Home > Notícias

IBM anuncia estratégia de código aberto para “além do Linux”

Companhia afirma que buscará oportunidades de negócio com tecnologias não-proprietárias em diversas áreas

Por Robert Mullins, para o IDG Now!*

16/08/2006 às 16h11

Foto:

Companhia afirma que buscará oportunidades de negócio com tecnologias não-proprietárias em diversas áreas

A IBM anunciou a ampliação de sua estratégia de código aberto para além do Linux. Durante o LinuxWorld, evento que reúne a comunidade de código aberto esta semana em San Francisco (EUA), a companhia disse que focará oito novas áreas com soluções abertas.

Entre suas ações, a IBM deve buscar novas oportunidades de negócios envolvendo as tecnologias não-proprietárias para o middleware voltado ao cliente, desenvolvimento de ferramentas, servidores de aplicativos web, servidores de dados, gerenciamento de sistemas, hardware, computação em grid e seus projetos de pesquisa e consultoria.

A IBM foi uma das primeiras empresas a adotar o Linux como sistema operacional em hardwares pesados. Agora, a companhia planeja liderar ações semelhantes nessas novas áreas.

John Andrews, analista da Evans Data, disse que o Linux atingiu o auge de seu desenvolvimento, apoiado em boa parte pela IBM. “Então, a Big Blue pode agora criar outras formas de desenvolvimento de software de código aberto”, diz.

"A estratégia ‘Beyond Linux’ será muito importante para o cenário do código aberto. Agora que a IBM trouxe o Linux a um patamar estável, ela pode ajudar a elevar todo o movimento de código aberto ao nível atual do Linux”, afirma o especialista.

Segundo ele, a estratégia também deve auxiliar gerentes corporativos de TI a gastar mais com aprimoramentos de rede do que com sua manutenção. "O custo sai do orçamento de manutenção para entrar no de inovação tecnológica”, prevê Andrews.

A estratégia de ferramentas de desenvolvimento de código aberto da IBM vai endereçar a plataforma de desenvolvimento Eclipse, um projeto iniciado pela companhia há alguns anos, antes de ser separado como uma entidade independente. O Apache Derby e seus próprios bancos de dados gratuitos IBM DB2 Express-C serão as bases para o seu trabalho na área de servidores de bancos de dados de código aberto.

Outros projetos de código livre que serão chave para a estratégia ampliada da IBM incluem a plataforma rich client Eclipse, para a hospedagem de aplicativos multiplataformas; o projeto Geronimo de servidor de aplicativos Java de código aberto da Apache Software Foundation; o projeto de storage Aperi; os projetos de hardware Power.org e Blade.org; e a aliança Open Grid Services Architecture and Globus Alliance para computação em grid.

Em comunicado, Scott Handy, vice-presidente de Linux e código aberto da IBM, classificou o novo posicionamento da empresa como “forte e agressivo”. Segundo ele, a companhia planeja transformar definitivamente seus negócios através do suporte ao software livre em diversas áreas de desenvolvimento de hardware e software.

Além dessas oito áreas-foco, a IBM apresentou nesta terça-feira (15/08) diversas iniciativas para aprimorar sua estratégia de código-aberto. A companhia disse que vai integrar seu processador Cell BE – que estende a arquitetura do chip IBM 64 bit Power – ao kernel do Linux.

A IBM também está trabalhando com a Red Hat para oferecer uma versão mais segura do Red Hat Enterprise Linux 5. Além disso, os engenheiros da empresa vêm desenvolvendo softwares de código aberto para virtualização, focando nas áreas de gerenciamento de sistemas, segurança e da arquitetura Power.

*Robert Mullins é editor do IDG News Service, em São Francisco.

Tags

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail