Home > Dicas

Retoque com software livre

Programa de código aberto Gimp permite editar imagens com facilidade

29/09/2005 às 12h46

Foto:

GimpSeu nome o define de forma perfeita. GNU Image Manipulation Program é um programa para manipular imagens. Não oferece os recursos do líder de mercado no setor, mas tem a possibilidade de ter seu código modificado, o que é sempre uma vantagem. Como muitos outros softwares livres, tenta melhorar periodicamente, mesmo que ainda lhe faltem algumas ferramentas para que possa ser considerado o mais completo. De maneira geral, tem muitos recursos, o que o torna uma boa opção para os usuários que precisam efetuar esse tipo de trabalho, mas sem botar a mão no bolso. Ele está disponível em três versões:  estável (Gimp 2.2.7); de testes (Gimp 2.2pre2) e versão instável Gimp 2.3. Todas elas estão disponíveis e em constante estado de renovação, como é típico desse tipo de software.

Histórico

Spencer Kimball e Peter Mattis começaram em Berkeley o desenvolvimento de um programa para manipulação de imagens. Quase um ano depois, a primeira versão estava à disposição dos usuários. Durante esse período, outros desenvolvedores colaboraram para que em janeiro de 1996 a versão 0.54 pudesse nascer. Alguns meses depois, estavam funcionando de maneira fluida as listas de desenvolvedores que se uniram ao projeto. E, em pouco tempo, os usuários começaram a participar de maneira ativa. Zach Beanem, aliás Xach, criou os primeiros tutoriais para o Gimp. De imediato, se uniram usuários e desenvolvedores. Coordenaram as primeiras páginas web com recursos e fóruns. A versão 1.0 do programa foi posta à disposição dos usuários no dia 5 de junho de 1998 às 5h17 da tarde. O programa seguiu evoluindo e atualmente não é possível saber o número de pessoas que colaboram com a equipe de desenvolvimento.

Forma de obtê-lo e requisitos

É possível baixá-lo  no endereço www.gimp.org. Está disponível em versões para Mac, Unix e Windows (a partir da versão 98). Requer um mínimo de memória de 128 MB e, se vamos gerar imagens grandes, é necessário dispor de mais do que o dobro para que não se torne lento em excesso. Se quiser modificar os códigos, é preciso ter em mente de que deverá carregar os pacotes adicionais e as bibliotecas adicionais.

Instalação

Entre na página www.gimp.org. Na coluna esquerda, escolha Gimp for Windows (ou seu sistema operacional). Na página seguinte, clique em Automated Installer e volte a selecionar à esquerda a opção Stable Version. Baixe e instale primeiro GTK +2 runtime environment, e depois pode instalar a versão do programa propriamente dita, que atualmente é a versão 2.2.7. Ambos são auto-instaláveis que se encontram zipados, e antes de instalar precisam ser descompactados.

Funcionamento

GimpFerAo iniciar o programa, aparece uma janela Conselho do dia. Para usuários avançados, pode ser desnecessária, mas se não é o caso, vale perder alguns segundos para ler o conteúdo e também algum outro conselho. É uma forma de conhecer truques e características do programa em pouco tempo. Mantenha ativada essa opção até que conheça o programa em profundidade. Uma vez fechada a janela de conselhos, aparece a janela de diálogo do Gimp. Nessa janela flutuante aparecem as linhas de comando, os botões das ferramentas e os botões de estado, tanto da imagem como das ferramentas em uso.

A filosofia do programa é trabalhar com janelas flutuantes. Se você não está acostumado com o princípio, pode se incomodar, mas estará familiarizado em pouco tempo. Para começar, pense que essas janelas são independentes do programa em si e, por exemplo, se elas derem algum tipo de erro, seguramente o programa todo não será fechado, nem perderá parte do trabalho, porque só serão bloqueadas as janelas afetadas. Tudo dependerá da gravidade do erro.

Com esse sistema de trabalho, poderá manter à vista somente as janelas úteis que se relacionam com a ação que está sendo executada no momento, ou que acha que vai precisar. O Gimp suporta compressão para os formatos bzip2 e gzip. Isso significa que é capaz de abrir os arquivos compactados por esses programas sem necessidade de descompactá-los previamente. Também pode guardar diretamente compactando nesses dois formatos qualquer arquivo gráfico que tenha criado, adicionando sua extensão.

Nas ações que se realizam com a imagem, funciona a maioria das combinações de teclas dos programas líderes de mercado. E, portanto, se está acostumado a trabalhar com algum deles e usa habitualmente as combinações das teclas control, shift ou alt, agradecerá essa funcionalidade. Mesmo assim, tome cuidado porque nem todas as combinações de teclas com que está familiarizado combinam com Gimp. Um exemplo claro é a opção de desfazer uma seleção, que habitualmente fazemos com Ctrl+D  e nesse programa é shift+ctrl+A. Isso não é nenhum impedimento, já que quase tudo é configurado a seu gosto. Nesse caso, as combinações de teclas rápidas não seriam uma exceção e podemos mudá-las. Isso se encontra no menu Preferências.

Se baixar o arquivo de ajuda, será mais fácil explorar o programa. Não tenha medo de fazer quantas provas quiser, porque o Gimp pode desfazer a maioria das mudanças que são feitas sobre uma imagem.
De forma geral, é um programa muito mais potente do que parece inicialmente, muito fácil e prático de usar. Com certeza, pode substituir a maioria dos programas de retoques de imagem que estão disponíveis no mercado.

Ficha técnica
Nome:
Gimp2
Tipo: retoque fotográfico
Web: www.gimp.org

Tags

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail