.

Tags

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail