Home > Notícias

Nova função do Google acusa páginas maliciosas em lista de resultados

Lançada nesta sexta, ferramenta usará dados da Coalização Stop Badware para identificar sites que instalam spywares no micro do usuário

Por Juan Carlos Perez, para o IDG Now!*

07/08/2006 às 10h19

Foto:

Lançada nesta sexta, ferramenta usará dados da Coalização Stop Badware para identificar sites que instalam spywares no micro do usuário

O Google começou a alertar usuários quando clicarem em um resultado de buscas que possa levá-los a endereços perigosos.

A nova função, revelada no começo desta semana, começou a ser aplicada oficialmente nesta sexta-feira, de acordo com um anúncio da Coalizão Stop Badware, que colabora com o Google neste esforço.

Quando usuários tentam clicar em uma página online considerada potencialmente perigosa, o Google mostra aos usuários uma página de alerta que os informa sobre riscos em potencial e dá uma opção de retornar para a página de resultados ou continuar no site questionável.

As páginas marcadas são indicadas como perigosas por usuários para a Coalização. O Google substituirá progressivamente a página de alerta genérico com sites que contenham relatórios específicos sobre os endereços. A Coalização Stop Badware oferecerá detalhes individuais para o material.

A Coalização Stop Badware é uma organização que não visa o lucro conduzida pelas Universidades de Harvard e Oxford e apoiada pelo Google, Lenovo e Sun.

A nova função do Google tenta consertar um problema real: sistemas de busca geralmente mostram links de páginas que baixam spywares e adwares para o PC do visitante, exploram vulnerabilidades de segurança e tentando enganar usuários com armadilhas digitais.

Nos Estados Unidos, usuários clicam em sites maliciosos cerca de 285 milhões de vezes por mês em listas de resultados de cinco dos buscadores mais populares do país, de acordo com estudo conduzido pelo SiteAdvisor, da McAfee.
Tanto a SiteAdvisor como a barra de ferramentas do NetFilter já oferecem funções similares. Integrados ao navegador, os aplicativos usam bancos de dados sobre sites maliciosos para indicar páginas possivelmente forjadas por hackers em resultados de buscadores.

*Juan Carlos Perez é editor do IDG News Service, em Miami.

Tags

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail