Home > Notícias

Como se preparar para empreender?

Educação e empreendedorismo não são coisas antagônicas, são complementares

20/03/2006 às 11h11

Foto:

Bob 100x120Você decidiu montar um negócio ou – quem sabe – já pôs as mãos à obra e é um empreendedor de fato, enfrentando as dificuldades de empreender no Brasil. Então, eu pergunto: o que fez – ou faz – para se preparar?

Ah, você cursou uma faculdade sem levar nada muito a sério, afinal já sabia que seria um empreendedor? Sei. Pensou em fazer o Empretec do Sebrae, mas concluiu que não era o caso, afinal já sabe que tem o dom? Ah. Você tem certeza de que sua idéia é tão boa que dará certo? Entendi. Nem um planinho de negócios você acha que vale a pena fazer? Saquei.

Pois é, você não está sozinho. No Brasil, parece mesmo que educação e empreendedorismo são coisas antagônicas. Eu garanto que não existe erro maior. O fato de que tantas empresas (mais de 70% delas) não consigam sobreviver mais do que um par de anos por aqui é resultado, em grande parte, do baixo preparo dos empreendedores para a gestão de suas empresas. Eles podem ter boas idéias, ser ótimos vendedores, ter criatividade e até ousadia de sobra, mas se não sabem gerir pessoas e capital nem traçar e
executar planos, não agüentam os baques que vêm. É o que acontece na prática, os números estão aí para comprovar.

O empreendedor brasileiro começa seu negócio despreparado até mesmo psicologicamente. Exagera na dose de otimismo por não ter sido exposto a outros empreendedores ou por não ter investigado quantos fracassos estão por trás dos casos de sucesso que lemos por aí. É também acomodado. Nunca encostou à parede seus professores de faculdade que “ensinavam” a montar planos de negócios sem nunca tê-los executado de verdade. É conformado por não se unir nem brigar quando os governos (todos) aumentam impostos e criam dificuldades para quem quer gerar renda e emprego neste país. Fica calado quando ouve ou lê nos jornais que existe abundância de capital para investimento e não encontra um santo investidor – unzinho sequer – que tope avaliar seu plano.

O empreendedor brasileiro é um brasileiro típico, daqueles que diz “no final, sempre dá certo” ou “Deus é brasileiro e nada me acontecerá”. Toca a vida meio que na intuição e aos trancos e barrancos. Há exceções? Claro, sempre há. Mas o que fazer para mudar? De cara, duas coisas muito simples: 1 – Admitir que há falta de preparo e que isso é muito ruim para o negócio; 2 – Mudar a atitude e buscar aperfeiçoamento, exigir educação melhor, participar de grupos, dividir experiências, ler mais, politizar-se etc, etc. São dois gestos simples que poderão alterar o rumo das coisas. Os resultados aparecerão. Quer tentar?

*BOB WOLLHEIM É EMPREENDEDOR, DIRETOR DA TRIPIX (WWW.TRIPIX.COM.BR), DO E-LAB SSJ (WWW.ELABSSJ.COM.BR) E AUTOR DO LIVRO EMPREENDER NÃO É BRINCADEIRA - BOB@TRIPIX.COM.BR

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail