Home > Notícias

Vender pela web está mais fácil

Soluções acessíveis permitem a pequenas empresas investirem no comércio eletrônico

Por Alice Sosnowski

08/01/2007 às 11h41

Loja-Virtual-70-84.jpg
Foto:

Soluções acessíveis permitem a pequenas empresas investirem no comércio eletrônico

As lojas virtuais transformaram-se nos últimos anos na bola da vez na internet. Na rede, encontra-se de tudo. De eletrônicos, livros e DVDs a objetos bizarros para colecionadores, automóveis e até terrenos virtuais. Segundo dados da consultoria e-bit, o comércio eletrônico no Brasil deve crescer 56% em 2006, contra 43% no ano passado. A expectativa é de que só no Natal as vendas atinjam 750 milhões de reais.

dado e-commerceMas, se antes o comércio eletrônico exigia investimentos altos para desenvolver as lojas virtuais e garantir segurança na rede e estava destinado apenas a grandes varejistas como Submarino, Lojas Americanas ou Magazine Luiza, hoje, com tecnologias mais acessíveis, o e-commerce está disponível a todo tipo de empresa que queira oferecer seus produtos. Para isso, soluções prontas são disponibilizadas por preços mais convidativos e em tempo recorde. Basta fazer a opção.

A Locaweb oferece uma dessas soluções. Com 60 reais adicionais, o cliente de hospedagem da empresa pode montar uma loja virtual com suporte a várias formas de pagamento. O serviço da empresa oferece a ponte entre as financeiras e a loja virtual, observando os requisitos de segurança  pelas operadoras. Já são 2.370 clientes de comércio eletrônico na empresa. “Oferecemos uma solução completa, em que o lojista só precisa se preocupar com a venda. Tudo isso por um custo bem acessível”, diz o gerente da área, Reinaldo Santos.  O executivo explica que, para criar a mesma loja por conta própria, o empreendedor teria de dispor de um servidor dedicado e gastaria pelo menos 300 reais mensais.

Preocupado com a entrega dos produtos? O serviço de e-commerce dos Correios supre esta necessidade. Voltado para os pequenos e médios empresários, que representam mais de 90% dos clientes, o serviço CorreiosNet Shopping traz como atrativo a imagem de confi abilidade na entrega, um dos grandes desafios do comércio virtual.

++++

Na parceria com os Correios, os empreendedores já podem ter uma loja virtual pronta e se vincular à logistica de envio, utilizando os serviços do e-Sedex, Sedex, PAC (entrega econômica) ou Exporta Fácil, ou hospedar sua loja nos servidores da empresa.

Segundo o gerente de comércio eletrônico dos Correios, Lemuel Costa e Silva, nesta opção o empreendedor não precisa ter conhecimentos de programação para montar a loja. Basta seguir
os passos da ferramenta, escolher um dos templates (formulários básicos), adequar as imagens dos produtos e optar pelas formas de pagamento disponíveis para ter a loja pronta em pouco tempo. Por um valor de 100 reais na adesão, já é possível hospedar uma loja no CorreiosNet Shopping e usufruir o serviço de entrega dos Correios com o e-Sedex, que tem custo 30% menor que o sedex normal.

No Sedex eletrônico, o cliente pode fracionar o peso da encomenda, coletar cheques e entregar o produto em apenas um dia útil para algumas cidades do interior, entre outros benefícios.

Já com a loja vinculada o empresário paga uma mensalidade e pode usar o serviço de entrega dos Correios. Em ambos os casos, os clientes têm direito de expor seus produtos na vitrine do CorreiosNet Shopping e participar de promoções. O serviço atende atualmente a 715 lojas virtuais em todo o país. “O que mais tem atraído os pequenos empresários para esta solução é a confi abilidade do sistema e a logística dos Correios, que têm um selo de garantia conhecido no país”, afirma Costa e Silva.

Confira tabela com soluções para comércio eletrônico

++++

.: Case
Nascida na rede

case e-commerceEra o ano de 2000, quando o estudante recémformado da Fatec-SP (Faculdade de Tecnologia de São Paulo) Jairo Belarmino da Silva, em parceria com seu irmão, montou em seu quarto o iShop21, loja virtual que vendia acessórios de informática. Mirando nos exemplos da Amazon e do Submarino, que tinha apenas seis meses de mercado, os irmãos começaram a trabalhar.

Alugaram de uma empresa de tecnologia um sistema de e-commerce com direito a espaço em banco de dados, transação de pagamento (apenas boleto bancário e transferência eletrônica), e utilizaram a logística de entrega dos Correios, que na época ainda não possuíam um produto específico para comércio eletrônico.

Em seis anos de mercado, os números do IShop21 surpreendem. O mix de produtos aumentou em 20 vezes e hoje inclui eletrônicos, cine e foto, instrumentos musicais e produtos para bebê. O faturamento cresceu 500%, e a loja, que começou no quarto de casa, mudou para um amplo conjunto comercial no Tatuapé, zona leste de São Paulo, onde trabalham 14 funcionários.

As formas de pagamento, que se limitavam a duas, foram ampliadas para dez, incluindo financiamento com cheque e cartão de crédito. A parceria com os Correios também aumentou. Atualmente, são gastos cerca de 7 mil reais mensais apenas com postagem de produtos para todo o Brasil.

Para aumentar ainda mais a exposição da loja na rede e, com isso, as vendas, o IShop21 aparece em páginas de pesquisas de preço como Bondfaro e Buscapé e mantém parcerias
com lojas afi liadas, que expõem seus produtos por uma comissão nas vendas. São mais de 300 sites segmentados que oferecem espaço para banners de propaganda.

A ação tem gerado resultado, com mais de 15 mil visitas diárias e cerca de 6 mil itens vendidos por mês. Para o primeiro empreendimento de um recém-formado, Jairo da Silva não tem do que reclamar...

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail