Home > Notícias

Governo chinês reafirma política de controle da Internet

Em documento oficial, autoridades citam liberdade de expressão, mas ressaltam necessidade de impedir a divulgação de informações "ilegais".

IDG News Service

08/06/2010 às 9h17

Foto:

Um informe oficial do governo chinês, divulgado nesta terça-feira (8/6), elogiou a Internet por melhorar o acesso à informação, no entanto, reafirmou a necessidade de políticas que visem controlar o acesso a web no país.

Considerada pelo documento como "uma das grandes invenções científicas do século 20", as autoridades chinesas observaram o impacto positivo que a Internet teve sobre a economia, política, cultura e sociedade. Além disso, reafirmou o compromisso de longa data para promover o uso como um meio para acelerar o desenvolvimento econômico e melhorar a vida dos cidadãos daquele país.

O informe ainda destaca as garantias legais na constituição chinesa que protegem a liberdade de expressão, dizendo que blogs, serviços de microblog, sites de compartilhamento de vídeo e quadros de avisos eletrônicos criam  "um espaço mais amplo" para os cidadãos compartilharem suas idéias e que o apoio do público para sites do governo permite aos usuários registrar queixas contra a corrupção, por exemplo.

Embora a liberdade de expressão figure com destaque, ele também cita a necessidade contínua de tecnologia para impedir a divulgação de informações "ilegais". Por isso, o governo precisa recorrer a medidas legais e técnicas para evitar a propagação de informações que possam prejudicar a segurança nacional, perturbar a ordem pública ou prejudicar os menores, informou, acrescentando que os prestadores de serviços também deve ser responsáveis pela gestão de tais conteúdos.

A China tem a maior população mundial de usuários da Internet, mas, também, é  o país com os sistemas mais sofisticados para a regulação do acesso à informação. Por lei, os filtros emportais, sistemas de busca de blogs e sites de hospedagem são necessários para monitorar e remover o conteúdo que o governo considera indesejável. Este tipo de informação geralmente inclui pornografia, mas também pode insere temas politicamente sensíveis, tais como discussões sobre a independência de Taiwan e Tibet, bem como Falun Gong, um grupo chinês banido.

No final de 2009, a taxa de penetração da Internet na China foi de 29%, disse o informe oficial, estabelecendo uma meta de elevar esse número para 40% no prazo de 5 anos.

A China também regularmente bloqueia o acesso a sites estrangeiros, incluindo páginas de notícias, redes sociais, entre outros.

Intitulado de "Situação da Internet na China", o informe oficial foi publicado pelo Conselho de Informação do Estado local. Uma cópia do documento (em chinês) foi divulgada online pelo portal Sohu.com.

Tags

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail