Home > Notícias

Scanners oculares

Dan Tynan, PC WORLD – ESPANHA

25/09/2005 às 19h46

Foto:

Olho scannerOnde você viu isso antes?
Em Minority Report – A Nova Lei, consumidores em um shopping são identificados através de scanners oculares. Por meio dessa identificação, visualizam anúncios personalizados que os tratam inclusive pelo nome. Em uma cena, John Anderton (Tom Cruise) substitui seus olhos para evitar ser reconhecido pela polícia.

Como funcionam?
Há duas formas de digitalizar os olhos. Um scanner de retina mede o padrão de veias no fundo do olho com a projeção de um raio infravermelho através da pupila. O scanner de íris utiliza uma videocâmara para examinar os padrões de cor únicos dos sulcos da parte colorida dos olhos.

Onde são utilizados?
Os scanners de íris começam a ser empregados na segurança dos aeroportos. Alguns deles estão testando a tecnologia também como substituta dos terminais de consulta – neste caso, o olho seria a passagem aérea. Os scanners de retina são bastante invasivos e menos habituais, mas continuam sendo usados para restringir o acesso a instalações militares, laboratórios de investigação e outras áreas de alta segurança.

São seguros?
Tanto o de retina como o de íris são os sistemas biométricos tidos como mais seguros, porém nem sempre funcionam. Os de retina são inoperantes com portadores de deficiência visual ou catarata, ao passo que a precisão dos scanners de íris varia em função da luz ambiente e do ângulo de varredura. A cor dos olhos também interfere – quanto mais escuros, mais difícil é para o scanner distinguir onde acaba a pupila e começa a íris.

São passíveis de fraude?
Até certo ponto, sim. As lentes de contacto coloridas podem reduzir a precisão. Idem o uso de drogas que dilatam as pupilas. Alguns scanners de íris consideraram boa uma foto em alta resolução de um olho “autorizado” com um furo no meio para a pupila do impostor.

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail