Home > Notícias

Japão, EUA e Brasil formam consórcio para pesquisar robótica biológica

Institutos se ajudarão no desenvolvimento de próteses robóticas neurais que façam a interface entre o cérebro e a máquina

Por Redação do IDG Now!

01/03/2007 às 11h39

Foto:

Institutos se ajudarão no desenvolvimento de próteses robóticas neurais que façam a interface entre o cérebro e a máquina

O Instituto Internacional de Pesquisa Avançada em Telecomunicações (ATR, na sigla em inglês), em Kyoto, no Japão, acaba de iniciar colaborações com um consórcio de centros de neurociência no Brasil, Estados Unidos e Suíça, que estudam a criação de próteses neurais baseadas na interface entre cérebro e máquina.

O objetivo da colaboração, segundo o diretor do Departamento de Robótica Humanóide e Neurociência Computacional do ATR, Gordon Cheng, é criar robôs e dispositivos robóticos que poderão ser controlados pelo cérebro de pacientes com paralisia corporal.

Além do ATR, participam do consórcio o Centro de Neuroengenharia da Universidade Duke (Estados Unidos) e o Instituto do Cérebro e da Mente da Escola Politécnica Federal de Lausanne (Suíça).

No Brasil, as três entidades certificadas são o Instituto Internacional de Neurociência de Natal Edmond e Lily Safra (IINN-ELS)e, Natal, o Laboratório de Neuroengenharia, coordenado pelo Hospital Sírio-Libanês (HSL) e a Associação Alberto Santos Dumont para Apoio a Pesquisa (AASDAP), ambos de São Paulo.

Atualmente, os sistemas desenvolvidos pelo grupo de Cheng são inspirados inteiramente em modelos biológicos.

“Um humano andando na rua, conversando e olhando as vitrines das lojas parece algo banal, mas é muito mais sofisticado do que todos nossos avanços em robótica. Por isso, procuramos essa cooperação com a neurociência”, disse.

Gordon vê como próximo passo um olhar mais próximo à interação entre humanos e autômatos.

“Além de integrar melhor atividades cognitivas, sensoriais e motoras, precisamos aproximar os robôs dos comportamentos humanos e torná-los aptos à interação. Isso será um passo fundamental para introduzir os robôs nas casas, em hospitais e em outros ambientes.”

A cooperação com o consórcio de neurociências ainda está na fase inicial de planejamento, mas a integração das linhas de pesquisa é considerada fundamental para realizar o sonho das próteses robóticas.

Tags

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail