Home > Dicas

Meu Porta-arquivos: o que faz esse desconhecido?

Se você é daqueles que levam trabalho para casa, esta dica vai interessar muito: como trabalhar com os mesmos arquivos em dois computadores diferentes, mantendo-os sincronizados

José Manuel Alarcón

29/09/2005 às 15h34

Foto:

Porta-arquivosHoje em dia, além do computador do trabalho, quase todo mundo tem também um computador pessoal em casa. Entre as várias possibilidades que ele oferece está uma muito especial: temos a "sorte" de podermos levar o trabalho para casa, para nos aborrecermos durante o fim-de-semana.

Se somos desse tipo abnegado de trabalhador, freqüentemente levamos vários documentos em um memory key, disquete ou CD para acabar informes, relatórios e apresentações no computador doméstico.
Se todos os documentos estão no mesmo diretório do computador do escritório, não é muito complicado. Podemos copiá-los e renomeá-los ao voltar. O problema é se o número de documentos é elevado e estão distribuídos em diversas pastas do disco rígido ou em recursos de rede. Nesse caso, na volta não saberemos exatamente em quais tocamos em casa e iremos verificar de onde os copiamos, pois cada um deve ir para um local adequado - inclusive pode ser que haja vários com o mesmo nome mesmo que localizados em diferentes pastas.

Para facilitar a tarefa de trabalhar com arquivos em diferentes computadores, o Windows nos oferece a ferramenta Meu Porta-arquivos. Ela encontra-se disponível em todas as versões desde a Windows 95 (inclusive). Mesmo assim, e apesar de suas grandes vantagens, trata-se de uma utilidade que passa despercebida para a maior parte dos usuários. Nas últimas versões - como o XP -, nem sequer foi incluído o famoso ícone no desktop para acesso direto que vinha no Windows 95. Mas isso não significa que ela não existe mais.

Uma primeira e rápida opção para que no Windows XP apareça Meu Porta-arquivos é a seguinte: abra o menu Iniciar, clique em  Executar e, na janela de comando, escreva syncapp.exe. Agora você terá de volta o ícone no Desktop e um acesso direto muito útil no menu contextual "Enviar para".

Já que podemos ter mais de um porta-arquivos disponível (e em seguida veremos como usá-los), uma boa opção é criar novos clicando com o botão direito do mouse sobre uma superfície livre do desktop (ou de qualquer pasta) e escolher a opção de criar um novo Porta-arquivos. Dessa maneira, podemos criar quantos porta-arquivos quisermos.

Do escritório para casa

O conceito de Meu Porta-arquivos é análogo ao de uma pasta ou maleta de mão: colocamos dentro os documentos e os levamos. A vantagem nesse caso é que na volta todos os documentos voltam aos seus lugares automaticamente.

Você pode simplesmente arrastar sobre o ícone da pasta criada todos aqueles documentos ou diretórios que quiser levar para trabalhar em outro equipamento. Pode-se criar diretórios manualmente dentro de sua pasta e, assim, manter as cópias dos documentos ordenadas. Esses diretórios se consideram "órfãos", já que não têm correspondência com nenhum outro no disco do computador, mesmo que os objetos contidos tenham.

Para levar para casa os documentos, arraste o ícone da pasta da área de trabalho (ou de onde o tenha colocado) e solte-o em uma unidade qualquer como um disquete ou, como é mais normal nos nossos dias, em um memory key USB. Verá que a pasta desaparece de sua localização original e passa para a unidade removível. Isso é para evitar duas cópias da mesma pasta. Agora você pode extrair a unidade de armazenamento e levá-la tranqüilamente para casa.

De casa para o escritório

No computador de casa, introduza o disco removível e verá que a pasta e todo o seu conteúdo seguem ali. Você pode então arrastar a pasta para a sua área de trabalho ou, se a unidade é rápida (as chaves USB 2.0 costumam ser), utilizá-la onde está.

O trabalho com os arquivos acontece de modo habitual, ou seja, é possível dar dois cliques sobre qualquer um dos itens para abri-los com o programa apropriado ou utilizar a ordem de abrir para localizá-lo dentro da pasta. Quando você tiver modificado qualquer arquivo, verá um aviso da pasta pedindo por uma atualização. Quando for voltar ao escritório, se necessário, copie de novo o porta-arquivos para a unidade extraível, assegurando-se antes de que todos os arquivos estejam fechados.

Sincronizando os arquivos

A parte delicada vem na hora de sincronizar os arquivos. A barra de ferramentas do Meu Porta-arquivos dispõe de dois botões que não estão presentes em diretórios normais. Um deles serve para sincronizar todos os documentos da pasta e o outro atualiza somente o arquivo (ou arquivos) selecionados.

Ao clicar em qualquer deles, abre-se uma caixa de diálogo que mostra o modo como se realizarão as atualizações. O habitual é que os arquivos dos porta-arquivos sejam os mais novos, mas pode acontecer de o original ter sido modificado também.

Órfãos e desamparados

Agora vem a parte conflituosa. Terminamos de sincronizar os arquivos e não vamos voltar a levá-los para casa. Já estão atualizados em seu lugar original e não precisamos deles para nada no porta-arquivos. Então, vamos deletá-los. Erro!

Se eliminamos um arquivo do porta-arquivo, o serviço de sincronização entende que já não necessitamos mais dele e, portanto, na seguinte sincronização eliminará também o original. Mas não se trata de algo irreparável, já que antes são mostradas as tarefas que serão realizadas. No entanto, basta uma distração para perder informações preciosas.

O modo correto de proceder consiste em fazer a relação existente entre os arquivos que serão apagados e os originais. Selecione-os e no menu Meu Porta-arquivos, marque a opção Desvincular do original. Agora já é possível eliminá-los sem problemas.

Conselhos e precauções

Para usar de forma segura o Meu Porta-arquivos, tenha em conta os seguintes conselhos adicionais:

  • Não renomeie arquivos dentro do porta-arquivos. O resultado não será que o arquivo original será renomeado também e sim que automaticamente o arquivo se tornará órfão;
  • Se arrastou diretórios completos para o porta-arquivos, não reordene os arquivos dentro deles nem crie novos diretórios. Ele não terá efeito sobre os originais e perderá a sincronização. Se precisa fazer esse tipo de coisa, apague-os primeiro do porta-arquivos (sincronizando-os e tornando-os órfãos antes), recoloque-os no lugar original e volte a copiá-los no porta-arquivos;
  • Copie somente arquivos atualizáveis (documentos e gráficos). Não vale a pena copiar executáveis ou arquivos binários;
  • Se você cria arquivos novos em seu Porta-arquivos, quando voltar ao escritório não terá jeito de sincronizá-los. Limite-se a movê-los do porta-arquivos para um lugar definitivo em seu disco rígido ou transporte-os para uma pasta normal;
  • Antes de arrastar algum documento para o porta-arquivos ou de retirar o meio removível, assegure-se de que ele não está sendo editado;
  •  Se você usa um computador portátil e o leva de casa para o escritório, pode usar o porta-arquivos do portátil para manter sincronizados arquivos da rede e sincronizá-los quando voltar a se conectar.

Tags

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail