Home > Dicas

Por que a linha discada só oferece velocidades de até 56 Kbps?

Limitações técnicas impedem velocidades de acesso maiores neste tipo de conexão

Por Nando Rodrigues, da PC WORLD

04/06/2007 às 21h33

discado70x84.jpg
Foto:

Limitações técnicas impedem velocidades de acesso maiores neste tipo de conexão

Dúvida do leitor Antonio Luchinni, recebida por e-mail
“Por que a velocidade do modem discado gira em torno de 56 Kbps? Isso é ‘privilégio’ apenas do Brasil, para sermos obrigados a assinar banda larga, ou acontece em outros países? Ou existe modem discado com velocidade maior do que esta?”

PC  WORLD: Os modens convencionais trabalham em taxas máximas de 56 quilobits por segundo (Kbps) — aqui e em qualquer lugar do mundo.  O que não quer dizer que você  consiga essa velocidade todas as  vezes que se conectar. Isso depende de uma série de fatores, tais como qualidade da conexão, condições da fiação, etc.

discado100x120Esse limite ocorre por um fator técnico que impossibilita taxas de transferência superiores a 56 kbps pela linha discada, na forma tradicional, usando o bom e velho modem.

Por que, então, quando se um modem ADSL obtemos taxas de transferência maiores?

A voz, ao trafegar no par de cobre, utiliza uma faixa específica de freqüência. O model ADSL transmite os dados (upload ou download) em uma faixa de freqüência diferente da que é utilizada para a transmissão da voz.

Dessa forma, as duas informações - voz e dados - podem trafegar no mesmo par de cobre sem que haja colisão de informação, coisa que o modem convencional não consegue fazer (ou você usa o telefone para falar ou para acessar à internet discada).

Evoluções tecnológicas foram introduzidas no ADSL permitindo ofertas de serviços (chamados banda larga) com várias velocidades (128 Kbps, 256 Kbps, 512 Kbps, 1 Mbps, etc.). Podemos dizer que a banda larga deu sobrevida a toda infra-estrutura de par de cobre existente.

Caso tenha alguma dúvida, envie um e-mail para a equipe da PC WORLD.

Tags

Junte-se a nós e receba nossas melhores histórias de tecnologia. Newsletter por e-mail Newsletter por e-mail