Home > Notícias

Brasil Telecom inicia bloqueio ao YouTube

Operadora barrou as solicitações ao IP do site no seu backbone submarino

Por Daniela Moreira, repórter do IDG Now!

09/01/2007 às 12h07

Foto:

Operadora barrou as solicitações ao IP do site no seu backbone submarino

A Brasil Telecom confirmou, por meio da sua assessoria de imprensa, que iniciou o bloqueio do acesso ao YouTube no Brasil, atendendo a determinação do desembargador Ênio Santarelli Zuliani , do Tribunal de Justiça de São Paulo.

A operadora barrou as solicitações ao IP do site no seu backbone submarino, tornando o site inacessível a cerca de 5 milhões de brasileiros, apesar do esclarecimento feito pelo desembargador de que a ordem diz respeito somente ao bloqueio dos vídeos da modelo Daniella Cicarelli, que iniciaram a disputa legal.

Segundo o ofício enviado pela Justiça às operadoras, ao qual o IDG Now! teve acesso, a ordem é para que os provedores bloqueiem “o site www.youtube.com, da co-ré YouTube Inc., aos internautas brasileiros”, medida tomada pela Brasil Telecom.

O despacho do desembargador, de 02 de janeiro, tem como objetivo fazer valer a proibição legal de que o apimentado vídeo de Cicarelli e seu namorado Tato Malzoni, em uma praia na Espanha, seja divulgado na internet brasileira.

Em meio a protestos de internautas insatisfeitos e irritados, a divulgação da decisão judicial causou polêmica. O texto da decisão, na opinião de especialistas na área, é dúbio, não deixando claro se o parecer é pelo bloqueio ao YouTube para os brasileiros ou apenas do vídeo da modelo - versão sustentada pelo desembargador, autor do despacho.

As supostas cenas de sexo na praia foram divulgadas no YouTube e ganharam a rede, levando o casal a mover duas ações na Justiça - uma pedindo indenização por danos morais, contra as Organizações Globo, o Internet Group (iG) e o YouTube; e a outra pedindo a retirada dos vídeos do ar.

O Tribunal de Justiça de São Paulo concedeu a liminar obrigando os sites a retirarem as cenas do ar, sob pena de multa de 250 mil reais. Segundo Rubens Decossau Tilkian, que representa Tato, a multa já está sendo executada, mas o pedido de bloqueio ao site é uma forma de fazer valer a decisão da Justiça brasileira, que estaria sendo negligenciada.

Tilkian afirmou à imprensa, na quinta-feira (04/01), que as empresas que detém os canais de comunicação que permitem que o conteúdo chegue aos internautas brasileiros é que seriam responsáveis por barrar o acesso a todo o YouTube no Brasil.

No final da tarde da quinta-feira, contudo, o Tribunal de Justiça de São Paulo, por meio de sua assessoria de imprensa, negou que o desembargador Ênio Santarelli Zuliani tivesse pedido a retirada do site do ar, mas sim quer impedir o acesso ao vídeo de supostas cenas de sexo na praia.

Tags

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail