Home > Notícias

Aprenda a usar o Linux sem precisar instalá-lo no disco rígido

Para evitar problemas em PCs sem segurança ou apenas conhecer outras plataforma de software, rode o sistema operacional sem mexer no HD

Por Guilherme Felitti, repórter do IDG Now!

09/04/2007 às 14h14

Foto:

Para evitar problemas em PCs sem segurança ou apenas conhecer outras plataforma de software, rode o sistema operacional sem mexer no HD

Não é sempre que você encontra um computador confiável para responder aquele e-mail importante na sua caixa postal ou mesmo gastar algumas horas navegando a esmo.

E o problema não está nem em computadores públicos, como os disponíveis em telecentros - eles contam com funções que gerenciam (ou simplesmente ignoram) dados pessoais de múltiplos usuários.

A questão está nos computadores de amigos ou familiares que ainda acham que firewalls e medidas de segurança são fruto da criatividade de usuários paranóicos.

As senhas, números de cartão de crédito e informações pessoais são deles e isto não é problema seu - mas e se só sobrar um micro como este na hora de checar suas mensagens e fazer alguma operação bancária de urgência?

Para não correr o risco, o usuário pode apelar por usar outro sistema operacional que não o instalado na máquina do seu amigo sem ter o trabalho de formatar disco rígido, reconhecer drivers e baixar softwares.

A atraente função é oferecida por uma série de distribuições de Linux, que podem ser acessadas tanto por CDs, por meio dos conhecidos LiveCD, como por memory keys.

Ambos os modelos seguem o mesmo modelo: na hora de ligar o micro, o usuário formata a BIOS para que o primeiro dispositivo a ser carregado seja ou o leitor de CD ou a porta USB onde o pen drive está conectado.

LiveCD
O conceito do LiveCD obedece ao dos disquetes que acompanham a instalação de muitos softwares na década de 90 (o Windows, inclusive).

Ao invés de carregar o sistema operacional e suas definição do disco rígido, todo o ambiente em Linux é acessado direto no CD, queimado pelo usuário com sua distribuição predileta.

Além de oferecer um ambiente seguro sem desconfigurar o computador onde é rodado, o LiveCD é uma esperta estratégia para aproximar usuários leigos às distribuições sem a necessidade de abandonar sistemas fechados, como o Windows.

Sistemas operacionais populares entre a comunidade que gosta de usá-los instalados, como Ubuntu e Fedora, contam com atrativos similares para seu uso pelo LiveCD.

Por mais que o nome se referira à mídia CD, muitas distribuições excedem os 700 MB disponíveis no disco e exigem que o boot seja feito a partir de DVDs - para usuários iniciantes ou mesmo para operações rápidas, no entanto, as versões básicas dão conta do recado.

O Ubuntu oferece duas versões do sistema operacional para que sejam customizadas em LiveCD - 5.10 e 6.06.

A versão mais simples, que ocupa 699 MB, traz softwares básicos para navegar na internet (Mozilla Firefox), edição de imagens (Gimp), edição de documentos corporativos (OpenOffice) e mensagens instantâneas (Gaim).

Mais recente entre todos, o LiveCD do sistema de código aberto da Red Hat Fedora usa sua versão 6 comprimida em 682 MB com maior riqueza de aplicativos que o Ubuntu.

No LiveCD do Fedora 6, além do pacote de navegador (Firefox), gerenciamento gráfico (F-Spot) e softwares corporativos (Abiword e Gnumeric), o usuário encontra soluções para telefonia IP (Ekiga), reprodução multimídia (Totem e Rhythmbox) e busca no desktop (Beagle).

Baseado no pacote Debian, o LiveCD da distribuição Knoppix usa o kernel 2.6 do Linux e agrega softwares como o navegador Konqueror, os softwares multimídia X Multimedia System e Ogg Vorbis Áudio, a suíte corporativa OpenOffice e o software gráfico Gimp.

Já o brasileiro Kurumin nunca escondeu que tinha como alvo atrair usuários pela compressão de seus aplicativos - tanto que o grupo responsável pelo sistema totalmente em português costumava distribuir miniCDs com o aplicativo.

O Kurumin conta com duas versões que podem fazer as vezes de LiveCD: a padrão ocupa 603 MB e com mais softwares além dos básicos Firefox e Kaffeine disponíveis na versão Light, que ocupa apenas 182 MB.

A versão completa do Kurumin também suporta impressão de arquivos, Java e scanners e conta com o pacote corporativo OpenOffice. Ambas, porém, podem ser usadas como LiveCD.

Memory keys
Da mesma maneira que podem ser baixadas e queimadas em mídias virgens para fazer as vezes de LiveCD, distribuições como Ubuntu e Fedora 6 podem ser configuradas para funcionar por meio de um pen drive.

A francesa Mandriva, por sua vez, comercializa diretamente os pequenos dispositivos de armazenamento com o sistema operacional Mandriva Flash integrado.

A principal vantagem está na possibilidade do drive gravar dados - em CDs e DVDs reproduzidos pelo drive, os arquivos podem ser criados e enviados para um servidor online, mas não salvos.

Pelo memory key, é possível que o usuário edite arquivos já gravados e salve novas versões dentro do espaço requerido.

Aliado à instalação do sistema operacional, o gerenciamento de documentos, contudo, exige que pen drives espaçosos sejam usados - de nada adianta um de 1 GB onde há alguns MBs disponíveis para salvar músicas, fotos e textos.

Para tanto, a Mandriva oferece apenas a versão de 2 GB (269 reais, mais frete) para usuários finais no Brasil - a companhia, porém, afirma que lançará no país o modelo com 4GB, oferecido apenas por 89 euros pela Mandriva francesa.

Baseado no Kernel 2.6 do Linux, o Mandriva Flash conta com navegador Firefox, pacote corporativo OpenOffice e player multimídia RealPlayer 10, além de efeitos para desktop em 3D.

Mesmo com a gravação de dados e o (fácil, embora falho em certos momentos, segundo teste feito pela PC World) reconhecimento do hardware do micro, o Mandriva ainda prima por deixar o micro original intocado após você desplugar o memory key da porta USB.

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail