Home > Notícias

Banda larga cresce 8,7% no 2º trimestre impulsionada por acesso a cabo

Estudo trimestral da Cisco aponta 4,74 milhões de conexões banda larga no país, com aumento na participação de acesso por cabo

Por Guilherme Felitti, repórter do IDG Now!

12/09/2006 às 14h49

Foto:

Estudo trimestral da Cisco aponta 4,74 milhões de conexões banda larga no país, com aumento na participação de acesso por cabo

O número de conexões à internet por banda larga cresceu 8,7% durante o segundo trimestre de 2006 em comparação ao período anterior, segundo dados divulgados nesta terça-feira (12/09) pelo estudo “Barômetro Cisco de Banda Larga”, formulado pela consultoria IDC.

Entre abril e junho deste ano, foram contabilizados 379 mil novos acessos, o que levou a base instalada brasileira para 4,74 milhões de conexões com a tecnologia.

O setor de IP Dedicado, conexão à internet utilizada por grandes empresas, também cresceu no período, contabilizando aumento de 5,6% para cerca de 73 mil conexões no Brasil.

Na média, o acesso doméstico à banda larga concentra 98,5% das conexões, enquanto o IP Dedicado responde por apenas 1,5%.

O aumento, ligeiramente maior que os 8% registrado no trimestre anterior, é potencializado pela participação maior das conexões por cabo e o aumento na velocidade média utilizada pelo usuário nacional, segundo Roberto Gutierrez, analista consultor de banda larga do IDC Brasil.

A tecnologia xDSL de conexão manteve a queda na penetração, caindo 1 ponto percentual para 78,7%, enquanto as conexões por cabos saltaram de 16,1% para 17% no trimestre atual.

De acordo com Gutierrez, o aumento reflete ofertas mais agressivas de empresas de TV a cabo para conexão a internet. Para o executivo, a queda poderia até ser maior não fosse a vantagem técnica do xDSL contar com infra-estrutura pronta graças ao sistema telefônico.

Entre a velocidade de acesso, conexões com mais de 1 Mbps quase dobraram sua participação no período, pulando de 7% para 12%, enquanto as conexões entre 256 Kbps e 512 Kbps continuam perdendo espaço - caíram de 51% para 45% do mercado.

Segundo o estudo, a quase totalidade das novas conexões do trimestre excede a velocidade de 512 Kbps. Gutierrez afirma ainda que a queda na procura por tais acesso fez com que muitas operadoras tenham descartado conexões abaixo de 1 Mbps.

O aumento na procura, no entanto, implicou também na queda de 12% nos preços das conexões acima dos 1 Mbps. Pelo contrário, a queda na procura por acessos entre 128 Kbps e 256 Kbps resultou em aumento de 5% nos preços, graças à menor competitividade no setor.

O segundo trimestre apresentou também novas parcerias de operadoras com formuladoras de conteúdo para TV e voz, com o oferecimento de novos pacotes de VoIP para o usuário doméstico.

Tags

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail