Home > Dicas

Como comprar mídia

Com tantas opções de CDs e DVDs disponíveis, confira um guia sobre os principais formatos e velocidades para escolher a ideal para você antes da próxima compra

Melissa J. Perenson – PC WORLD/EUA

06/09/2005 às 19h55

Foto:

CDSe você já fez alguma pesquisa para comprar mídia óptica, provavelmente ficou um pouco confuso com a grande quantidade de opções disponíveis. Você não pode simplesmente pegar a primeira caixa de discos que encontra pela frente – se não prestar atenção, pode acabar levando uma mídia com o formato errado e a velocidade inadequada ou que está além das suas necessidades. Mesmo quem conhece mídia óptica pode ficar bloqueado com a cacofonia de opções.

Você sabe que a indústria está com um problema quando profissionais experientes admitem que também compraram, inadvertidamente, um disco que não funciona na unidade óptica do PC ou no gravador de DVD da sala de estar. Diante do leque crescente de tipos de mídia nas prateleiras das lojas, está na hora de uma volta à cartilha.

Uma dose de +, -, R, RW e -RAM

Nos primórdios do DVD, a guerra entre formatos era mais importante do que hoje – pelo menos para drives ópticos em computadores. Drives de DVD com um único formato pertencem ao passado. Os atuais drives multiformatos suportam praticamente tudo. Existem muitas opções: DVD+R, DVD-R, DVD+RW, DVD-RW... escolha o formato e, provavelmente, seu drive poderá gravar nele. DVD-RAM é o único a resistir: só os chamados drives Super-multi – como alguns modelos da LG e da Panasonic, por exemplo – são capazes de gravar em mídia -RAM.

Os modelos set-top de gravador de DVD, infelizmente, não acompanharam os queimador feitos para computador. Se você tem um gravador de DVD, os formatos que pode usar são limitados. Normalmente, você só tem um conjunto de formatos para mídia gravável e regravável. Um gravador pode ser compatível com DVD-R e -RW, enquanto outro pode funcionar com -R, -RW e –RAM, por exemplo. E um terceiro talvez suporte DVD+R e DVD+RW, mas não os outros três. Poucos gravadores oferecem suporte a todos os formatos: a próxima geração de gravadores de DVD da Panasonic vai acrescentar DVD+R aos formatos DVD-R e DVD-RAM suportados atualmente. Lite-On e Sony oferecem alguns modelos que lidam com DVD-R/RW e +R/RW.

Que discos, então, você deve usar? Experimente e adote o que funcionar com seu gravador de DVD e seu drive óptico.

No geral, com mídia DVD gravável, use -R e +R para arquivar dados ou fotos e para gravar vídeo que você pretende compartilhar. Infelizmente, não há garantia de 100% de compatibilidade com todos os DVD players: a última informação que tive foi de cerca de 90% de compatibilidade e a desigualdade fica menos favorável se você  tentar usar seus discos, por exemplo, em um DVD player mais antigo, com seis anos de vida. Fora isso, espere pouca diferença entre os dois formatos – eles são muito semelhantes naquilo que é tangível para o usuário, inclusive a longevidade.

O mesmo vale para os formatos regraváveis – você não encontrará muitas diferenças entre DVD-RW e DVD+RW. O formato DVD-RAM, dada a estrutura do disco, funciona um pouco diferente dos outros formatos regraváveis e é ainda menos compatível com outros gravadores de DVD. Diz-se que DVD-RAM permite 100.000 regravações, contra 1.000 de -RW e +RW, mas este número presume que o disco -RAM esteja acomodado em um cartucho – pressuposição dificilmente garantida, dado o advento de mídia DVD-RAM sem acondicionamento, ao invés de em cartucho. O drive Super-multi da LG é um dos drives Super-multi que só suportam discos -RAM sem acondicionamento.

A maioria dos usuários estará mais bem servida com DVD-RW e +RW, seja para backup de dados, gravações comuns da TV ou teste de projetos de filmes em DVD. Você pode, por exemplo, queimar um disco de teste, ver como funciona a navegação e concluir seu projeto em DVD-R ou +R, mais compatíveis. DVD-RAM é útil se você quiser controlar uma gravação em disco – pausar uma gravação ao vivo ou gravar em uma parte do disco enquanto assiste outra parte, por exemplo –, mas esta utilidade de DVD-RAM torna-se discutível se você tem um gravador de DVD com unidade de disco rígido, já que provavelmente vai gravar direto dela.

Single, Dual e Double Layers

Tecnicamente, layers começaram a fazer parte da equação um ano atrás, quando chegaram os queimadores de DVD double-layer, capazes de gravar em mídia double-layer de 8.5 GB – em oposição à mídia single-layer padrão de 4.7 GB. Mas só agora layers estão começando a causar impacto  no mercado. Lentamente, mídia double-layer e dual-layer estão se tornando mais disponíveis, embora os preços dos discos continuem altos (cerca de R$ 30 a unidade).

Mais importante, o suporte a double-layer é indispensável nos drives atualmente e a chegada de drives que suportam dual-layer é iminente. Qual a diferença entre double e dual layers? Nenhuma, além da nomenclatura. A DVD+RW Alliance, que estabelece as especificações para os formatos DVD+R/RW, prefere double-layer; dual-layer é o nome que o DVD Fórum escolheu para os formatos DVD-R/RW.

No momento, os discos double-layer e dual-layer são limitados a mídia write-once +R e -R. Entretanto, há rumores de que um disco regravável double-layer será disponibilizado nos Estados Unidos até o fim do ano.

Dica: se você ainda não tiver um drive óptico que suporte a tecnologia, mídias dual ou double-layer serão inúteis. Drives mais antigos não vão reconhecer estes discos nem gravar neles.

O jogo do X

2X, 2.4X, 4X, 5X, 6X, 8X, 16X: são opções suficientes para fazer sua cabeça rodar, certo?

Normalmente, os drives mais velozes chegam antes de a mídia classificada como de velocidade máxima aparecer nas lojas. A regra geral é “casar” o índice de velocidade da mídia com a velocidade máxima que seu queimador de DVD suporta. Isso vai aumentar suas chances de obter performance ótima do drive. Para DVD-R e DVD+R, o máximo atual é 16X; DVD-RW, 6X; DVD+RW, 8X; e DVD-RAM, 5X.

Talvez você precise optar por uma mídia mais antiga, que não tenha a velocidade mais alta existente, já que a mídia mais nova e veloz costuma demorar para chegar às lojas. Ainda assim, isso não significa que você não verá aumento de velocidade quando usar mídia mais antiga com um drive novo mais veloz. Muitos drives DVD+R 12X e 16X, por exemplo, podem gravar nestas velocidades usando mídia 8X. Da mesma forma, os drives DVD+R double-layer mais velozes suportam velocidades até 6X, mas a maioria das mídias ainda está congelada em 2.4X. Mas tudo bem: como mostraram nossos primeiros testes de queimadores double-layer, um aumento de velocidade significativo é possível, mesmo com a mídia mais lenta.

Se você tiver um drive mais antigo, um queimador 8X, digamos, talvez sua única opção seja comprar mídia mais veloz, 16X. Esta mídia deverá funcionar no seu drive, mas talvez você precise atualizar o firmware do drive.

Um alerta: verifique atentamente a velocidade da mídia se planeja usar os discos com um gravador de DVD. Gravadores set-top podem ser mais melindrosos que queimadores óticos de computadores. Às vezes, não vão reconhecer velocidades de mídia mais novas, muito menos modelos mais recentes como discos double-layer e dual-layer. Caso você tenha um modelo set-top de gravador de DVD-RW que grava a 2X, talvez ele não reconheça os discos mais novos 4X ou 6X. E mídia double-layer e dual-layer talvez execute em gravadores set-top, mas não grave neles. Os primeiros gravadores set-top double-layer ou dual-layer devem chegar nos próximos meses – a Pioneer já anunciou um modelo no Japão.

Dica: acompanhe os upgrades de firmware para garantir que seu drive suporte as velocidades de gravação mais recentes e mídia recém-liberada. E, se você comprar mídia mais veloz do que a velocidade nominal máxima para seu gravador de DVD, compre um número pequeno de discos para testar primeiro. Não faz sentido ficar preso a um pacote de 50 discos que não vão funcionar no seu gravador – a menos, é claro, que você possa usá-los com o queimador de DVD do seu computador.

Tags

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail