Home > Notícias

Quanto vale seu computador velho?

Seu computador usado pode valer uns trocados ou ser objeto de uma boa ação

Fernanda K. Ângelo

15/07/2005 às 11h08

Foto:

Seu computador usado pode valer uns trocados ou ser objeto de uma boa ação

Processador Pentium 4, HD de 80 GB, 512 MB de memória... Seu novo PC põe no chinelo o equipamento antigo. Depois da satisfação da nova compra, no entanto, vem a dúvida: o que fazer com o micro velho? Nada de deixar o equipamento antigão juntando poeira ou jogá-lo no lixo. Se você não tem para quem repassar nem planos de usá-lo em outro cômodo da casa, saiba que é possível encontrar um destino muito mais nobre – e ecologicamente correto – ou ganhar uns trocados. 

Os grandes fabricantes de computadores, como Dell e HP, ainda não estabeleceram políticas de recolhimento de equipamentos no Brasil como fazem nos Estados Unidos. Mas há no País outras empresas que compram, remanufaturam e revendem computadores. É o caso da Planac. Além de comercializar PCs novos, a empresa paulista monta e comercializa o PC Gol Remanufaturado. Jair Martinkovic, diretor da companhia, conta que a idéia surgiu diante do volume de máquinas usadas recebidas como parte do pagamento de clientes na hora de renovar seus parques instalados. Hoje, a empresa também aceita computadores, monitores, notebooks, impressoras, multifuncionais, estabilizadores e nobreaks de pessoas físicas como parte do pagamento de um novo item. “A única exigência é que estejam em condição de uso”, diz Martinkovic. Para estimar quanto vale seu equipamento usado, a empresa incluiu em seu site a seção Avalie Seu PC. Martinkovic conta que, em média, a empresa paga de 200 reais a 300 reais por computadores com processador entre 250 e 300 MHz.

Leilões virtuais também são uma alternativa.  Mas é preciso cuidado. O ideal é entrar em contato com o comprador e combinar a forma de pagamento mais segura para ambos. Se as duas partes estiverem na mesma cidade, um encontro pessoal pode valer a pena. Caso contrário, o serviço Sedex a Cobrar é uma alternativa interessante. Nesta modalidade, a agência dos Correios só entrega o produto mediante o pagamento do valor indicado pelo remetente na ocasião da postagem. Depois de ser notificado, o vendedor vai à agência e retira o dinheiro. Outra oportunidade é anunciar nas seções de classificados de jornais e revistas. Além dos veículos de grande circulação, o jornal Primeiramão traz espaço para anúncios de produtos de informática de segunda mão.

Inclusão digital
Fazer boa ação é outra honrosa possibilidade. PCs são itens de valor inestimável para instituições de apoio a crianças, jovens e adultos carentes. A Fundação Pensamento Digital, parceira da Dell, por exemplo, retira os equipamentos nas residências dos doadores e os oferece para projetos sociais de inclusão digital. A entidade atua nas cidades de São Paulo, Brasília e Porto Alegre.

A ONG sem fins lucrativos CDI (Comitê para Democratização da Informática) promove a inclusão social por meio da tecnologia da informação em EICs (Escolas de Informática e Cidadania) em quase todo o País e no exterior. São quase mil EICs no Brasil, que dependem de doações. As máquinas oferecidas à instituição precisam ter no mínimo chip Pentium I e disco de 500 MB. Segundo Sheila Dunaevits, assistente de comunicação do CDI, a instituição já formou mais de 600 mil pessoas em cerca de dez anos de atuação. Além de comunidades carentes, a ONG ajuda pessoas com distúrbios mentais e comportamentais, deficientes e populações carcerárias e indígenas.

As doações também são bem-vindas no Exército da Salvação. Milka Santos, secretária da entidade em São Paulo, conta que a obra social possui divisões focadas em diferentes públicos que necessitam de computadores. São abrigos para adolescentes grávidas e centros de atendimento a crianças e adolescentes de rua em conflito com a lei, entre outros. “Todos eles contam com uma oficina de informática”, explica. O Exército da Salvação retira as doações no local de preferência do doador na cidade de São Paulo.

Nem vender nem doar
Outra dica é aproveitar componentes do PC velho para incrementar outro

Você decidiu trocar o computador, mas não quer se desfazer do antigo? Uma opção é reutilizar alguns de seus componentes. Quem dá a dica é Ricardo Shiroma, gerente de produtos Dimension e Latitude da Dell Brasil. Segundo ele, o usuário brasileiro demora mais para trocar a máquina, e o equipamento fica obsoleto e com pouco valor comercial. Daí a idéia de aproveitar os componentes. Shiroma alerta porém, que pelo mesmo motivo, alguns itens podem ser incompatíveis com os novos computadores. “Um padrão de memória dura entre um e dois anos”, exemplifica. Os leitores e gravadores de CD e DVD, por outro lado, normalmente podem ser aproveitados. O disco rígido também. Mas o reaproveitamento só compensa quando o proprietário da marca tem bons conhecimentos técnicos e pode fazer as instalações por conta própria. “Contratar alguém pode não valer a pena”, aconselha.

EntidadeÁrea de atuação
DoaçãoCDITodo o Brasil*
Exército da SalvaçãoSão Paulo capital
Fundação Pensamento DigitalPorto Alegre, São Paulo e Brasília
VendaPlanacSão Paulo capital**
Jornal Primeiramão
* Exceto Acre, Rondônia, Roraima, Amapá, Mato Grosso, Tocantins e Piauí
** A empresa não faz a retirada. Os equipamentos antigos são aceitos como parte do pagamento na troca por outro

Tags

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail