Home > Dicas

Guarde dados com segurança

Razões para temer a falha de um disco óptico não faltam, principalmente quando o disco rígido falha. Saiba como manter a vida útil do seu CD ou DVD por muitos anos.

Melissa J. Perenson

18/07/2005 às 16h29

Foto:

Queimar um disco é um processo simples, não? Em alguns minutos, os dados desejados vão do disco rígido para o CD ou DVD. Entretanto, o processo de copiar informações para uma mídia óptica é bastante complexo que depende tanto da qualidade do gravador e da mídia escolhida. Um probleminha qualquer com um deles pode afetar a qualidade do seu disco e a integridade dos dados gravados.

Razões para temer a falha de um disco óptico não faltam, principalmente quando o disco rígido falha. Se sua cópia de segurança estiver com problemas, dados únicos podem se perder para sempre - de fotos de família a informações importantes da sua empresa.

Antes de tudo, procure comprar mídia de qualidade. É impossível evitar armadilhas, ainda mais com discos baratos à venda em todo lugar. "Não existe fim para as variáveis que contribuem para a qualidade da mídia", diz Fred Byers, do Instituto Nacional de Padrões e Tecnologias dos Estados Unidos. Não dá para garantir que seu disco vai durar pela eternidade, mas seguir os passos abaixo ajuda a preservar as informações por mais tempo e minimizar os riscos.

Tenha certeza que gravou certo
Verifique os dados após a gravação. Sim, é um processo simples, porém lento e chato. E também é o primeiro passo na defesa da garantia dos dados gravados. Os pacotes de software de gravação de CDs mais populares, incluindo o Nero 6 Ultra Edition, da Ahead Software, e o Easy Media Creator 7, da Roxio, podem verificar os dados. O processo verifica bit por bit e compara com a informação original no disco rígido. "Se você fez a verificação após queimar o disco e o processo foi bem-sucedida, esse é o seu melhor meio de proteção a ser utilizado", explica Robert DeMoulin, gerente de produtos da Sony Electronics.

Mesmo se o disco não tem nenhum problema após a verificação, é recomendável fazer uma nova checagem por erros. Nem todos os gravadores de CD ou DVD são capazes de fazer isso, pois depende do chip set utilizado. Entretanto, os drives mais recentes dos principais fabricantes fazem isso.

Por padrão, CDs e DVDs têm capacidades embutidas de correção de erros que criam redundâncias de dados para compensar possíveis problemas. A correção de erro é uma função tanto do drive que lê o disco e do próprio disco. Por isso, um determinado disco pode funcionar em um drive e não em outro. Programas como o Nero CD-DVD Speed (incluído no Nero 6) fazem isso, dando informações sobre a qualidade da gravação. E é quase impossível ter um disco sem erros.

O nível de erros mais baixo é C1, mas tanto o drive quanto a mídia com código de correção de erros podem compensar os problemas. De novo, o número de erros depende do drive e da mídia combinados.

Com o tempo, poeira, impressões digitais, arranhões e sujeira afetam o disco durante o uso, e as capacidades de correção de erros começam a ser exigidas demais. Arranhões muitas vezes invisíveis ao olho nu podem tornar o disco ilegível.

Entenda os relatórios de erros
Programas como CD/DVD Diagnostic, K-Probe e Nero CD-DVD Speed criam gráficos mostrando o número de erros em um disco. Se interpretados corretamente, os gráficos podem determinar se o disco tem mais problemas que poderia. O Nero relata o total de erros C1 e C2 no disco e usa o modo de correção de erros. Basicamente, existem duas classes de erros - aquelas que o drive consegue recuperar e aquelas que o drive não consegue recuperar.

Os erros vêm de interrupções no laser de gravação - como marcas de dedos e poeira - ou de falhas na mídia e furos minúsculos na superfície, por exemplo.

É um processo complexo e técnico. Segundo Terry O'Kelly, gerente técnico da Memorex, erros do tipo C1 são pequenos erros ao acaso que podem ser superados pelos códigos de correção de erro. Se os erros são maiores em tamanho ou em frequência, se tornam do tipo C2, gerenciadas pelo decoder específico. Taxa de bloqueio de erros (Block error rate, em inglês, ou Bler) é o número de blocos de dados com erros C1. Os padrões de CD requerem menos de 220 erros por segundo em um intervalo de dez segundos, segundo o especialista.

O software serve então para prever problemas potenciais, mas se lembre que números podem aumentar a confusão - e um pouco de sujeira pode ser o causador do problema.

Teste a mídia...
Software para checagem de erros pode ajudá-lo a aprender algo sobre o disco recém-gravado. Os resultados variam de gravador para gravador. E só porque o software relata um disco cheio de erros o problema nem sempre é da mídia. "O disco não tem nada de errado, o gravador não tem nada de errado. Muitas vezes os dois são incompatíveis", diz O'Kelly.

A recomendação básica é tentar encontrar a mídia ideal para o seu gravador e descobrir qual tem a menor taxa de erros. Na teoria, qualquer disco funciona com qualquer drive, pois seguem padrões. O firmware do drive deve identificar a mídia por meio de um código e, caso a mídia não esteja na lista do firmware, o drive não vai funcionar direito e não vai atingir a velocidade máxima de gravação ou pode gerar um disco cheio de erros.

A maioria dos fabricantes de gravadores publica um lista de mídia compatível em seus sites e até oferecem atualizações de firmware para manter o drive compatível com as mídias mais novas.

... e escolha a melhor
Um passo intermediário é comprar CDs ou DVDs de marcas diferentes para testar em casa ou no escritório. Use os utilitários do Nero ou do CD/DVD Diagnostic para determinar a origem e o tipo de mídia. Grave alguns discos de teste e compare os resultados. Esse método ajuda a escolher o melhor disco para seu drive antes de começar a fazer uma cópia de segurança.

Outra sugestão é gravar em velocidades mais lentas ou rápidas. Essa idéia surgiu alguns anos atrás, com o surgimento da segunda e terceira gerações de gravadores de CD. O padrão para gravação era 1x. "Era lento, mas dava a melhor gravação. Hoje, com a rapidez dos novos drives, uma velocidade intermediária pode ser a ideal", diz DeMoulin, da Sony.

Chris Bailey, gerente de produtos da TDK, lembra que há uma relação entre a alta velocidade de gravação e o número de erros durante o processo. "A taxa de erros é maior em drives mais rápidos, pois a alta velocidade torna mais difícil para o gravador ler a mídia", afirma. É, de novo, uma relação de tentativa e erro.

Finalmente, tome cuidado com o disco
Uma boa gravação pode ser estragada por simples descuido. Se você não quer passar pelo processo de verificar erros, escolha uma marca de confiança e cuide com cuidado dos seus discos. Poeira, marcas de dedos e outros contaminantes podem danificar discos com facilidade, assim como calor e luz ultravioleta.

Mantenha os discos em caixas apropriadas e longe de janelas e fontes de calor. E se você for paranóico, faça duas cópias (em duas marcas de mídia diferentes) e as armazene em locais diferentes. Caso queira mesmo garantir a segurança do seu backup, faça uma cópia extra em outro dispositivo, como um disco rígido externo.

Claro que se é um CD para ouvir no carro, as precauções todas vão por água abaixo. Mas se você quer guardar dados importantes, siga nossos passos e seus dados estarão garantidos por muitos e muitos anos.

Tags

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail